Topo
pesquisar

Questões sociais e seu impacto na vida das crianças

Psicologia

Clique e entenda sobre as questões sociais e seu impacto na vida das crianças.

A vida infantil, mesmo que não se apresente, é repleta por enfrentamentos e formações. Desde a gestação, caso não ocorra uma alimentação adequada as consequências irão diretamente para o feto e isso pode gerar um bebê desnutrido com o risco de não conseguir sobreviver. A diferença é muito grande entre uma criança necessitada e outra que possui uma vida mais regrada, pois não consegue ter um bom desenvolvimento físico e cognitivo.
Destas crianças muitos têm que trabalhar, alguns ficam em sinais de trânsito, outros buscam meios para conseguir um dinheiro para ajudar em casa, simplesmente para sobreviver, num outro patamar estão os que esbanjam desde coisas inúteis, bens materiais e até muitas crianças obesas que sofrem pelo excesso de alimentação, enquanto outras sofrem por não ter nada.

A criança necessita de atenção dos pais, por mais pobre que seja a família, a maioria não consegue fornecer as necessidades de seus filhos. Com pouco estudo ou nenhum a família não tem como evoluir de patamar social as oportunidades se fecham, isso faz com que existam muitos meninos de rua assaltando, morando em lugares precários, sem direito algum a uma vida melhor, enquanto isso suas necessidades não são ouvidas pelos governantes ao reclamar da falta de recursos. Por vezes, famílias nem reclamam por já estarem satisfeitas com o mínimo auxílio.

As pessoas fecham os vidros dos carros, colocam grades nas janelas, até mesmo andam armados, pelo medo destas “crianças” em que são julgadas como menores infratores, a culpa é de quem? Seria dos pais que não conseguiram dar estudo, alimentação e um futuro melhor? O fato destes pais não conseguirem emprego é muito relevante, a sociedade fecha as portas para estas pessoas mais carentes, não fornecem a oportunidade de trabalho que muitos procuram.
Cada vez mais se exige estudo e qualificações e se não for qualificado é automaticamente invisível ou excluído do mercado de trabalho. A desigualdade social é o principal fator de importância entre as classes, sendo que alguns têm muito poder aquisitivo, enquanto outros têm pouco, ou chegam a não ter nenhum.

As crianças de hoje em dia já crescem com medo de outras crianças, dos assaltos, sequestros, de fatos realistas vividos no contexto do meio familiar. Antigamente as crianças tinham medo de bichos e fantasmas. 

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

As fantasias se tornaram reais, tudo se tornou precoce, muitas crianças exercem tantas responsabilidades que acabaram deixando a fase do brincar, desde pequena já é cobrado para que seja alguém importante e de poder, não se admite o fracasso, não se tem mais a infância do “pega-pega” do “esconde-esconde”. As crianças de hoje se drogam entre um farol e outro, apanham caso não consigam levar dinheiro para casa, são cobradas como adultas. 

Enquanto muitos têm família, tem o que comer, tem carinho e atenção, outros nem sabem como seria ter estas necessidades supridas, muitas crianças se afundam em cheirar “cola” talvez para fugir dessa realidade, são espancadas e as autoridades culpam a elas pelo erro de todos, enquanto se deveria investir na educação destes, para que não surgissem crianças revoltadas, já que não tem os mesmos direitos que as outras de sua idade. 

Estes direitos só ficam na constituição do menor que afirma que todos têm direitos a educação, saúde e o direito de ser criança, mas infelizmente a realidade se tornou crua, jogar bola e brincar? A isso virou luxo.

A desigualdade social é a resposta da injustiça, quem não tem a oportunidade ou não possui estudo se torna analfabeto dificultando o acesso ao emprego, muitas vezes estas pessoas não conseguem manter uma casa com filhos, ganha se muito pouco pelo tanto que trabalha.

Se todas as crianças têm o direito à educação e alimentação e isso não tem ocorrido, algum ponto anda errado, pois muitos têm muito poder aquisitivo e outros não possuem nada. As famílias mais carentes possuem maior quantidade de filhos, nem sempre planejam um futuro para eles, possuem pouca informação e conhecimentos para evitar mais filhos, enquanto que famílias de melhor poder aquisitivo normalmente conseguem dar um bom estudo, boa alimentação e consequentemente seus filhos terão futuros mais promissores. 

As diferenças entre as famílias são grandes, a violência, o abandono, as drogas e a falta de emprego, levam o país a uma continua rotatividade de pobreza, criando assim a desigualdade entre as classes sociais.


Publicado por: Cleunice Paez

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola