Whatsapp

Introdução ao estudo dos verbos

Português

Verbo é uma palavra variável, que exprime ideia de estado, ação e fenômenos naturais.

O processo de conjugação verbal está presente na vida de qualquer indivíduo falante do vernáculo brasileiro, independente do seu grau de escolarização. Entretanto, por ser uma ação natural, muitos não se dão conta de que, por trás desse processo, existem diversos elementos estruturais que permitem a existência dessa construção.

Verbo é uma palavra variável, que exprime ideia de estado, ação e fenômenos naturais, sendo que todos esses acontecimentos são representados no tempo. Ele se flexiona em número (singular ou plural), pessoal (primeira, segunda ou terceira), modo (indicativo, subjuntivo ou imperativo), tempo (presente, pretérito ou futuro) e voz (ativa, passiva ou reflexiva). É importante ressaltar que, os verbos não são caracterizados somente por seus possíveis significados, mas também, e principalmente, por suas flexões.

O estudo dessa classe gramatical é fundamental para o ingresso em áreas especiais do processo de análise sintática, tais como: os períodos simples e composto. Neste trabalho, serão observadas questões relativas à estrutura das formas verbais, flexões e conjugações.

Boa Leitura!

ESTRUTURA DAS FORMAS VERBAIS

Dentre os morfemas estudados em Fonética/Fonologia, três participam da estrutura das formas verbais: o radical, a vogal temática e as desinências.

Radical: morfema que concentra o significado essencial do verbo:

Estud-ar

Vend-er

Permit-ir

Observe que, para obter o radical de um verbo, basta eliminar as duas últimas letras do infinitivo. Contudo, atente-se para os casos de verbos prefixados, ou seja, há situações em que prefixos poderão se antepor aos radicais:

Re-vend-er

Des-permit-ir

Vogal Temática: morfema que permite a ligação entre o radical e as desinências. Na língua portuguesa, há três vogais temáticas – o que indica a quantidade de conjugações que o verbo pode ter, são elas:

a – indica os verbos que pertencem à primeira conjugação: amar, cantar, perdoar, etc.

e – indica os verbos que pertencem à segunda conjugação: esquecer, sofrer, viver, etc.

Note que, no português o verbo pôr e seus derivados (supor, compor, repor, etc.) também pertencem à segunda conjugação, uma vez que sua vogal temática é “e”, obtida da forma arcaica poer.

i – indica os verbos que pertencem à terceira conjugação: assistir, permitir, decidir, etc.

O conjunto formado por radical + vogal temática recebe o nome de tema. Observe:

SOLTAR: SOLTradical / Avogal temática / SOLTAtema.

Desinências: Morfemas que, acrescentados ao tema, indicam as flexões do verbo. Há desinências número-pessoais e modo-temporais.

As desinências número-pessoais indicam se o verbo está no singular ou plural (número) e se está conjugado na primeira, segunda ou terceira pessoa do discurso. As modo-temporais indicam se o verbo está no indicativo, subjuntivo ou imperativo (modo) e se fora conjugado no presente, pretérito ou futuro (tempo).

Observe a estrutura do verbo falássemos:

FALA – tema (radical + vogal temática)

-SSE – desinência modo-temporal (indica que o verbo está conjugado no subjuntivo e no pretérito imperfeito)

-MOS – desinência número-pessoal (indica que o verbo está conjugado na primeira pessoa do plural)

Ainda no processo de estruturação do verbo, e combinando com o conceito de sílaba tônica adquirido nos estudos de fonética/fonologia, existe o conceito de verbos rizotônicos e arrizotônicos: o primeiro corresponde aos verbos em que a sílaba tônica aparece no radical; o segundo consiste na aparição da sílaba tônica na terminação verbal. Exemplo:

Estudo

Radical: ESTUD / Sílaba Tônica: TU – rizotônico

Estudei

Radical: ESTUD / Sílaba Tônica: EI (está na desinência) – arrizotônico

FLEXÕES VERBAIS 

Conforme exposto na introdução, os verbos podem flexionar quanto ao número, pessoa, modo, tempo e voz.

NÚMERO E PESSOA

Assim como os substantivos, quando flexionado quanto ao número, os verbos podem estar no singular ou plural. O que vai determinar são as pessoas do discurso às quais os verbos se referem. Observe o verbo estudar:

PESSOA

VERBO

NÚMERO

EU

ESTUDO

SINGULAR

TU

ESTUDAS

SINGULAR

ELE/ELA

ESTUDA

SINGULAR

NÓS

ESTUDAMOS

PLURAL

VÓS

ESTUDAIS

PLURAL

ELES/ELAS

ESTUDAM

PLURAL

Nota: no Brasil, o uso da segunda pessoa do singular fica restrito a algumas regiões e muitas vezes fica aquém do que a gramática normativa determina. É comum que seu emprego seja feito da seguinte forma: TU + verbo conjugado na terceira pessoa. Na maioria dos estados, ele fora substituído pelo tratamento VOCÊ o que leva, também, o verbo para a terceira pessoa.

TEMPO E MODO

No momento em que o verbo é utilizado, o processo verbal pode estar em ocorrência, ocorrido ou por ocorrer. Essas três possibilidades são expressas pelos três tempos verbais – presente, pretérito (perfeito, imperfeito ou mais-que-perfeito) ou futuro (presente ou pretérito). Quanto à formação, podem ser simples quando formado apenas por um só verbo ou composto quando recebem o auxílio de ter e haver.

A indicação do tempo está, na maioria das vezes, ligada à indicação de modo, isto é, a expressão da atitude de quem fala ou escreve em relação ao conteúdo do que se fala ou escreve. Quanto ao modo, os verbos podem ser caracterizados em indicativo, subjuntivo ou imperativo.

O indicativo representa a expressão considerada certa pelo falante ou autor. (eu estudei, estudava, estudarei).

O subjuntivo, ao contrário do indicativo, representa a expressão considerada incerta, hipotética, duvidosa pelo falante ou autor. (estudasse)

O imperativo, por sua vez, exprime ideia de desejo, ordem e apelo. Nesse caso, ele é dividido em afirmativo ou negativo (estude/não estude).

Os verbos podem ainda ser vistos em suas formas nominais. Elas são chamadas assim porque podem assumir a função de substantivos, adjetivos ou ainda advérbios. As formas nominais são classificadas em infinitivo (pessoal ou impessoal) – terminação -r, gerúndio – terminação –ndo, ou particípio – terminação -do.

O esquema abaixo apresenta os modos e os tempos verbais da língua portuguesa. O verbo escolhido foi estudar

ESTUDAR

 

 

 

Indicativo

Presente

 

Estudo

 

 

 

 

 

 

 

 

Pretérito

Perfeito

Estudei

Imperfeito

Estudava

Mais-que-perfeito

Estudara

 

 

 

 

 

 

Futuro

Presente

Estudarei

Pretérito

Estudaria

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Subjuntivo

Presente

 

Estude

Pretérito imperfeito

 

Estudasse

Futuro

 

Estudar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Imperativo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Presente

Afirmativo

Estuda

Negativo

Não estudes

Quanto às formas:

Infinitivo Pessoal: estudar, estudares, etc.

Impessoal: estudar

Gerúndio: estudando

Particípio: estudado

VOZ

A voz indica, fundamentalmente, se o ser que o verbo se refere é agente (pratica a ação), paciente (sofre a ação) ou os dois. Há três situações possíveis:

ATIVA: Aqui, o ser a que o verbo se refere é agente, isto é, pratica a ação. Exemplo:

José cortou a manga.

A forma verbal “cortou” está na voz ativa porque José é o agente do processo verbal, ele praticou a ação.

PASSIVA: Aqui, o ser a que o verbo se refere é paciente, isto é, sofre a ação. Exemplo:

A manga foi cortada por José

A forma verbal “foi cortada”, conhecida como Locução Verbal, está na voz passiva por que A manga é o paciente da ação verbal.

O português dispõe de dois tipos de voz passiva: analítica, em que ocorre uma locução verbal formada pelo verbo ser mais o particípio do verbo principal; sintética, em que se utiliza o pronome se ao lado do verbo na terceira pessoa, como em alugam-se casas.

REFLEXIVA: O ser ao que o verbo se refere é agente e paciente do processo verbal, pois age sobre si mesmo. Exemplo:

O rapaz cortou-se com a faca

A forma verbal “cortou-se” está na voz reflexiva porque o rapaz é, a um só tempo, agente e paciente: ele cortou a si mesmo.

CONJUGAÇÕES 

Quando se fala em conjugar verbo, fala-se em apresentar sistematicamente todas as formas que ele pode assumir ao ser flexionado, nos mais variados tempos e modos que ele pode apresentar.

As conjugações são apresentadas em três grupos, representados em consonância com as vogais temáticas: -a, -e/o e -i. Para cada uma dessas conjugações há um modelo que indica as formas verbais. Eles podem ser: regulares, obedecem precisamente a um paradigma da respectiva conjugação; irregulares, não seguem nenhum paradigma da respectiva conjugação – podem apresentar irregularidades no radical ou nas terminações. Os verbos ser e ir, por apresentarem profundas alterações nos radicais em sua conjugação, são chamados anômalos; defectivos, não são conjugados em determinadas pessoas, tempos ou modos; e abundantes, apresentam mais de uma forma para determinada flexão.

A seguir, será apresentado um quadro com exemplo das conjugações. Foram escolhidos os verbos estudar (primeira conjugação), vender (segunda conjugação) e permitir (terceira conjugação). Serão divididos, ainda, em tempo simples (um único verbo) e composto (com verbo auxiliar).

VERBOS REGULARES

TEMPOS SIMPLES

MODO INDICATIVO

 

Presente

Estudo

Vendo

Permito

Estudas

Vendes

Permites

Estuda

Vende

Permite

Estudamos

Vendemos

Permitimos

Estudais

Vendeis

Permitis

Estudam

Vendem

Permitem

 

Pretérito Imperfeito

Estudava

Vendia

Permitia

Estudavas

Vendias

Permitias

Estudava

Vendia

Permitia

Estudávamos

Vendíamos

Permitíamos

Estudáveis

Vendíeis

Permitíeis

Estudavam

Vendiam

Permitiam

 

Pretérito Perfeito

Estudei

Vendi

Permiti

Estudaste

Vendeste

Permitiste

Estudou

Vendeu

Permitiu

Estudamos

Vendemos

Permitimos

Estudastes

Vendestes

Permitistes

Estudaram

Venderam

Permitiram

 

Pretérito Mais-que-Perfeito

Estudara

Vendera

Permitira

Estudaras

Venderas

Permitiras

Estudara

Vendera

Permitira

Estudáramos

Vendêramos

Permitíramos

Estudáreis

Vendêreis

Permitíreis

Estudaram

Venderam

Permitiram

 

Futuro do Presente

Estudarei

Venderei

Permitirei

Estudarás

Venderás

Permitirás

Estudará

Venderá

Permitirá

Estudaremos

Venderemos

Permitiremos

Estudareis

Vendereis

Permitireis

Estudarão

Venderão

Permitirão

 

Futuro do Pretérito

Estudaria

Venderia

Permitira

Estudarias

Venderias

Permitirias

Estudaria

Venderia

Permitiria

Estudaríamos

Venderíamos

Permitiríamos

Estudaríeis

Venderíeis

Permitiríeis

Estudariam

Venderiam

Permitiriam

 

MODO SUBJUNTIVO

 

Presente

Estude

Venda

Permita

Estudes

Vendas

Permitas

Estude

Venda

Permita

Estudemos

Vendamos

Permitamos

Estudeis

Vendais

Permitais

Estudem

Vendam

Permitam

 

Pretérito Imperfeito

Estudasse

Vendesse

Permitisse

Estudasses

Vendesses

Permitisses

Estudasse

Vendesse

Permitisse

Estudássemos

Vendêssemos

Permitíssemos

Estudásseis

Vendêsseis

Permitísseis

Estudassem

Vendessem

Permitissem

 

Futuro

Estudar

Vender

Permitir

Estudares

Venderes

Permitires

Estudar

Vender

Permitir

Estudarmos

Vendermos

Permitirmos

Estudardes

Venderdes

Permitirdes

Estudarem

Venderem

Permitirem

 

MODO IMPERATIVO

 

AFIRMATIVO

Estuda tu

Vende tu

Permite tu

Estude você

Venda você

Permita você

Estudemos nós

Vendemos nós

Permitamos nós

Estudai vós

Vendei vós

Permiti vós

Estudem vocês

Vendam vocês

Permitam vocês

 

NEGATIVO

Não estudes tu

Não vendes tu

Não permitas tu

Não estude você

Não venda você

Não permita você

Não estudemos nós

Não vendamos nós

Não permitamos nós

Não estudeis vós

Não vendais vós

Não permitais vós

Não estudem vocês

Não vendam vocês

Não permitam vocês

 

FORMAS NOMINAIS

 

Infinitivo Impessoal

Estudar

Vender

Permitir

 

Infinitivo Pessoal

Estudar

Vender

Permitir

Estudares

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Venderes

Permitires

Estudar

Vender

Permitir

Estudarmos

Vendermos

Permitirmos

Estudardes

Venderdes

Permitirdes

Estudarem

Venderem

Permitirem

Gerúndio

Estudando

Vendendo

Permitindo

 

Particípio

Estudado

Vendido

Permitido

TEMPOS COMPOSTOS

MODO INDICATIVO

 

Pretérito Perfeito

Tenho/Hei

 

 

Estudado, Vendido, Permitido

Tens/Hás

Tem/Há

Temos/Havemos

Tendes/Haveis

Têm/Hão

 

Pretérito Mais-Que-Perfeito

Tinha/Havia

 

 

Estudado, Vendido, Permitido

Tinha/Havias

Tinha/Havia

Tínhamos/Havíamos

Tínheis/Havíeis

Tinham/Haviam

 

Futuro do Presente

Terei/Haverei

 

 

Estudado, Vendido, Permitido

Terás/Haverás

Terá/Haverá

Teremos/Haveremos

Tereis/Havereis

Terão/Haverão

 

Futuro do Pretérito

Teria/Haveria

 

 

Estudado, Vendido, Permitido

Terias/Haverias

Teria/Haveria

Teríamos/Haveríamos

Teríeis/Haveríeis

Teriam/Haveriam

 

MODO SUBJUNTIVO

 

Pretérito Perfeito

Tenha/Haja

 

 

Estudado, Vendido, Permitido

Tenhas/Hajas

Tenha/Haja

Tenhamos/Hajamos

Tenhais/Hajais

Tenham/Hajam

 

Pretérito Mais-Que-Perfeito

Tivesse/Houvesse

 

 

Estudado, Vendido, Permitido

Tivesses/Houvesses

Tivesse/Houvesse

Tivéssemos/Houvéssemos

Tivésseis/Houvésseis

Tivessem/Houvessem

 

Futuro

Tiver/Houver

 

 

Estudado, Vendido, Permitido

Tiveres/Houveres

Tiver/Houver

Tivermos/Houvermos

Tiverdes/Houverdes

Tiverem/Houverem

 

FORMAS NOMINAIS

 

Infinitivo Pessoal (pretérito)

Ter/Haver

 

 

Estudado, Vendido, Permitido

Teres/Haveres

Ter/Haver

Termos/Havermos

Terdes/Haverdes

Terem/Haverem

 

Infinitivo Impessoal (pretérito)

Ter/Haver

Estudado, Vendido, Permitido

 

Gerúndio (pretérito)

Tendo/Havendo

Estudado, Vendido, Permitido

VERBOS IRREGULARES

Em linhas anteriores, observou-se a conjugação dos verbos regulares. Esses verbos não apresentam alteração em seus radicais durante as conjugações. Agora, vamos discutir sobre os verbos irregulares, isto é, aqueles que apresentam variações de forma nos radicais ou nas desinências.

Observe o quadro abaixo com exemplo das conjugações:

RECEAR

Presente do Indicativo

Presente do Subjuntivo

Receio

Receie

Receias

Receies

Receia

Receie

Receamos

Receemos

Receais

Receeis

Receiam

Receiem

 

INCENDIAR

Presente do Indicativo

Presente do Subjuntivo

Incendeio

Incendeie

Incendeias

Incendeies

Incendeia

Incendeie

Incendiamos

Incendiemos

Incendiais

Incendieis

Incendeiam

Incendeiem

 

LER

Presente do Indicativo

Presente do Subjuntivo

Leio

Leia

Lês

Leias

Le

Leia

Lemos

Leiamos

Ledes

Leiais

Leem

Leiam

 

PERDER

Presente do Indicativo

Presente do Subjuntivo

Perco

Perca

Perdes

Percas

Perde

Perca

Perdemos

Percamos

Perdeis

Percais

Perdem

Percam

 

VALER

Presente do Indicativo

Presente do Subjuntivo

Valho

Valha

Vales

Valhas

Vale

Valha

Valemos

Valhamos

Valeis

Valhais

Valem

Valham

 

DIVERTIR

Presente do Indicativo

Presente do Subjuntivo

Divirto

Divirta

Divertes

Divirtas

Diverte

Divirta

Divertimos

Divirtamos

Divertis

Divirtais

Divertem

Divirtam

 

PROGREDIR

Presente do Indicativo

Presente do Subjuntivo

Progrido

Progrida

Progrides

Progridas

Progride

Progrida

Progredimos

Progridamos

Progredis

Progridais

Progridem

Progridam

 

PEDIR

Presente do Indicativo

Presente do Subjuntivo

Peço

Peça

Pedes

Peças

Pede

Peça

Pedimos

Peçamos

Pedis

Peçais

Pedem

Peçam

 

POLIR

Presente do Indicativo

Presente do Subjuntivo

Pulo

Pula

Pules

Pulas

Pule

Pula

Polimos

Pulamos

Polis

Pulais

Pulem

Pulam

 

ESTAR

Presente do indicativo

Presente do subjuntivo

Pretérito perfeito do indicativo

Pretérito mais-que-perfeito do indicativo

Pretérito imperfeito do subjuntivo

Futuro do subjuntivo

Estou

Esteja

Estive

Estivera

Estivesse

Estiver

Estás

Estejas

Estiveste

Estiveras

Estivesses

Estiveres

Está

Esteja

Esteve

Estivera

Estivesse

Estiver

Estamos

Estejamos

Estivemos

Estivéramos

Estivéssemos

Estivermos

Estais

Estejais

Estivestes

Estivéreis

Estivésseis

Estiverdes

Estão

Estejam

Estiveram

Estiveram

Estivessem

Estiverem

 

CABER

Presente do indicativo

Presente do subjuntivo

Pretérito perfeito do indicativo

Pretérito mais-que-perfeito do indicativo

Pretérito imperfeito do subjuntivo

Futuro do subjuntivo

Caibo

Caiba

Coube

Coubera

Coubesse

Couber

Cabes

Caiba

Coubeste

Couberas

Coubesses

Couberes

Cave

Caiba

Coube

Coubera

Coubesse

Couber

Cabemos

Caibamos

Coubemos

Coubéramos

Coubéssemos

Coubermos

Cabeis

Caibais

Coubestes

Coubéreis

Coubésseis

Couberdes

Cabem

Caibam

Couberam

Couberam

Coubessem

Couberem

 

IR

Presente do indicativo

Presente do subjuntivo

Pretérito Imperfeito do Indicativo

Pretérito perfeito do indicativo

Pretérito mais-que-perfeito do indicativo

Pretérito imperfeito do subjuntivo

Futuro do subjuntivo

Vou

Ia

Fui

Fora

Fosse

For

Vais

Vás

Ias

Foste

Foras

Fosses

Fores

Vai

Ia

Foi

Fora

Fosse

For

Vamos

Vamos

Íamos

Fomos

Fôramos

Fôssemos

Formos

Ides

Vades

Íeis

Fostes

Fôreis

Fôsseis

Fordes

Vão

Vão

Iam

Foram

Foram

Fossem

Forem

Verbos Defectivos

Os verbos defectivos ocorrem, normalmente, no presente do indicativo/subjuntivo e imperativo. São aqueles em que os verbos não conjugam em todas as pessoas do discurso.

ABOLIR

Presente do Indicativo

Imperativo

---------

----------

Aboles

Abole tu

Abole

----------

Abolimos

----------

Abolis

Aboli vós

Abolem

---------

 

FALIR

Presente do Indicativo

Imperativo

---------

----------

---------

----------

---------

----------

Falimos

----------

Falis

Fali vós

----------

---------

 

ADEQUAR

Presente do Indicativo

Imperativo

---------

----------

---------

----------

---------

----------

Adequamos

----------

Adequais

Adequai vós

----------

---------

 

PRECAVER

Presente do Indicativo

Imperativo

---------

----------

---------

----------

---------

----------

Precavemos

----------

Precaveis

Precavei vós

----------

---------

Verbos abundantes

Apresentam mais de uma forma para a flexão, observe:

Conjugação

Infinitivo Impessoal

Particípio Regular

Particípio Irregular

Primeira

Aceitar

Aceitado

Aceito/Aceite

Segunda

Acender

Acendido

Aceso

Terceira

Imprimir

Imprimido

Impresso

Note: os particípios regulares são empregados normalmente com os auxiliares ter/haver, enquanto que os irregulares são empregados com os auxiliares ser/estar:

Ter/Haver elegido – Ser/Estar eleito

Ter/Haver imprimido – Ser/Estar impresso

O EMPREGO DAS FORMAS NOMINAIS

Como visto anteriormente, o verbo apresenta três formas nominais: o infinitivo, o gerúndio e o particípio. Eles são chamados de nominais porque podem ter comportamento de nomes em certas situações.

INFINITIVO

a) O infinitivo apresenta o processo verbal em si mesmo, sem nenhuma noção de tempo ou modo. É a forma utilizada para nomear os verbos:

É proibido conversar com o motorista

b) É normal a transformação do infinitivo em substantivo pelo uso de um determinante:

São muitos os falares brasileiros

c) Em português, o infinitivo pode ser pessoal ou impessoal. Quando pessoal, ele se relaciona com algum ser:

Perguntei-lhe se havia algo para eu ler

Se impessoal, o processo verbal não é restrito a um ser em particular

Ler é obrigação de qualquer cidadão

d) O infinitivo pessoal pode se flexionar para concordar em número e pessoa com o ser a que se refere. Essa flexão pode ocorrer até mesmo em situações em que o infinitivo tenha papel nominal:

O comparecermos atrasados será tomado como menoscabo

e) Em sua forma composta, o infinitivo tem valor de passado, indicando um processo já concluído no momento em que se fala ou escreve:

Ter trabalhado duro permitiu-nos belas viagens à Itália

PARTICÍPIO

O particípio é a forma nominal que tem, simultaneamente, características de verbo e de adjetivo.

a) Sua natureza verbal se manifesta nas locuções verbais, nos tempos compostos e em orações reduzidas:

A casa será desocupada até terça-feira

b) O particípio assume função de adjetivo quando caracteriza substantivos:

Tem comportamento destacado no dia-a-dia

GERÚNDIO

Além da natureza verbal, pode desempenhar função de advérbio e de adjetivo

a) Atua como verbo nas locuções verbais e orações reduzidas. Indica, normalmente, um processo em curso ou prolongado:

Estou ouvindo o disco que você me deu

b) Sua característica de advérbio pode ser percebida em frases que indica circunstância de modo:

O atleta cruzou sorrindo a linha de chegada

c) O uso do gerúndio com valor de adjetivo é menos comum. Ocorre quando se liga a um substantivo, caracterizando-o:

Eu vi o menino correndo

d) A forma composta do gerúndio tem valor de pretérito e indica processo já concluído no momento em que se fala ou escreve:

Tendo feito, por telefone, várias reclamações.

LOCUÇÕES VERBAIS

As formas nominais dos verbos são muito utilizadas na formação das locuções verbais, conjunto de verbos que, numa frase, desempenham papel equivalente ao de um verbo único. Nessas locuções, o último verbo, chamado de principal, permanece na sua forma nominal. As flexões de tempo, modo, pessoa e número se dão nos verbos auxiliares.

Nenhum aluno poderá sair antes do término da prova

Está havendo uma profunda transformação na sociedade


Formado em Letras pela Faculdade Evangélica de Brasília, onde atualmente é docente e ministra as disciplinas de Introdução à Semântica, Análise do Discurso, Sociolinguística e Sintaxe. Também é Especialista em Leitura e Produção de Textos pela Universidade Católica de Brasília.


Publicado por: Raimundo Nonato Silva Damasceno Júnior

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do site por meio do canal colaborativo Meu Artigo. O Brasil Escola não se responsabiliza pelo conteúdo do artigo publicado, que é de total responsabilidade do autor. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.