Topo
pesquisar

As novas famílias

Educação

A autora expõe sua opinião a cerca das novas famílias de hoje em dia.

Às vezes fico pensando em como estão as famílias hoje. Quando uma professora marca uma reunião e pede que todos os pais participem, alguns alunos dizem: “Meu pai não pode vir, ele não mora conosco”. Outro diz: “Minha mãe pode vir com o namorado dela? Ele está morando lá em casa.”

Algumas famílias modernas são assim, a mãe e o pai são amigos, combinam como cuidar das crianças, quem vai levar na escola, quem vai buscar, quem fica com as crianças na hora do outro sair para passear, ou ainda, onde vão ficar as crianças, pois os dois vão sair para namorar. Enfim, as famílias mudaram muito.

Já presenciei um fato diferente: Os pais foram convidados para uma reunião importante da escola, para tratar de assuntos relativos à formatura da filha adolescente. A garota tratou de falar pessoalmente com cada um dos pais, pois eram separados. No dia da reunião, devido a um imprevisto no trabalho, a mãe acabou se atrasando e, como sabia que o ex-marido ia participar também, pediu-lhe uma carona para chegar mais rápido à escola.

Chegaram juntos para a felicidade da menina. Assentaram-se sem fazer muito alarde, pois o salão já estava repleto e a reunião já estava começando. Dali a pouco, o namorado da mãe, querendo agradá-la com a surpresa de ir à reunião, apressa-se em chegar na hora e encontra-se na porta com a namorada do pai que teve a mesma ideia, visto que ambos precisavam agradar a menina demonstrando interesse na festa de formatura.

Foi um desastre! O casal recém-chegado foi obrigado a sentar junto, pois não havia mais lugares disponíveis e os pais da menina estavam bem mais à frente. Criou-se ali uma situação estranha e embaraçosa que deixou a menina encabulada.

Em muitos casos, namoradas dos pais, ou namorados das mães, confundem a cabeça das crianças, que passam a não entender esse sentimento que nutrem por essa pessoa que não é pai, nem mãe, mas que está em contato constante com elas e amam seus pais ou mães.

Aquela preocupação anterior dos pais em dizer para a criança que vão se separar, o medo que têm da criança sentir muito, de ficar até doente com a separação, tudo parece não ter mais importância. Cada um tem o seu namorado e tudo parece ser natural e aceitável. Até aquele preconceito que pensavam que iriam sofrer da sociedade não é mais perceptível. Muitos casais, ao se separarem e começarem outro relacionamento esquecem-se das crianças e adolescentes, que estão sempre atentos a tudo, mesmo não deixando transparecer.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Apesar de, muitas vezes, não demonstrar de fato, as crianças sentem muito a separação dos pais, especialmente, se for criança pequena que precisa de ambos para formar a sua identidade.

Antes de um casal pensar na separação, deveria tentar se acertar. Analisar as diferenças, modificar comportamentos, reconstruir e rever seus papéis, perceber que mesmo que haja alguma incompatibilidade, ela não é total e sempre vai haver a chance de recuperar a família.

Muitos casos de separação não levam simplesmente a novos relacionamentos e namoros e tudo bem. Muitos relacionamentos conturbados dos pais são extremamente prejudiciais aos filhos e vão impedi-los de viver adequadamente cada etapa de seu crescimento. Em muitos casos, os pais tentam envolver os filhos, procurando aliados, como se fossem disputar uma guerra.

O ideal é não haver a separação, mas se isso for inevitável os filhos devem ficar livres para procurar os pais, para conviver com um e com o outro da melhor maneira possível. É importante que os pais passem para os filhos que a separação é entre eles e que não estão se separando das crianças. Eles precisam resolver isso entre eles, não sendo necessário envolver os filhos.

O diálogo entre os pais, entre os pares do novo relacionamento e com os filhos é vital para a permanência do afeto entre pais e filhos. Mesmo estando separados, os pais devem continuar sua tarefa de amor para com os filhos. Essas crianças ainda precisam muito de cuidados, de carinho e atenção.

O novo amor que surgiu na vida do pai ou da mãe, não deverá suprimir o amor que o casal sente por seus filhos em comum. Mesmo porque, deve-se levar em conta que outros filhos virão desses novos relacionamentos e haja paciência, compreensão, carinho e amor para tanto!

Empresária, Graduada em Ciências/matemática, Especialista em Educação Infantil pela FACED, Faculdade de Educação da UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora/MG); Especialista em Mídia e Deficiência, pela FACOM, Faculdade de Comunicação da UFJF e Pós-Graduada em Arte, Cultura e Educação, pelo IAD, Instituto de Artes da UFJF. Possui várias publicações em sites e revistas.


Publicado por: Sonia Oliveria Silva

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola