Topo
pesquisar

O Saber Docente

Educação

Os desafios do professor atual, uso de novas tecnologias, relação pedagógica centrada nas necessidades do aluno, relação com as famílias,...

Osvaldo Arsênio Villalba

Este texto é relacionado à tese doutoral de Judite Filgueiras
Rodrigues “Perfil Motor de Escolares Repetentes dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental do Município de São Luiz RS – Brasil”.UTIC – Universidade Tecnológica Intercontinental.

Ao longo de suas carreiras os professores se apropriam de saberes que correspondem aos discursos, objetivos, conteúdos e métodos a partir dos quais a instituição escolar categoriza e apresenta como modelos da cultura erudita e de formação para a cultura erudita.

Este professor que trabalha nas escolas da atualidade, com uso de novas tecnologias e recursos pertencentes ao arsenal científico e cultural disponível para a humanidade, demandas de valores éticos e posturas solidárias, ao interagir com essa clientela que está conectada aos acontecimentos mundiais em tempo real, enfrenta um grande desafio.

Tal desafio requer uma visão de futuro, aliada a uma postura crítica que pressupõe capacitação constante, estudo continuado, curiosidade e interesse em estar atualizado, pois, ensinar e aprender, agir ao mesmo tempo como mestre e aprendiz, são requisitos fundamentais aos que se dedicam à Educação.

Há que se considerar a peculiaridade desse espaço educativo dos dias de hoje, onde o saber docente fica diretamente ligado a uma relação pedagógica centrada nas necessidades e interesses do aluno.

Há que se lembrar, também, que a relação com as famílias exige preparo e discernimento de todos os que se dedicam à Educação.

Nesse contexto, a especificidade do saber docente ultrapassa a formação acadêmica, abarcando a prática cotidiana e a experiência vivida. Pode-se dizer que é um saber heterogêneo e plural.

Como a pertinência dos saberes escolares não é mais tida como óbvia nessa nova realidade globalizada e informatizada, a função docente passa a dirigir um olhar especial à preparação dos sujeitos, equipando-os em consonância com a concorrência impiedosa que rege o mercado de trabalho. Nesse processo, a escola não cuida ainda da formação do aluno em termos de valores, ética, cidadania.

Para Tardif (2006), o saber profissional encerra também aspectos psicológicos e psicossociológicos, pois exige do professor um conhecimento sobre si mesmo e um reconhecimento por parte dos outros. O saber do professor é um saber experiencial, pois é prático e complexo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Portanto, procurar compreender a racionalidade do fazer pedagógico na sala de aula significa buscar desvelar as “certezas” que dão suporte às decisões do professor.

Significa, igualmente, explorar o universo epistemológico que fundamenta o agir pedagógico.

Para o mesmo autor, durante exercício da docência os professores adquirem e mobilizam diversos tipos de saberes docentes tais como: saberes da formação profissional, saberes curriculares, saberes disciplinares e saberes experienciais. Para ele, os saberes da formação profissional são aqueles transmitidos pelas instituições de formação profissional e passam a ser incorporados à prática docente.

Os saberes disciplinares são os saberes mais específicos, relacionados aos diversos campos do conhecimento, aos saberes de que dispõe a sociedade, como se encontram nas universidades e sob a forma de disciplinas.

Quanto aos saberes curriculares, ressalta que correspondem aos objetivos, conteúdos e métodos a partir dos quais a instituição escolar categoriza e apresenta os saberes sociais por ela definidos. Tais saberes já se encontram consideravelmente determinados em sua forma e conteúdo, produtos oriundos da tradição cultural e dos grupos produtores de saberes sociais e incorporados à prática docente através das disciplinas, programas escolares, matérias e conteúdos a serem transmitidos”.

No entanto, a partir do momento em que os professores constroem os saberes da experiência, todos os demais saberes poderão ser retraduzidos por eles na forma de hábitos, ou seja, de um estilo pessoal de ensino, em “macetes”, em traços de personalidade, que se expressam por um saber-ser e de um saber-fazer pessoais e profissionais validados pelo trabalho cotidiano.

Referências Bibligráficas

Tardife. M. 2006. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 6 ed.

Rodrigues, J. F. Educação Física Escolar: aprender com o movimento. Ijuí: UNIJUI.

--------------------------------------------------------------------------------

Doutoranda em Ciências do Movimento Humano UTIC - Judite Filgueiras Rodrigues
Prof.Dr. Orientador - Osvaldo Arsênio Villalba


Publicado por: Judite Filgueiras Rodrigues

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola