Topo
pesquisar

O desenho animado como recurso para a interdisciplinaridade no ensino fundamental I: análise pedagógica do filme “O Rei Leão I”

Pedagogia

Clique e confira uma análise pedagógica do filme “O Rei Leão I”!

Introdução

Durante minha formação acadêmica, obtive contato com o tema interdisciplinaridade através de meios teóricos e práticos, despertando assim um maior interesse e curiosidade em estudá-lo, a fim de melhorar a prática do professor que atua no Ensino Fundamental I e da aprendizagem dos alunos.

Para alicerçar esse novo olhar para a Educação, foi utilizado o desenho animado O Rei Leão I, considerando este um recurso significativo para a criança, a fim de mostrar as contribuições que o filme apresenta, com o intuito de proporcionar um trabalho interdisciplinar.

No decorrer do estudo, pretende-se analisar há relação existente entre os conteúdos que o filme apresenta de forma lúdica e criativa, com possíveis projetos a serem desenvolvidos com os alunos que se encontram no Ensino Fundamental I.

Diante disso, é possível iniciar a compreensão que a Educação deve ser vista de forma integrada com o cotidiano das crianças, para que o aluno possa ser visto como ativo de sua aprendizagem, que crie a capacidade de planejar suas ações, tomar iniciativa diante dos fatos e interagir com o meio do qual está inserido, conseguindo assim trazer significado e prazer ao aprender.

A construção de uma prática interdisciplinar pressupõe, antes de qualquer coisa, a questão de perceber-se interdisciplinar, e para que isso aconteça, é preciso que o educador já tenha vivenciado outras experiências, a fim de mudar sua visão, a partir da eficácia do currículo globalizado, com integração das áreas do conhecimento.

A Importância da Interdisciplinaridade

Inicialmente, para discutirmos o termo interdisciplinaridade e compreender a educação como algo que deve ser trabalhado de forma integral, precisamos ter o conhecimento sobre os termos específicos da palavra.

Assim, quando se trata do termo “inter” obtemos o significado de ação intermediária, recíproca, juntamente com “disciplinar” que contém característica de normas e regidez, sendo que nesse caso podemos considerar a relação existente entre disciplinas contidas no currículo escolar, existindo uma corelação entre elas. Já o sufixo “dade” significa ação ou resultado de ação dos termos esclarecido anteriormente, ou seja, a qualidade que se obterá com essa junção.

Portanto, a interdisciplinaridade é uma atitude de abertura, de acordo com a qual todo o conhecimento é igualmente importante. E assim sendo, pode-se dizer que, para que aconteça um trabalho interdisciplinar, se faz necessário à integração das disciplinas para sua efetivação.

No entanto, o processo de transmissão do conhecimento, do qual o sistema educacional infelizmente ainda participa, pode ser modificado, a fim de buscar um trabalho de forma a relacionar as disciplinas e fazer com que esse processo de transmissão se torne um processo de autoaprendizagem.  

A atualidade traz a necessidade de rupturas nos nossos conhecimentos, a fim de sairmos de uma visão fragmentada, para uma visão mais global e ampla do mundo em que vivemos. Fazenda discute que “... a atitude interdisciplinar traz um novo paradigma científico, vivendo em constante estado de risco das novas verdades”. (1994:41)

A educação, na perspectiva do trabalho interdisciplinar, busca a inserção da experiência de aprendizagem de todos envolvidos nela, em uma visão mais geral da realidade e do saber.

Contudo, de acordo com Heloisa Lück (1999:45): 

A interdisciplinaridade é o processo que envolve a integração e o engajamento de educadores num trabalho conjunto de integração das disciplinas do currículo escolar entre si e com a realidade, de modo a superar a fragmentação do ensino, objetivando a formação integral dos alunos, a fim de que possam exercer criticamente a cidadania, mediante uma visão global do mundo e serem capazes de enfrentar os problemas complexos e amplos e globais da realidade atual.

Nesse sentido, nota-se que existe uma grande preocupação em definir a terminologia da interdisciplinaridade, a fim de estabelecer uma articulação entre a teoria com a prática pedagógica, procurando mostrar como seu trabalho é diferenciado e bem como ainda encontramos obstáculos e grandes possibilidades para sua efetivação.

Breve Histórico

Diante de muitas pesquisas relacionadas com a história da interdisciplinaridade, pode-se dizer que seu surgimento aconteceu há muitas décadas atrás. Porém, quando os estudos começam a ganhar evidencia, já se buscam a quebra dessa didática tradicional que infelizmente encontramos até hoje.

Com isso, deve-se iniciar a discussão sobre o que vem a ser disciplina, afinal, quando tratamos de interdisciplinaridade, buscamos relaciona-las entre si. Aiub (2006) trás a ideia de se observarmos desde a Antiguidade, será possível observar que os conhecimentos em algum momento da história, já estavam divididos em disciplinas, sendo uma voltada para a área da linguagem, que abordava a gramática e a outra que estava baseada na matemática, onde o estudo era na base da geometria.

Porém, por mais que houvesse essa separação por nomenclaturas ou por ações metodológicas específicas da área, somente juntas se podia compreender o Universo em seu todo, onde esses saberes inicialmente subdivididos seriam para completar a universalidade do contexto.

Obtendo um olhar para os tempos modernos, encontra-se a presença de Galileu no período de 1564 a 1642, que trouxe em sua teoria as áreas do conhecimento de maneira fragmentada e que se desenvolviam sem influencia externa. Assim de acordo com Aiub (2006:03) “Explicar implica como ocorria desde a Antiguidade, em definir pelas causas em estabelecer relações de causalidade.” Ou seja, o que acontecia com os conhecimentos se baseavam no puro acaso de situações.

Aiub (2006) traz outro autor que também influenciou nesse momento histórico, Descartes que, em sua teoria de 1641, traz a visão do homem constituído cem duas partes, sendo elas: a física e a mental. Neste foco, Descartes compara o homem como uma máquina, pela razão de que tudo deve estar ligado a tudo, ou seja, cada peça deve estar ligada com outra peça para que tudo possa funcionar perfeitamente bem.

Assim, diante de Aiub (2006:04) “As implicações disso, na Ciência Moderna, levam a um olhar para as partes em detrimento do todo.” Com isso, inicia-se o olhar para o conhecimento de forma fragmentada. Desta maneira Kilpatrick (1965:17) diz que “o mundo moderno precisa ser interpretado”, mostrando que a divisão do todo em partes favorecerá para o não entendimento do todo, pois quando tratamos da relação entre as partes, se torna mais complexo e confuso.

Comênios (2002), período de 1592 a 1670, traz em sua teoria a questão do aparecimento da Didática, a fim de buscar interligar novamente as disciplinas para que enfim, possam se compreender o todo.

Diante do cenário histórico, onde a racionalidade esteve no auge devido às guerras, passou a haver necessidade de compreender o individuo no seu todo, a fim de modificar suas visões perante o cotidiano. Desta maneira, surge assim na segunda metade do século XX, o movimento sobre a interdisciplinaridade como alternativa de acabar com a fragmentação do conhecimento.

Durante a leitura da teoria de Ivani Fazenda (1994) esse movimento foi dividido em três décadas. Na década de 70, se buscava uma explicação sobre o termo Interdisciplinaridade, do qual tinha como principal percussor George Gusdorf. Na década de 80 surge Ivani Fazenda, a fim de explicar as contradições epistemológicas que surgiram no período de 1950 a 1970.

Nesta época, de acordo com Ivani Fazenda (1994:35),

...para a construção epistemológica da interdisciplinaridade, onde dois aspectos fundamentais eram considerados: o modismo, empreendido na educação e o avanço da reflexão sobre a interdisciplinaridade.

Já na década de 90, há então a busca de uma nova compreensão da interdisciplinaridade, ou seja, surge a tentativa de construir um novo conceito de interdisciplinaridade. Nesse período, houve muitos eventos que trabalharam com a palavra em questão, do qual o grande público alvo eram educadores que atuavam em diferentes níveis de ensino.

Ainda nesse momento, dentro da proposta de ensino, os currículos escolares estavam organizados pelas disciplinas tradicionais, da qual conduzem os alunos a apenas acumular informações e conhecimentos. Com essa nova proposta de ensino, os educadores não tinham conhecimento sobre o que fazer com essa nova proposta de trabalho, ficando perplexos frente à nova educação que estava por vir.

Mas, de acordo com Fazenda (1994:70),

... para que a interdisciplinaridade “entre” no ensino é preciso que surja um projeto espontaneamente, ou seja, de um ato de vontade. Nesse trabalho interdisciplinar não se ensina e nem se aprende, mas sim se vive, exerce-se, tanto individualmente como também em grupo.

Podemos concluir que há a busca da necessidade de romper com o trabalho fragmentado, para compreender a importância da interação das diferentes áreas do conhecimento, a fim de realizar um trabalho significativo, modificando a estrutura de ensino, ou seja, de uma prática tradicional para uma prática interdisciplinar.

Definições

Para esclarecer alguns pontos desse trabalho, se faz necessário compreender os termos específicos da palavra interdisciplinaridade e juntamente com suas variações, a fim de entender o avanço do conhecimento e mudanças de concepções na prática escolar.

Ivani Fazenda (1991) traz a distinção dos termos relacionados à interdisciplinaridade e junto com este, mostra a necessidade de conceituar outras metodologia de ensino. A primeira metodologia a conceituar é a multidisciplinaridade que se refere ao currículo escolar fragmentado, onde cada disciplinar é definida por si só, não existindo relação entre as outras áreas do conhecimento. No trabalho pluridisciplinar as disciplinas são mais ou menos vizinhas, onde aqui a fragmentação acaba sendo menor do que no trabalho multidisciplinar.

E não podemos deixar de considerar o trabalho transdisciplinar que resulta em um conjunto de disciplinas, onde há uma grande abertura entre os conhecimentos. Pode-se dizer que essa metologia está “nascendo” para um novo olhar para a Educação. A interdisciplinaridade, então é considerada como uma nova concepção do saber, buscando a interação entre as disciplinas e a integração do conhecimento.

A Prática Interdisciplinar

Para que se possa obter à prática interdisciplinar, se faz necessário inicialmente que se modifique a atitude na prática pedagógica, principalmente na relação entre professor e conteúdo, professor e aluno, contudo, professor e realidade, a fim de possibilitar um novo conhecer. Contudo, a interdisciplinaridade no ensino ocorrerá como meio de conseguir uma melhor formação geral dos educando, obtendo um olhar amplo do mundo.

Hoje, a função da escola não é mais “moldar” os novos alunos (geração) para a sociedade já existente, mas sim de construir uma nova relação humana, fazendo desses agentes, críticos do conhecimento e de tomar consciência de seus futuros papéis sociais, ou seja, que possam atuar ativamente na sociedade, compreendendo-a como um todo.

Para isso, se faz necessário ter um olhar mais profundo da didática no âmbito escolar, não avaliando apenas nos conteúdos e atividades, mas sem dúvida na maneira de como o aluno é visto e trabalhado, além dos comportamentos que são estimulados dentro do processo escolar.

Nesse caso, podemos trabalhar com a autoexpressão, a fim de obter um olhar crítico e estimular para a criatividade, valorização do ser como um todo, participação da construção do conhecimento, colaboração com ideias prévias, curiosidade e autonomia.

Como afirma Fazenda (2000:71) “... a prática que se constitui em um critério é sempre aquela motivada por uma finalidade.”

Então, para obtermos o alcance de um currículo interdisciplinar, é necessário iniciar um pensamento interdisciplinar, ou seja, observar e ver o todo e assim perceber que tudo está ligado a tudo, permitindo, a partir dessa visão, que o encontro entre as diferentes áreas do conhecimento é de extrema importância para explicar e entender o mundo que nos cerca.

O Filme: O Rei Leão I

O objetivo do trabalho é relacionar novos recursos para ser trabalhados em sala de aula, a fim de obter uma atitude interdisciplinar. Nesse caso específico, a pesquisa trata do desenho animado O Rei Leão I, que considero um recurso significativo para a criança e um facilitador de aprendizagem, atribuindo desse modo, meios para realizar uma proposta de trabalho interdisciplinar. Contudo, é imprescindível que o professor considere tal recurso importante e sendo mais um instrumento de “riqueza” em seu trabalho.

Para que os profissionais da educação possam realizar um trabalho integrado, ou seja, interdisciplinar, juntamente com o recurso em estudo, o desenho animado O Rei Leão, se faz necessário ter o conhecimento do enredo e dos acontecimentos, a fim de relacionar os conteúdos das disciplinas contidas no currículo do Ensino Fundamental I com a história, assim proporcionando um trabalho significativo e diferenciado.

O filme começa com o nascimento de Simba, filho de Mufasa e Sarabi, sendo este o futuro rei da Pedra do Reino. Após seu nascimento, o sábio babuíno Rafiki batiza Simba e apresenta este para os outros animais, como futuro rei e que é saldado por todos os animais.

Scar, irmão de Mufasa, não comparece a cerimônia, devido seu orgulho e inveja de seu sobrinho, e por saber, que não será o rei devido, o nascimento de Simba. Com isso, Mufasa vai ao encontro de Scar para saber sobre sua ausência em tal celebridade e Scar, com ironia, responde que simplesmente esqueceu-se da cerimônia. Nesta conversa há uma ameaça por parte de Scar para Mufasa.

O dia se passa, e o sábio babuíno Rafiki desenha Simba em uma árvore, como prova de presença e de um futuro rei.

No dia seguinte, Mufasa prometeu em mostrar ao seu filho, Simba, todo o reino, que um dia pertencerá a ele. Mufasa mostrou que tudo o que o sol toca é do seu reino e aquele lugar onde está escuro, não pertence a ele, dizendo que esse é um lugar do mal. E ao longo do passeio, entre pai e filho, Mufasa explica a Simba da importância de respeitar o equilíbrio da natureza, o ciclo da vida.

Durante essa conversa, Zazu, mordomo de Mufasa, vem lhe contar as notícias matinais. Neste momento, Mufasa ensina seu filho ao ataque, tendo como alvo Zazu. Após o primeiro ataque, um castor avisa que as hienas estão tentando invadir o reino. Mufasa pede a Zazu que leve seu filho para o reino. Simba muito contrariado foi.

Simba começa a conversar com seu tio Scar sobre seu reinado e este mostra que para ser rei, precisa ser valente e corajoso. Simba mostra que é, mas não pode lutar como seu pai. Nesta conversa, o pequeno leãozinho pergunta a seu tio o que há na parte escura do reino. Scar faz um charme, mas acaba dizendo que, este lugar é um cemitério de elefantes. Simba fica curioso ao saber, mas seu tio lhe pede para que isso seja um segredo entre eles.

Como Simba é curioso, vai até Nala, sua melhor amiga, e conta a ela o que descobriu. Sarabi, mãe de Simba, pergunta onde seria esse lugar e Simba responde ser no “olho d’água”. Sarabi o deixa ir, mas com a companhia de Zazu para protegê.

Então, Nala e Simba, criam um plano para se livrar de Zazu. Começam a cantar dizendo que Simba é rei, quer ser livre e que vai mandar em tudo. Com isso, todos os animais entram na dança e Zazu acaba sendo esmagado por um elefante. Conseguindo ficar livre de Zazu, Simba e Nala brincam até que caíram dentro do cemitério dos elefantes. Mas Zazu aparece novamente e pede a Simba voltar para o reino. Este diz que não, porque não tem medo do perigo.

Com o eco do grito de Simba, as hienas aparecem e assustam Zazu, Simba e Nala, mostrando a eles que são invasores de seu reino. Com a presença deles, as hienas, que viviam com fome, tiveram a ideia de comê-los. Todos saíram correndo, até que Simba acaba arranhando uma das hienas, deixando-a mais furiosa. Depois de muita correria, Nala e Simba fogem para um lugar sem saída, entrando em um grande perigo.

Mas Mufasa, chega a tempo para defender seu filho, e acaba brigando com as hienas, avisando para não chegar mais perto de seu filho.

Mufasa fica muito decepcionado com Simba, pelo fato de ter desobedecido e por colocar Nala em perigo. Simba diz ao pai que queria ser valente e corajoso igual a ele, mas seu pai o explica dizendo que, precisa ser valente quando necessário e que até os reis tem medo. Após a conversa, pai e filho brincam e dizem que são verdadeiros amigos.

Ao escurecer, Mufasa conta ao seu filho uma história que seu pai lhe contava. Dizia que as estrelas são os velhos reis antigos que olham para eles, e quanto se sentir sozinho basta olhar para o céu, que seu pai estará por lá.

Do outro lado, as hienas estavam sofrendo as consequências, como tirar todos os espinhos de seu corpo. Neste momento chega Scar, onde é considerado pelas hienas como “chapa” e que não tem sequer nenhum poder, como tem Mufasa. Scar fica furioso com o que diz a hiena. Então, uma delas deu a ideia que, para Scar conseguir ser o rei, precisaria matar Mufasa.

Scar absorve a ideia e promete as hienas que assim que se tornar rei, tudo vai melhorar, não havendo mais fome e sede e uma vida melhor para todos, pois sua maior vontade é de se tornar rei e ter o poder de mandar.

Com essa ideia, no dia seguinte, Scar elabora uma armadilha para matar Mufasa. Então, leva seu sobrinho Simba para um lugar onde ficou sozinho esperando seu pai, que diz Scar estar preparando uma surpresa. Após deixar Simba sozinho, Scar dá o sinal para as hienas entrar em ação com o plano. Elas espantaram os rinocerontes que se encontravam comendo em cima da colina, deslocando-os para o lugar em que Simba se encontrava. Uma grande demandada foi em direção a Simba, colocando-o em perigo.

Scar corre ao reino para avisa Mufasa que seu filho está correndo risco de vida e seu pai corre para o salvá-lo. Quando Mufasa chega ao lugar onde Simba está, ele vê seu filho pendurado em um galho de árvore pedindo socorro. Mufasa pula no meio da demandada para silva.

Luta, mas consegue salvar seu filho, mas cai novamente na demandada. De repente, Mufasa pula e se segura na ponta de uma pedra, pedindo ajuda a seu irmão Scar, mas este se recusa a ajuda-lo, por causa do orgulho. Então, Scar joga Mufasa novamente na demandada, levando-o a morte.

Após a confusão, Simba vai até seu pai e percebe que o mesmo está morto. Scar culpa seu sobrinho pelo acontecimento e pede para que ele fuja, fuja para bem longe e para não voltar nunca mais. Simba obedece a seu tio e foge. Scar pede para as hienas que matem seu sobrinho, mas Simba foi mais rápido e fugiu, assim afastando-se do trono e colocando Scar ao exílio.

Scar volta ao reino e comunica à notícia que, Mufasa havia morrido e Simba também, podendo então assumir o trono e se tornar rei, onde leões e hienas se juntaram em um mesmo reino.

Com a fuga, Simba adormece. Então, muitos bútios ficaram em volta dele até que Timon e Pumbaa os afastam, querendo saber o que era. Timon em um primeiro momento se assusta ao ver Simba, mas Pumbaa diz que ao crescer, este poderia ficar do lado deles. Então os dois amigos resolvem cuidar de Simba, levando-o a uma sombra e acordando-o.

Simba ainda estava muito triste. Seus novos amigos pediram para que ele contasse o que havia acontecido, mas o leãozinho não quis contar. Por isso, Timon e Pumbaa lhe ensinaram uma frase que serviria para ele esquecer todos os acontecimentos, esta foi “Hakuma Matata”, ou seja, sem problemas. Com isso, Timon mostra onde vivem e o que comem, sendo que Simba teve que se acostumar a comer insetos e minhoca. Assim, como diz Pumbaa “Visgosto mais gostoso”. Passa-se o tempo e Simba se torna um adulto, junto com seus amigos Timon e Pumbaa.

Enquanto isso, na pedra do reino, Scar sendo o rei, tudo está destruído, todos estavam tristes e com fome, as hienas e leões reclamavam da “administração” do reino, que estava sendo dirigida por Scar.

Enquanto isso, do outro lado da floresta, Simba, acompanhado de seus amigos, depois de uma bela refeição, deitam na grama e começam a conversar sobre o que seriam aqueles pontos brilhantes no céu, (estrelas), então Timon diz que são vaga-lumes, Pumbaa diz que são bolas de gases estourando a milhões de quilômetros e Simba, com um pouco de vergonha, conta o que seu pai lhe tinha contado. Neste momento, Timon e Pumbaa dão muitas risadas e Simba deixa-os para lembrar-se de seu pai sozinho. Ao lembrar-se de seu pai, cai deitado encima de algumas plantinhas, que o vento acaba arrastando-as para longe. Mas o sábio babuíno Rafiki acaba pegando essas plantinhas e começa a analisar. Este percebe que Simba está vivo e volta a ter esperanças de um reino melhor.

No dia seguinte, Timon e Pumbaa saem para passear na floresta e Pumbaa, um porco que está sempre com fome, segue um inseto para comê-lo, até que em seguida encontra uma leoa faminta que corre em sua direção. Com medo, Pumbaa chama Timon para ajuda-lo, pois ficou entalado. Até que aparece Simba e começa a lutar com a leoa, para salvar seus amigos. Durante a briga, Simba descobre que a tal leoa era Nala, sua melhor amiga de infância. Ficam muito felizes e Simba apresenta seus novos amigos a ela. A partir daí começam a namorar.

Conversando com Simba, Nala pede a ele voltar para o reino. Mas Simba não se lembra de que ele é. Simba se torna confuso e não quer voltar. Ao ficar sozinho, o macaco Rafiki vem ao seu encontro, muito feliz e pergunta a Simba se ele sabe quem ele é. Simba diz não saber, mas Rafiki diz que o conhece, mostra que ele é filho de Mufasa. Então, Rafiki leva Simba até um lago, onde pede a ele olhar atentamente para o reflexo da água. Em um simples toque, Simba vê o rosto de seu pai, Mufasa.

Com isso, Mufasa aparece no meio das estrelas como um espírito e diz a Simba que ele o esqueceu por não saber quem ele é. Então, pede para Simba voltar para o ciclo da vida, porque ele é o verdadeiro rei. Então, Simba percebe que deverá enfrentar o seu passado e conquista o seu lugar de rei.

Ao chegar, se depara com uma situação muito ruim, onde a tristeza e a fome tomam conta do reino e percebe que deve lutar pelo seu reino. Timon e Pumbaa vêm para ajuda-lo a melhorar as condições de vida do reino que o pertence.

Inicia a luta, criando plano para distrair as hienas para poder chegar até Sarabi, sua mãe. Mas durante a caminhada, Simba escuta Scar chamando sua mãe, para saber a respeito de comida, que não há. Ao falar com Scar, Sarabi cita o nome de Mufasa, onde Scar fica revoltado e bate em Sarabi. Simba revoltado em isso mostra que, está de volta e que vai enfrenta-lo para conseguir o seu lugar de rei.

Scar fica surpreso e com medo. Simba pede ao tio que se renuncie o seu lugar de rei ou luta. Assim, Scar começa a dizer que Simba foi o responsável pela morte de Mufasa, seu pai. Todos se espantaram e Scar chama-o de assassino e culpado. Então, Simba vai indo para traz, até chegar à ponta de uma pedra, que aconteceu igual com o pai e seu tio o tenta matar. Assim, fala em seu ouvido que ele é quem tinha matado Mufasa. Simba dá a volta por cima e força seu tio a dizer a verdade, quem realmente matou Mufasa. Isso gerou uma grande guerra entre leões e hienas.

Até que Scar e Simba ficaram sozinhos. Simba diz que não vai matar seu tio, e Scar coloca a culpa nas hienas, dizendo que eles que são as malvadas. Então, Simba pede ao seu tio que fuja para um lugar bem longe, mas Scar joga algumas cinzas nos olhos de Simba, querendo mata-lo. Mas, Simba joga-o do abismo e as hienas, muito furiosas, ficaram encarregadas de acabar com Scar.

Simba então consegue derrotar seu tio e conquistar seu lugar de rei. Sobe até o topo da Pedra do reino e com o seu rugido tudo volta como era antes. Nasce o filho de Simba e Nala dando assim a continuidade do ciclo da vida.

Os PCNs e a Interdisciplinaridade

A fim de ampliar nossa visão de conteúdos e disciplinas, que podem ser trabalhadas no Ensino Fundamental I, é importante conceituar e mostrar a importância dos Parâmetros Curriculares Nacionais, para que se possa refletir sobre um trabalho interdisciplinar nessa etapa de ensino.

Os Parâmetros Curriculares Nacionais são indicados para profissionais da Educação, a fim de formar cidadãos críticos e participativos, para novos tempos. Este trabalho propõe orientações gerais sobre os conteúdos básicos que pode ser trabalhados e aprendidos em cada etapa escolar.

É fundamental que o professor faça uma adaptação dos PCNs, com a realidade do qual as crianças estão inseridas. Os PCNs, também são utilizados para a organização e realização de planejamentos.

Este material é de extrema importância, principalmente para o Ensino Fundamental I, pois tratam de disciplinas contidas no currículo escolar e dos temas transversais do qual envolve conteúdo como: ética, orientação sexual e pluralidade cultural.

Com isso, dentro do estudo, é interessante trazê-lo como forma de sugestões e orientações, para que o professor possa modificar sua prática de ensino. Nesse sentido, os PCNs indicam os principais objetivos do Ensino Fundamental I, que no término desse ciclo, os alunos deverão ser capazes de:

  • Compreender a cidadania como participação social e política, assim como exercício de direitos e deveres políticos, civis e sociais, adotando, no dia-a-dia, atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo respeito;
  • Posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas;
  • Conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sociocultural brasileiro, bem como aspectos socioculturais de outros povos e nações, posicionando-se contra qualquer discriminação baseada em diferenças culturais, de classe social, de crenças, de sexo, de etnia ou outras características individuais e sociais;
  • Perceber-se integrante, dependente e agente transformador do ambiente, identificando seus elementos e as interações entre eles, contribuindo ativamente para a melhoria do meio ambiente;
  • Desenvolver o conhecimento ajustado de si mesmo e o sentimento de confiança em suas capacidades afetiva, física, cognitiva, ética, estética, de inter-relação pessoal e de inserção social, para agir com perseverança na busca de conhecimento e no exercício da cidadania;
  • Conhecer e cuidar do próprio corpo, valorizando e adotando hábitos saudáveis como um dos aspectos básicos de qualidade de vida e agindo com responsabilidade em relação à sua saúde e à saúde coletiva;
  • Utilizar as diferentes linguagens – verbal, matemática, gráfica, plástica e corporal, como meio para produzir, expressar e comunicar suas ideias, interpretar e usufruir as produções e situações de comunicação;
  • Saber utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos para adquirir e construir conhecimentos;
  • Questionar a realidade formulando-se problemas e tratando de resolvê-los, utilizando para isso o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando procedimentos e verificando sua adequação. (PCN, 1998:05).

Portanto, como podemos perceber, para que o professor possa atingir esses objetivos e outros mais amplos, se faz necessário propiciar um trabalho interdisciplinar, fazendo com que todos os conteúdos propostos pela escola possam ser atingidos, utilizando do desenho animando em estudo como um dos recursos para facilitar a aprendizagem.

As Propostas Didáticas Interdisciplinares

Durante o trabalho é discutido a importância do professor, diversificar os recursos didático em sala de aula, a fim de melhorar sua prática de ensino em sala de aula e ao mesmo tempo torná-lo mais prazeroso e significativo, tanto para as crianças como também para o professor.

Para atingir tal proposta, foi analisado o filme O Rei Leão I, e levantado possibilidades em realizar trabalhos por projetos, envolvendo diversos temas.

Os temas do qual foi encontrado como eixo norteador para a prática interdisciplinar foram: animais e família, que seguirá no decorrer do trabalho.

Proposta Didática 1: ANIMAIS

Como se sabe, o filme O Rei Leão I é composto por uma grande variedade de animais, envolvendo diversas classes: mamíferos, insetos, aves, entre outros. Então, desde pequenos, pela interação com o meio social e natural no qual vivem, as crianças aprende muito sobre o mundo, fazendo perguntas e procurando respostas para suas inquietações.

Portanto, trabalhar com animais se torna significativo para a criança, uma vez que parte de seu próprio interesse, relacionando-se com o dia-a-dia. Assim como propõe Vasconcellos “... para a construção do conhecimento é preciso possibilitar o vínculo significativo entre sujeito e objeto.” (1999:05), para que o trabalho possa se realizar de maneira satisfatória e prazerosa, não somente para as crianças como também para os educadores.

Com isso, a intenção desse projeto baseia-se no construir conhecimentos de forma integrada, utilizando para isso outras áreas do conhecimento, juntamente com o filme sendo as Artes, Língua Portuguesa, Matemática, Geografia, Ciências e Meio Ambiente.

Assim, a fim de propor um projeto de qualidade, deve-se refletir sobre a proposta de Vasconcellos (1999:10) ao dizer que “para desenvolver uma proposta significativa, é preciso ter a vontade de buscar um conhecimento vinculado à realidade mais ampla dos educandos”.

Dessa forma, essa proposta privilegia o saber pensar, valorizando as hipóteses que as crianças levantam e assim desenvolvendo habilidades e competências para o aprimoramento crítico e criativo do conhecimento que está sendo explorado.

Nesse sentido, dentro do projeto animais, podemos trabalhar com diferentes áreas do conhecimento, estabelecendo relações com os conteúdos das disciplinas. Assim, iniciaremos o projeto com os conteúdos da disciplina de Ciências, dos quais podemos trabalhar com: a distinção entre os seres vivos e não vivos, observar as necessidades dos seres vivos, como água, ar e sua preservação, reconhecer o sol como fonte de luz para os seres vivos, sua importância como fonte de calor, relacionar os animais quanto a sua espécie e classe, conhecer a vida dos animais, seu nascimento, desenvolvimento e morte, perceber e notar a adaptação dos animais em diferentes ambientes, estudar os animais que se movimentam na água, no ar e no solo, compreender a reprodução dos animais, diferenciar os invertebrados e os vertebrados, preservação da flora e fauna, identificar semelhanças e diferenças entre os ambientes, estabelecer cadeias alimentares, compreender o alimento como fonte para o crescimento e manutenção das espécies.

Em Língua Portuguesa, podemos tratar de conteúdos sobre: produção de textos, criação de diálogos, criação de histórias em quadrinhos, trabalhar com a descrição e comparação de personagens, interpretação e dramatização, conflito e solução, entender o significado do filme e trabalhar com o enredo.

O projeto também possibilita a participação da disciplina de Matemática, podendo envolver os conteúdos de: agrupar, comparar, ordenar e sequenciar os animais, identificar as igualdades e as diferenças, observar o tempo e o espaço, trabalhar com as figuras geométricas, observar as linhas e formas e trabalhar com medidas, comprimento e altura. Além de ampliar para resolução de problemas que abrange as operações, adição, subtração, multiplicação e divisão.

Já em Geografia os conteúdos são: conhecer o lugar onde os animais habitam, em questão de cidades e estados, consequentemente poderá ser feito uma análise de mapas e por fim, o estudo do clima, relevo e solo, do qual os animais vivem em outros estados. E temos também a disciplina de Artes, do qual podemos trabalhar com: desenhos, pinturas, recorte e colagem, textura, cor, forma, técnicas entre outros.

A interação dos conteúdos do projeto com as disciplinas é uma questão interessante, pois do qual,

 ... o exercício da prática interdisciplinar deve possibilitar o encontro com a emoção, o descobrir o sentido das coisas, a constatação da importância da atividade de pesquisa, o significado, o valor e a alegria pelo trabalho que está sendo realizado. ( Fazenda, 1995:36).

Como pode-se  perceber, dentro do projeto animais é possível estabelecer  relação com as disciplinas contidas no Ensino Fundamental I. Partindo desse pressuposto, se observa que esses conteúdos citados podem e devem ser ampliados e acrescentados por outras disciplinas, mas procurando atingir grandes objetivos.

O projeto animais foi retirado do filme O Rei Leão I com a intenção de proporcionar um trabalho interdisciplinar, procurando uma mudança de postura do professor frente ao novo modelo de trabalho e ampliando a visão de mundo dos educando.

Proposta Didática 2 . FAMÍLIA

No filme O Rei Leão I é possível desenvolver o projeto Família, pois o enredo do filme trata da relação familiar entre os animais, mais especificamente entre os leões. Por isso, á possibilidades de relacionar o projeto família com as disciplinas do Ensino Fundamental I e seus conteúdos, possibilitando uma ação pedagógica interdisciplinar.

Para iniciar o projeto família, inicialmente se faz necessário compreender que, desde quando nascemos nossa primeira interação social é com a família. É através dela, que as crianças aprendem as questões de valores, respeito e solidariedade.

Então, o trabalho com a família é muito significativo e prazeroso para as crianças, uma vez inseridas nela e compartilhando com toda sua identidade familiar. Ivani Fazenda discute que “...o processo interdisciplinar, como uma questão de atitude, deve proporcionar a libertação do pensamento diante dos modelos cristalizados...” (1995:59), podendo então, fazer com que os alunos tenham uma visão critica sobre os modelos familiares da realidade.

Assim, o propósito desse projeto é realizar um trabalho interdisciplinar, procurando relacionar as diferentes áreas do conhecimento que fazem parte do currículo escolar do Ensino Fundamental I. Busca-se então, um ensino significativo e prazeroso, e que possa partir da própria realidade da criança, procurando uma educação de qualidade e moderno.

Dessa forma, dentro do projeto família, podem-se trabalhar diferentes conteúdos. Iniciaremos com a disciplina Língua Portuguesa, que podem ser trabalhados: produção de textos sobre a família, reprodução da história familiar contida no filme, trabalhar com valores e atitudes, textos narrativos, tendo como objetivo conflito e soluções, utilizar os pronomes pessoais (reto, obliquo e tratamento), entrevistas com diferentes tipos de família, expressão de sentimentos em textos e dramatizações.

Em Matemática também encontramos alguns conteúdos que podem ser trabalhados dentro do projeto família, sendo eles: trabalhar com a contagem de membros que fazem parte da família, aprender a utilizar dezenas e centenas, problemas relacionados às famílias utilizando as quatro operações matemáticas, resolver situações problemas relacionados à família, trabalhar com a sequência, ideias de separar, comparar, acrescentar e juntar, trabalhar com desafios numéricos: dobro, triplo, metade e medidas de comprimento e massa de cada membro familiar.

Na disciplina de História encontramos também conteúdos a serem tratados como: comparar e interpretar imagens da infância, reconhecendo sua história através de registros dos acontecimentos do passado e solucionar questões referentes aos tipos de famílias comparando as famílias do passado com as do presente.

Em Geografia podemos abordar alguns conteúdos como: a moradia, lugar onde mora, estados e capitais, função da família frente à sociedade, assim abordando temas amplos como o lixo, poluição, doenças, como é a vida as famílias vivem em outros municípios e cidades e trabalhar a comparação à vida entre família urbana com a família rural.

A disciplina de Ciências está muito presente nesse projeto, pois nela abordamos os seguintes conteúdos: caracterizar a vida os seres humanos em nascimento, infância, adolescência, fase adulta e velhice, trabalhando assim igualdades e diferenças, trabalhar com a reprodução dos seres humanos, definir as características, comportamentais e adaptações dos seres vivos, interagindo com o meio e expressar a importância da reprodução dos seres vivos.

E por fim, a disciplina de Artes, na qual podemos trabalhar com desenhos sobre as famílias, pintura, recortes e colagens, maquetes sobre a moradia com a família, entre outros.

Como é possível notar, dentro do projeto família, encontramos a relação de algumas disciplinas contidas no currículo do Ensino Fundamental I. Mas o que se torna importante, é a relação que podemos fazer entre elas, buscando um saber integrado e procurando estabelecer objetivos e metas para realizar o projeto. Contudo, sabemos que o projeto família envolve também outros temas como: valores, atitudes, emoções que devem ser explorados no decorrer o projeto, sendo estes tratados por todas as disciplinas.

Dentro desse tema, é importante ressaltar Fazenda discutindo que “A interdisciplinaridade constrói o conhecimento com o prazer, com o questionamento, com a cooperação, com a heterogeneidade e com o respeito as diferenças individuais.”   (1995: 113 ).

Sendo assim, esse projeto foi retirado do filme O Rei Leão I com o intuito de conscientizar os professores, que há a possibilidade de desenvolver um trabalho interdisciplinar envolvendo diversos temas, sendo um deles a família, do qual podem envolver outras disciplinas, a fim de proporcionar um trabalho rico e com diversos conteúdos envolvidos, tornando a aprendizagem prazerosa e significativa, tanto para os alunos quanto para o professor.

Assim, percebemos que a presente pesquisa busca acabar com o modelo tradicional de ensino, ou seja, cada disciplina “presa”em seu conteúdo, proporcionando ao professor trabalhar com projetos e de utilizar novos recursos para melhorar o ensino, a fim de facilitar a aprendizagem e torna-la significativa e principalmente interdisciplinar, obtendo uma visão  ampla do mundo.

Portanto, podemos perceber que o filme  O Rei Leão I, pode proporcionar ao professor, diversas propostas didáticas para serem desenvolvidas em sala de aula, pois nesse momento, o que se faz necessário é ter criatividade e uma atitude interdisciplinar, a fim do projeto possa ser trabalhado com diversos conteúdos e disciplinas, tornando-o rico e amplo para o desenvolvimento intelectual do aluno.

Considerações Finais

Não é fácil mudar radicalmente a postura do professor perante suas práticas já exercidas em sala de aula, conscientizando o mesmo para uma nova prática de educar. Como se pode perceber, a presente pesquisa traz um novo olhar para o ensino, fazendo com que o professor tenha uma visão mais abrangente do mundo que o rodeia.

Trata-se da interdisciplinaridade enquanto proposta de ensino moderna e significativa para os alunos, trazendo um novo modelo de educação e de formação para futuros cidadãos. A interdisciplinaridade pressupõe de uma atitude e uma constante reflexão de suas práticas e, principalmente, de um embasamento teórico profundo.

Como foi mostrado durante a pesquisa, se faz necessário que o professor utilize de novas propostas de trabalho, a fim de estimular os alunos à construção do conhecimento. Tratamos do desenho animado O Rei Leão I, como um recurso moderno e facilitador da aprendizagem das crianças, onde ao mesmo tempo, traz vários tipos de abordagens e projetos que podem ser trabalhados no Ensino Fundamental, proporcionado um trabalho interdisciplinar e criativo.

Durante o estudo do desenho, foram estabelecidas propostas interdisciplinares como: os animais e a família, que dentro desses temas, se torna possível estabelecer relações com os conteúdos das disciplinas contidas no currículo do Ensino Fundamental I.

Essas propostas têm como principal objetivo proporcionar o professor condições para realizar um trabalho interdisciplinar, com um olhar mais amplo do mundo. Ao mesmo tempo de perceber que tudo está relacionado a tudo e que as disciplinas não podem ser trabalhadas isoladamente, mas forma conjunta.

Nós vivemos em um mundo que está em constante mudança e transformações. São por esse motivo que a escola deve acompanhar essas mudanças e procurar formar indivíduos integralmente, autônomos, críticos, questionadores, criativos, dinâmicos, sensíveis, responsáveis, conscientes e ativos.

Para que tudo isso ocorra se faz necessária uma atitude de mudança na prática pedagógica do professor, a fim de perceber essa nova dinâmica de aprendizagem, criando e inovando um novo desenvolvimento curricular das disciplinas.

Finalmente, nada é impossível. Consequentemente levará um tempo para que os educadores compreendam que a aprendizagem é um processo que deve se dar de forma significativa e articulada com a realidade, respondendo aos interesses dos alunos, e principalmente, construir um novo olhar para o ensino.

Referências

AIUB, Monica. Interdisciplinaridade: da origem à atualidade. Mundo saúde (Impr.) (1995); 30 (:107-116, jan.-mar.) São Paulo: 2006.

CIVITA, V. Parâmetros Curriculares Nacionais de 1ª a 4ª série. Revista Nova Escola, São Paulo, Edição especial, p. 5-67, 1998.

COMENIUS. Didática Magna. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FAZENDA, Ivani Catarina. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa.Campinas: Papirus, 1994.

_________. A Academia vai à Escola. Campinas: Papirus, 1995.

_________. Interdisciplinaridade: definição, projeto e pesquisa. São Paulo: Cortez, 1993.

_________. Didática e interdisciplinaridade. Campinas: Papirus, 2000.

__________. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. São Paulo: Loyola, 1979.

__________. Práticas interdisciplinares na escola. São Paulo: Cortez. 1991.

Filme: “O Rei Leão” (The Lion King). Direção de: Roger Allers e Rob Minkoff. Produção de: Don Hahn. Interpretes: Irene Mecchi e Jonathan Roberts e Linda Woolverton. Los Angeles: Warner Bros. Disney Company. Walt Disney Pictures de Frank Weels ( 1984 – 1994). 2003. Um filme de 88 min, son., color., 35mm, dublado, livre. Trilha sonora de: Elton John e Tim Rice.

FUSARI, Maria Felisminda de Rezende. O educador e o desenho animado que a criança vê na televisão. São Paulo: Loyola, 1985.

KILPATRICK, William Heard. Educação para uma civilização em mudança. São Paulo: Editora Melhoramentos, 1974.

LÜCK, Heloisa. Pedagogia interdisciplinar: fundamentos teóricos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 1999.

Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Ensino Fundamental – Brasília: MEC/ Sef, 1998.

VASCONCELLOS, Celso S. Metodologia dialética de construção do conhecimento em sala de aula. São Paulo, Libertad, 1999.


Publicado por: ADRIANA PARRAVANO NEVES

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.

DEIXE SEU COMENTÁRIO
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola