Topo
pesquisar

Tempo de eleição

Filosofia

candidatos, o que a população espera, o que a experiência indica, as campanhas, reação da população...

Em geral, quando perguntamos a alguém o que ele espera dos candidatos a determinado cargo eletivo, as respostas não se diferenciam muito: As pessoas querem seu comprometimento com as causas candentes da sociedade; querem postura condizente com a ética e os padrões morais defendidos pela sociedade; querem solução para as agruras da população; querem transparência nos discursos e nas atitudes; querem certeza de que não serão enganados...

A experiência, entretanto, indica o contrário. Indica que rarissimamente as necessidades da população são atendidas e, pelo contrário, o que de modo geral vemos acontecer é aquele que se elege tornar-se mais um explorador do povo. E o pior é que a população não percebe possibilidades de mudança; não vê “luz no fim do túnel”; o que se vê é o aumento do volume do esgoto jorrando para a fossa da política. E aquela esperança que havia se torna cada vez mais amarela, sem vida...

É verdade que até se fazem campanhas contra a corrupção; campanhas pelo voto consciente; campanha contra a venda de voto; campanhas pela ética na política; campanhas para impedir que malandros sejam candidatos... mas até hoje foram todas infrutíferas! Não levaram a nada além da decepção!

Só para lembrar alguns casos dos últimos anos: Alguém se lembra dos “anões do orçamento”? Em que deu aquilo tudo? Alguém se lembra do “mensalão”? O que aconteceu com acusados e acusadores? Alguém se lembra do caso daquele senador que o congresso, vergonhosamente, absolveu? E de como foi absolvido e quem o absolveu? Como reagiu a população?

Em todos esses e em muitos outros casos a reação da população foi e permanece sendo de passividade. Não estamos falando de um povo pacífico, que defende a paz, mas de uma população passiva, que aceita ser cabresteada. Só para ilustrar lembremos-nos das palavras do filósofo alemão, K Jaspers, que afirmou: “Muitos políticos vêem facilitando seu nefasto trabalho pela ausência da filosofia. Massas e funcionários são mais fáceis de manipular quando não pensam, mas tão-somente usam de uma inteligência de rebanho. É preciso impedir que os homens se tornem sensatos”.

Isso nos leva a outra afirmação: O problema do mundo não são os políticos corruptos, mas uma população que aceita a corrupção. Além de convivermos como rebanho, sendo conduzidos ao matadouro, somos tão corruptos e corruptores quanto aqueles a quem chamamos de safado. Basta, para confirmar o que estamos dizendo, olharmos para o cenário das eleições: quantos foram os maus elementos que se candidataram para o Congresso Nacional... e foram eleitos com enorme volume de votos? Esses, depois de eleitos, ganham imunidade. Malandramente agiram de acordo com a lei de sobrevivência... queriam sobreviver... e estão sobrevivendo não porque mereciam ou fossem vítimas inocentes, mas porque milhares de eleitores, tão malandros como eles, os elegeram.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O que estamos querendo dizer é que nós, povo brasileiro, não somos vítimas, mas coniventes. Não basta dizer que estamos indignados, se, na primeira oportunidade que temos, agimos, embora em escala menor, da mesma forma que os malandros a quem acusamos. Não basta dizermos que não concordamos, se não tomamos atitudes que corroborem nosso discurso. Não basta a indignação, se não somos capazes de ação.

O que se pode observar, portanto, é que num momento falamos contra os malandros profissionais e no somos aqueles que concordam com os malandros; de um lado está o candidato mau caráter e do outro o eleitor mau caráter. E um não é pior do que o outro: ambos são lama do mesmo brejo.

Em tempos de eleição é importante refletirmos sobre esses pontos. Não pensando que alguém, milagrosamente, desenvolva uma consciência social e política por decreto, ou de imediato, ou espontaneamente, mas para nos darmos conta que os candidatos são reflexos da sociedade em que estão inseridos. Não existe candidato mau, nem bom. O que existem são candidatos que desejam se eleger. E, para conseguir isso, apelam... e recebem guarida.

Para entendermos o que pensa a maioria dos candidatos e como agem os eleitores, podemos invocar Trilussa, poeta italiano, contemporâneo de Mussolini. Em seu poema “O Zero”, diz:

Eu valho muito pouco, sou sincero,

Dizia o Um ao Zero.

No entanto, quanto vales tu?

Na prática és tão vazio e inconcludente

Quanto na matemática.

Ao passo que eu, se me coloco à frente

de cinco zeros bem iguais a ti,

sabes acaso quanto fico?

Cem mil, meu caro.

Nem um tico a menos nem um tico a mais.

Questão de números.

Aliás é aquilo que sucede com todo ditador

que cresce em importância e valor

quanto mais são os zeros a segui-lo

Idéias boas para uma campanha, em tempos de eleição. Não se trata de acusar ninguém, mas de reconhecer que o problema não está no um, mas no zero. Se “massas e funcionários são mais fáceis de conduzir”, por não pensarem, isso implica dizer que equivalem a zero; o mesmo pode ser dito a respeito de quantos sejam aqueles que são vazios de opiniões e de posições. São inconcludentes, dependentes, coniventes... e são levados por alguns... pois, quem não pensa, é pensado! Quem não tem rumo é conduzido!

Neri de Paula Carneiro – Mestre em Educação
Filósofo, Teólogo, Historiador


Publicado por: NERI DE PAULA CARNEIRO

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola