Topo
pesquisar

O bullying atinge ambos os sexos

Educação

Incentivo ao fim do bullying.

 O bullying, processo repetitivo e constrangedor pelo qual milhares de alunos passam todos os dias nas escolas, é hoje um mal a ser combatido em caráter emergencial. A desinformação generalizada e o medo de diretores e professores de admitir a existência deste fenômeno em suas instituições de ensino têm propiciado o crescimento de atitudes agressivas de alguns alunos para com o que é diferente, produzindo cidadãos intolerantes e preconceituosos.

Enganam-se quem imagina que tal experiência degradante seja vivida e provocada apenas por meninos. Quando fui proferir uma palestra sobre o tema numa escola estadual aqui em Goiânia, uma aluna indagou sobre a obrigatoriedade de sua presença durante minha explanação, afinal, o bullying, por ser caracterizado por atitudes agressivas, seria prática exclusiva dos meninos. É preciso entender que o bullying é uma tipologia usada para identificar vários tipos de violência em um determinado grupo de estudantes, compreendendo violência física, verbal, emocional, etc.

O bullying com uso da violência física é mais comum entre meninos, mas temos inúmeros casos entre meninas também. O mais comum entre meninas é a violência verbal e emocional, o uso de amizades que desvirtuam a vítima de seu eixo social ou ainda a exclusão da vítima pelo grupo. Assim, esta agressão acaba sendo menos percebida pelos professores e pelos pais, imaginando que a vítima é apenas tímida, triste ou que este é o jeito dela, sendo que de fato esta é vítima da crueldade de alguns alunos no ambiente onde a segurança deveria estar presente. Todos nós queremos ser aceitos no grupo em que estamos inseridos. Entre crianças e adolescentes isto não é diferente. O ato de apelidar, de amedrontar, de humilhar, de chantagear, ameaçar, de agredir fisicamente, de excluir do grupo, ou simplesmente ignorar, leva suas vítimas a uma perda de identidade, gerando sérios problemas psicossociais, prejuízos no processo de aprendizagem destes educandos e levam até mesmo a suicídios ou homicídio seguido de suicídio. Exemplos destas conseqüências são vistos principalmente em países como EUA, onde o porte de armas é comum.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Os agressores, como são chamados os que praticam o bullying, sejam meninos ou meninas, também sofre com esta prática. Afinal, está comprovado que 60% dos agressores terão passagem pela polícia até os 18 anos de idade. Ou seja, a prática do bullying, independente do sexo do agressor, leva os jovens ao crime e aumenta a evasão escolar.

Nós enquanto pais, professores e seres humanos, não podemos mais aceitar atitudes como estas presentes na prática do bullying. Afinal, estamos vendo jovens estressados, deprimidos, com baixa autoestima e incapacidade de autoaceitação. Devemos entender que este fenômeno é praticado por meninas e meninos e que suas conseqüências atingem a todos nós.

Referencias Bibliográficas

ADORNO, Sérgio (1999) Conflitualidade e violência. Reflexões sobre a anomia na contemporaneidade. In: Rev. Sociol. USP, S. Paulo, 10(1): 19-47.

ANDO, M.; ASAKURA, T. Psychosocial Influences on Physical, Verbal, and Indirect Bullying Among Japanese Early Adolescents. Journal of Early Adolescence, Vol. 25 No. 3, August 2005 268-297.

CRAIG, Wendy M. The Relationship Among Bullying, Victimization, Depression, Anxiety, And Aggression In Elementary School Children. In Person. individ. Dif/: Vol. 24, No. I, pp. 123-130, 1998.

FANTE, C. Fenômeno Bullying: Como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz. Campinas – SP: Verus, 2005.

LISBOA, C. BRAGA, L.L.; EBERT, G.. O fenômeno bullying ou vitimização entre pares na atualidade: definições, formas de manifestação e possibilidades de intervenção. Contextos Clínicos, vol. 2, n. 1: (59-71), janeiro-junho 2009.

OLWEUS, D. 1993. Bullying at school: What we know and what we can do. London, Lackwell, 140 p.

WIEVIORKA, Michel. O novo paradigma da violência. Tempo Social. Rev. Sociol. USP, S. Paulo, 9(1): 5-41, maio de 1997.


Publicado por: Alexandre Vinícius Malmann Medeiros

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola