Topo
pesquisar

Saber ouvir

Administração

Nossa incapacidade de ouvir, como ouvir mehor...

Sempre vejo anunciados cursos de oratória. Nunca vi anunciado curso de escutatória. Todo mundo quer aprender a falar. Mas ninguém quer aprender a ouvir. Pensei em oferecer um curso de escutatória, mas acho que ninguém vai se matricular, diz o escritor mineiro Rubem Alves.

Nossa incapacidade de ouvir é a manifestação mais constante e sutil de nossa arrogância e vaidade. No fundo somos todos os donos da verdade. Escutar é complicado e sutil. Não é bastante ter ouvidos para ouvir o que é dito, é preciso também que haja silêncio dentro da alma, reforça Alberto Caeiro, outro escritor mineiro.

Devemos seguir os exemplos dos índios. Eles quando reunidos, ninguém fala. Há um longo, longo silêncio. Todos em silêncio à espera do pensamento essencial. Aí, de repente, alguém fala. Todos ouvem. Terminada a fala, novo silêncio. Falar logo em seguida seria considerado desrespeito, pois o outro falou os seus pensamentos – pensamentos que ele julgava essenciais. Merece respeito.

Não basta o silêncio de fora. É preciso o silêncio de dentro. Quando se faz o silêncio dentro, começamos a ouvir coisas que não ouvíamos. É como quem pratica mergulho. No fundo do mar a boca fica fechada. Somos todos os olhos e ouvidos, livres dos ruídos do falatório e dos saberes da filosofia. Ouvimos a melodia que não havíamos percebido.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Se você interrompe é porque não está prestando muita atenção ao que a outra pessoa diz, já que a sua cabeça está ocupada com a resposta. Se você se recusa a ouvir não está valorizando a opinião de quem está lhe falando. Você deve acreditar que, o que você tem a dizer é muito mais importante do que a outra pessoa quer transmitir. Por isso, deve ouvi-la primeiro, revela James C. Hunter, no livro O Monge e o Executivo.

Deus é isto: a beleza que se ouve no silêncio. Daí a importância de saber ouvir.

Amazildo de Medeiros
Analista Organizacional
Análise/compêndios


Publicado por: Amazildo de Medeiros

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola