Topo
pesquisar

O peso da cruz

Religião

Narração sobre a morte e crucifiação de Jesus na primeira pessoa do singular.

Já era fim de tarde, o dia grande se aproxima... A noite seria a mais longa de todos os tempos. Mesmo que não fosse novidade o que iria acontecer comigo. Meu pai me enviou me dizendo como seria meu último dia na terra. Mesmo assim era difícil.

Eu sabia que a morte seria dolorosa, mas não tanto. Sabia que iriam rir de mim, mas não aqueles que andaram comigo, que receberam de mim vida. Alguns dos que ali estavam não me deixaram enquanto eu caminhava com eles, quando tiveram fome não foram comprar, eu fui até eles e os dei a comer, pão divino e físico. Não os deixei faltar amor nem milagres e nem vida em abundância. Mas ali estava eu abandonado naquele lugar.

Pouco tempo antes de ser preso fui traído. A traição nunca é boa, mas quando se sabe que vai ser traído temos a idéia que será mais fácil, não é. Quando vi aqueles soldados, que dor na alma. Eu sabia que já tinha sido entregue por aquele que deveria estar ali comigo orando pelos meus últimos momentos. Sabiam os meus amigos e seguidores que este momento chegaria. Eu falava a eles todo o tempo, mas não me davam ouvidos, queriam apenas o melhor de mim, não participar da minha dor.

Quando me levaram para acusação, nem sabiam o que dizer, este é aquele diziam uns, este é o que fazia isso dizia o outro. Mas acusação séria e formal ninguém tinha. Mesmo assim não me deixaram ir. Fui preso injustamente, ou justamente por querer salvar aqueles que me prendiam. Um dos meus seguidores me disse um dia que morreria comigo. Mas ali não estava, e nem sei para onde foram, pois quando os soldados chegaram e me prenderam foi um correr-corre. E o medo que sobrassem para eles? Nesta hora lembraram de suas famílias, amigos e cada um foi para o seu lado.

Passei a noite naquele lugar frio, fedido e que era o meu lugar por VOCÊ que me lê neste momento. Ali começava minha morte, acusação sem justa causa. E você ai solto quando deveria pagar por seus próprios pecados. Mas escolhi dizer sim, afinal eu sabia que você não daria conta de pagar seus pecados como deveriam ser pagos. - Com sangue. E só o sangue de um sem pecados poderia dar fim há seus dias de pecador o transformando em separado e limpo.

Foi-me oferecido uma coroa, afinal todo rei tem a sua. Nada de brilhante retirados com sangue de trabalhadores e pago em forma de escravidão. Nada de pedras raras achadas por ricos empresários que nem sabe o que é retirar uma pedra preciosa, muito menos trabalhá-la. A CRUZ CONTINHA ESPINHOS, estes espinhos foram colocados para zombar do meu título, dizer que eu não era nada, pobres homens perdidos. Não sabiam que cada espinho que me entrava testa afora era seus próprios pecados que já começavam a pesar sobre mim.

Enfim os açoites chegaram, cada arma usada para me açoitar tinha um fim, então apanhei da forma mais dolorida que se possa imaginar. Quando não havia mais forças em meu corpo, bateram mais um pouco para que eu provasse a eles quem eu era. Como saberiam se em seus corações não havia espaço para a vida e sim a morte.

Quando liberaram um criminoso para que eu pudesse ser preso, apenas cumpriram o que meu pai havia ordenado, afinal jamais em seus corações saberiam o que faziam, eram cegos em suas próprias cobiças. Não pararam para pensar que aquele preso poderia gastar tempo para ser novamente preso, iria atormentar suas famílias e amigos, ou eles mesmos estariam em perigo. Mas não enxergavam nada, estavam cegos de prazer em me ver ser morto, provando assim que estavam certos e eu sempre fui um impostor. O que não sabiam era que os seus pecados não davam conta de mim, satanás estava dizendo a eles que eu não era nada para poder dominar suas vidas.

A cruz me foi oferecida como ponto final de todo aquele martírio. Como era pesada, meu corpo doía todo. Não havia mais lugar sem feridas, o sangue brotava em todo corpo, meus poros já não vertiam suor e sim sangue. QUANDO AQUELA MADEIRA FOI COLOCADA NO MEU OMBRO, QUE VONTADE DE DIZER CHEGA PAI, NÃO AQUENTO MAIS, ESTÁ SENDO MUITO DIFÍCIL. ONDE ESTÁS QUE NÃO POSSO TE VER.

Quando pedi que passasse de mim aquele cálice não estava sendo fraco, mas expressava ao meu pai o quando sofria pelos SEUS pecados, por cada resposta atravessada que você dá, por cada mentira contada, por cada morte saindo de seus dedos, por cada droga que você vende ou consome. Por cada minuto de sua preciosa vida que você jamais saberá o preço, Pois, fui eu quem a pagou.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Ao levar aquela cruz, você acha que um dos meus seguidores se ofereceu para levá-la. Não, não mesmo. Cada um continuava no seu lugar, vi minha mãe chorando, meus irmãos a ajudando sem nada poder fazer. Ela até que poderia me ajudar, mas a mulher pouco importava naquele tempo, era como se ela nem ali estivesse. Mas eu morria por isso também para depois mulheres saírem queimando sutiãs dizendo serem elas a conquistarem espaço na sociedade. Eu conquistei este espaço a vocês ali naquela cruz.

O único que carregou a cruz comigo o fez obrigado, mas não deixou de receber sua paga. Meu pai olhou por ele.

Quando cada prego era pregado em minhas mãos e pés, não tem descrição da dor e hoje ficam ai no mundo moderno fazendo livros, debatendo se foi no pulso, na mão onde entraram os pregos. Eu sei onde foi, na minha carne, para que a sua fosse limpa e remida. Foi na carne para que você pudesse resistir as suas tentações, lançadas pelo meu inimigo satanás. Mas você prefere dar lugar a ele que nada pagou por você.

“A ti Senhor entrego o meu Espírito”. Acabou o meu tempo sobre a terra. Meu corpo é deixado sem a vida física. A escuridão toma conta do local. Meu pai me recebe no túmulo onde ficarei poucos dias. Ali será apenas um local de espera, onde muitos poderão comemorar minha ida, mas não sabem que voltarei ainda mais forte, pois irei para o meu pai.

Os que caminharam comigo não sabiam o que fazer após minha morte, tive que voltar a eles e os mostrar quem eu realmente era, nem sabiam o que iria acontecer, não foi falta de avisar, lembrar repetir. Estavam cegos em suas cobiças e desejos.

Talvez você esteja os condenando e dizendo, está vendo nem os discípulos sabiam quem era Jesus, andava com ele, mas não o conhecia? E VOCÊ me conhece? Sabe quem sou e porque morri? Foi por você que hoje não deseja que eu faça algo em sua vida para transformá-la. Quer ir onde há abundancia de milagres, palavras bonitas, pessoas bonitas no altar que em muitos lugares não são meus e sim de homens interessados naquilo que lhes dão retorno financeiro. E vocês não vêm a mim para nada, eles são o suficiente para enchê-los de engodo e lixo.

Jamais saberão o quanto custou a mim Jesus Cristo o seus pecados, até que eu volte e busque o meu povo, a minha igreja, lavada no meu sangue. Não esta casa de prostituição cultual. Esta casa de aparatos lindos, mas são como túmulos cheio de pintura só por fora, por dentro são mortos e mal cheirosos. O meu povo dá a vida por mim como eu dei a eles. São escolhidos por terem um coração aberto a minhas palavras. São como ovelhas e não como bodes.

Hoje sou vencedor, não porque conquistei fama no mundo, não por meu pai ter sobre seu domínio todas as riquezas da terra. Ele é dono de ouro e prata e basta apenas uma palavra sua e tudo muda de lugar. Mas eu além de ter tudo isso comigo, venci junto ao meu pai a morte. Tenho a chave até do inferno, nem satanás conseguiu dominar sua casa. Ele também está debaixo dos meus pés.

Estou preparando um lugar para meus irmãos, um lugar sem sofrimento onde poderão passar a eternidade, uma palavra que muitos não conseguem pensar por estarem com seus olhos voltados apenas para sua carne e seus domínios. É como se ela não existisse. E é essa tem sido a mensagem desde o Jardim do Edem quando Eva e Adão deram ouvidos a satanás.

Você pode escolher seu caminho, aquele que preparei com sangue, lágrimas e dor ou o de satanás que nada fez por você a não ser roubar, matar e te destruir e te largar solto em seus delitos sofrendo sozinho a paga pelos seus feitos. Te conto tudo isso hoje pois é sua última oportunidade, pedirei a sua alma, o que tens a me dar?

Eu sou Jesus Cristo, venha a mim como estás...

Até a próxima... 


Publicado por: silvia leticia carrijo de azevedo sá

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola