Whatsapp

Apreciação Sobre a Primavera Egípcia

História

No fim, de dezembro, de 2010, uma série de protestos e levantes populares se espalharam, rapidamente, pelo mundo árabe.

No fim, de dezembro, de 2010, uma série de protestos e levantes populares se espalharam, rapidamente, pelo mundo árabe, em especial, o Oriente Médio e Norte da África. É o caso de países como Tunísia, Líbia, Bahrein, Síria e Egito. Entre outros.

Após protestos e enfrentamentos violentos, governos autocráticos começaram a cair. Portanto, primavera árabe é o nome que se dá a essa onda revolucionária que vem sacudindo e derrubando tiranos dos países árabes. Em sendo assim, afinal, o que aconteceu no Egito?  

No fim de janeiro, de 2011, os egípcios ocuparam ruas e praças para protestar contra a ditadura de Hosni Mubarack, que há três décadas ocupava o poder. Após intenso combate, entre as forças do ditador e revoltosos, cerca de 900 pessoas foram mortas. Mubarack caiu. Por um lado, é inegável o papel das mídias sociais para a derrubada do ditador.

Com a realização de eleições livres, Mohamed Mursi foi eleito o novo presidente. Ele preside o Partido da Liberdade e da Justiça, que é apoiado pela Irmandade Muçulmana. Por sua vez, aos poucos, o país tenta voltar à normalidade. Na atualidade, é fato que a imprensa tem maior liberdade de expressão.

Um processo inconcluso

No momento, no Egito, tudo está incandescente. Ou melhor, indefinido. Providências urgem: eleições regulares, investimentos em saúde e educação, geração de empregos, criação de indústrias, liberdade religiosa e garantia dos direitos femininos.

Está claro que os desafios de Mursi são enormes, afinal, o país vive, basicamente, da agricultura, do turismo e do petróleo. Sua população é de 82.536.770 milhões, sendo que a maioria (56%) vive no campo. O PIB é de cerca de US$ 215 milhões.  

Em conclusão, os egípcios têm a oportunidade de mudar o rumo de sua história. Os ventos democráticos, que pedem democracia e liberdade, ainda sopram sobre o país e a região, afinal, é fato que a população quer qualidade de vida e esperança num futuro melhor. Isso é parte dos novos desafios a serem vencidos no Egito e demais países. Enfim, o processo revolucionário segue inconcluso e incandescente como brasa. (Ricardo Santos é prof. de História).


Publicado por: RICARDO SANTOS

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do site por meio do canal colaborativo Meu Artigo. O Brasil Escola não se responsabiliza pelo conteúdo do artigo publicado, que é de total responsabilidade do autor. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.