Topo
pesquisar

Introdução à obra O sucídio de Emile Durkheim com Thirteen Reasons Why

Sociologia

A relação entre a série Thirteen Reasons Why e a obra O suícidio de Emile Durkheim e a reflexão sobre o suicídio a partir da perspectiva sociológica.

A obra O suicídio de Emile Durkheim é uma das contribuições mais importante do autor, pelo seu método e analise das questões sociais relacionadas a vida na sociedade moderna, é marcada por seu pioneirismo e tornou-se um clássico da Sociologia.

Ao longos dos últimos anos a questão do suicídio tem tomado cada vez mais enfoque nas mídias sociais e organizações governamentais como por exemplo, o Setembro Amarelo criado em 2015 pela Organização Mundial de Saúde - OMS, com o objetivo de prevenção do suicídio. Por esse motivo é provável que tanto em provas de vestibular ou até mesmo no ENEM cair questões sobre essa temática.

Para Durkheim, as questões características a vida na sociedade moderna irá implicar na taixa de suicídios de determinada sociedade ou grupo social, como a força da tradição, o individualismo, racionalidade, regressão da autoridade, etc., registrando o aumento das taxas de suicídios como expressão de certas características - talvez patológicas - da organização social da vida coletiva.

O individualismo como uma característica central da sociedade moderna, é constatado por vários pensadores das ciências sociais. Na sociedade moderna, assim como todas as sociedades o objetivo central do estudo é entender a relação entre os indivíduos e a sociedade.

Para Durkheim: "O indivíduo é a expressão da coletividade". Sendo assim, a questão do suicídio e sua analise deve ser tratada no campo da coletividade, ou seja o mais importante é a relação entre o fenômeno individual - o suicídio- e o fenômeno coletivo - taixa de suicídio.

Trazendo agora o exemplo da série Thirteen Reasons Why a série original Netflix conta a história de uma adolescente chamada Hannah Bake, uma estudante do ensino médio que comete suicídio após uma série de acontecimentos que ocorre em sua escola. Uma caixa de fitas cassetes gravadas por Hannah antes de tirar a própia vida, conta treze motivos pelas quais ela se suicidou. A série trás questões sociais muito importantes da atualidade como o bullyng, negligencia escolar, estupro, violência, machismo, etc.

A questão central aqui para nós, é pensarmos como Durkheim nos ajuda a entender essa problemática, é evidente que Durkheim não vivenciou questões que estão associadas ao nosso presente como o bullyng, por exemplo, o que faremos aqui é um esforço reflexivo visando que a sua teoria possa nos proporcionar uma leitura interessante dos fenômenos sociais contemporâneos.

O autor irá criar uma tipologia do suicídio, são três tipos: 1º Suicídio Egoísta: os individuos estão mais inclinados a esse tipo de suicídio quando não estão integrados a um grupo social. 2º O Suicídio Altruista: comum em sociedades arcaicas, quando se abstem de sua própria vida em nome de uma nação, relegião, etc. 3º Suicídio Anômico: este tipo é revelado pela correlação estastística entre a frequência do suicídio e as fases do ciclo econômico ou de movimentação política.

Utilizando esta perspectiva, Hanna Baker provavelmente se encaixaria no primeiro tipo criado por Durkheim. É evidente ao longo da série que as questões que levaram a cometer o ato de suicídio esta relacionado com questões parcialmente subjetivas, como relacionamento familiar, ambiente escolar, trabalho, questões afetivas, a sua dificuldade de se sentir integrada ao seu grupo social - escolar-.

Porém quando analisamos essas questões no campo da coletividade, como bem reforça o método Durkheimiano, percebemos que as questões problemáticas que cercam Hanna, não são somente particulares a sua experiencia em sociedade. Pensamos como exemplo, o aumento do número de suicídios na adolescencia existem muitos estudos, que comprovam a sua relação com o crescimento do bullyng nas escolas. 

Embora Durkheim reconheça em sua obra que exista predisposições psico-patologicas, relacionadas ao suícidio, o autor o considera primordiamente um fato social, ou seja, é exterior aos individuos; é geral comum a todas as pessoas do grupo social e coercitivo. Logo, apesar de existir questões ligadas a individualidade, questões subjetivas de cada individuo que levam a cometer o ato de suicídio, a sua causa real e determinante, são causas por  correntes suicidógenas  que são criadas pela coletividade.

Atualmente no Brasil, a questão do suicídio se tornou um problema social de saúde publica. Segundo a Organização Mundial da Saúde, são 32 brasileiros mortos por dia, taxa superior ás vítimas da AIDS e da maioria dos tipos de câncer e 9 em cada 10 casos poderiam ser prevenidos. 

No caso da série Thirteen Reasons Why, ao longo do desenvolvimento da história existe uma questão muito forte para alguns personagem - como Clay Jensen -
sobre o que poderia ter feito diferente no passado para ter previnido o suicidio de Hanna Baker. Logo as questões ligadas à prevenção do suicídio tem permeado cada vez mais as nossas relações sociais.

Percebemos o quanto a obra O suicídio de Emile Durkheim continua sendo atual e proporciona análise interessante sobre este fenômeno social tanto no campo na produção de conhecimento com sua proposta metodológica, como a questão de propor o entendimento reflexivo analisando os comportamentos e as formas de organização social que possam contribuir para o desenvolvimento deste fenômeno coletivo.

REFERÊNCIAS

ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico. São Paulo. Martins Fontes: 2008, 884 p.

DURKHEIM, Emile. O Suicídio – Um Estudo Sociológico. Rio de Janeiro: Zahar Editores.1982.

http://setembroamarelo.org.br

http://13reassonswhy.info


Publicado por: Juliana Bartholomeu

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.

DEIXE SEU COMENTÁRIO
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola