Topo
pesquisar

Brincando no Tempo

Poemas e Poesias

Algumas brincadeiras que faziam parte da infância

Vamos brincar de esconde-esconde,
De pular corda ou de amarelinha?
Pode ser de cabra-cega, bola de gude e pião
Ou ainda de mosaico e ciranda-cirandinha

Se não quiser passar o anel
Jogue a peteca ou a batata quente
Quebre a cabeça com a cama-de-gato
Gire o bambolê para equilibrar a mente

Corrida no saco é divertida
Telefone sem fio é concentração
Podemos fazer mímica enquanto o seu lobo não vem
Massinha colorida e bolinhas de sabão

Escolha músicas com tom de alegria
Na dança das cadeiras alguém vai sobrar
Pega-pega e força no cabo de guerra

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Cuidado com a estátua, não vale piscar

Enquanto o iô iô está no sobe e desce
Pedrinhas levamos para a rua ladrilhar
Faz-de-conta que encontrei uma fada madrinha
E ela trouxe estrelas para o futuro brilhar

Cantigas de roda embalam nossos sonhos
Tintas e recortes fazem arte no papel
Parlendas valiosas poetizam nossas vidas
No quintal terra molhada, cata-vento e pipa no céu

Aventuras futuristas no cenário virtual
Balanço para resgatar o genuíno da diversão
Modernos prazeres no portal da velha infância
Liberdade preciosa nos doces segredos da imaginação


Publicado por: Sandra

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola