Whatsapp

GincaMática

Matemática

A realização de uma gincana com atividades lúdicas voltadas ao desenvolvimento do raciocínio lógico, condição importante para uma aprendizagem matemática satisfatória, visando à desmistificação da Matemática que ainda é vista como uma disciplina “chata”.

Escola Estadual Fernando Corrêa da Costa, Rio Brilhante – 2018:  2ª Gincana de Matemática

Justificativa

A Matemática é uma disciplina que consegue despertar ódio em muitos no decorrer da vida escolar. Muitos desses alunos não têm interesse em aprender e gostar de matemática por falta de estimulo de alguns professores, que por falta de tempo e currículo muito apartado, acabem realizando um ensino maçante, pouco estimulante e desafiador do ensino.

Frente às exigências necessárias para uma aprendizagem matemática eficaz, e as dificuldades encontradas no ensino da Matemática, propomos a realização de uma gincana com atividades lúdicas voltadas ao desenvolvimento do raciocínio lógico, condição importante para uma aprendizagem matemática satisfatória, visando à desmistificação da Matemática que ainda é vista como uma disciplina “chata”. A gincana é um instrumento dinâmico no processo ensino/aprendizagem. Para Rosa (2012):

A aprendizagem tanto em aulas realizadas em sala de aula, quanto em aulas diferenciadas, depende de muitos fatores, como motivação, afetividade, estímulo, criatividade, entre vários outros. Por estes motivos, aulas diferenciadas podem ser consideradas uma ótima ferramenta de ensino.

Nem sempre são as instituições escolares as responsáveis por não trabalharem com a Matemática que o aluno utiliza no cotidiano, pois na maioria das vezes seguem currículos ditados por segmentos da educação e que parecem ser desenvolvidos de forma que dificulte para que os professores não consigam relacionar a Matemática da sala de aula com a Matemática utilizada pelos alunos fora da escola. Buriasco destaca:

Se no enunciado de um exercício escolar está escrito “calcule tal coisa”, a criança calcula, mas não é capaz de saber que é isso que dever fazer numa situação problema que enfrenta no dia-a-dia; se no enunciando está escrito “determine o volume de um certo paralelepípedo com tais medidas”, o sujeito determina, mais não é capaz de usar esse conhecimento para decidir entre duas caixas de sabão de tamanhos diferentes, no supermercado. Isto porque os problemas e demais exercícios apresentados na escola nada têm a ver com a realidade do aluno.(grifos do autor)(apud GIARDINETTO: 1999, p. 72)

Percebemos que a escola não consegue verificar se os alunos sabem usar os conhecimentos que ele aprendeu em sala de aula, ela preocupa-se em passar o conteúdo para os alunos conforme a proposta pedagógica, fazendo com que reproduzam mecanicamente e repetidamente os cálculos, seguindo instruções para resolução dos exercícios. Halmenschlager (2001) ressalta:                                                         

Frequentemente, constata-se que mesmo estudantes que demonstram certa habilidade nos cálculos matemáticos, quando expostos a situações que envolvam problemas cotidianos, em que se faz necessário o conhecimento matemático escolar, não conseguem verificar suas aplicações ou demonstram dificuldades em interpretar o resultado obtido. Talvez isso aconteça por causa da ausência, nas escolas, de práticas que ajudem a se apropriar dos sentidos e significados matemáticos. (p. 45)

Objetivos

A gincana tem com o intuito, motivar os alunos nos estudos da Matemática. Dessa maneira, deixar as futuras aulas de Matemática mais atrativas para os alunos, melhorando assim seu rendimento estudantil na disciplina.

Levantar hipóteses e buscar estratégias para a solução de problemas. Com esse objetivo queremos que os alunos possam resolver situações problemas por meio de hipóteses e estimulando a busca de novas estratégias, individualmente e em grupo, para os desafios, não só na matemática, mas na vida estudantil, profissional e social dos alunos.

Criar um elo entre a Matemática escolar e a Matemática que os alunos utilizam na vida cotidiana. Essa Matemática utilizada fora da escola é aprendida por experiências vivenciadas no cotidiano. D’Ambrosio (1998) afirma que:

A Etnomatemática lança mão dos diversos meios de que as culturas se utilizam para encontrar explicações para a sua realidade e vencer as dificuldades que surjam no seu dia-a-dia. Em todas as culturas, porém nessa busca de entendimento, acaba-se tendo necessidade de quantificar, comparar, classificar, medir, o que faz surgir a Matemática espontaneamente.(p. 15)

Aperfeiçoar os conhecimentos adquiridos a partir dos conteúdos propostos no decorrer das aulas anteriores. Exercitar a memoria dos alunos, um pouco fraca sobre os conhecimento já adquiridos, deixando os conteúdos mais acessíveis no decorrer da vida acadêmica.

Estimular o trabalho em grupo para e resolução de desafios matemáticos e do cotidiano dos alunos. Realizar o compartilhamento de vivencias de diferentes faixas etárias. Estimular a interação entre diferentes níveis de ensino (fundamental e médio). Pois essas vivencias fazem parte do processo ensino/aprendizagem do aluno. Segundo Carraher & Shliemann (1996), essa matemática é:                                                                                                                                 

[...] Quando uma criança resolve um problema com números na rua, usando seus próprios métodos, mas que são métodos compartilhados por outras crianças e adultos, estamos diante de um fenômeno que envolve a matemática, devido ao conteúdo do problema, psicologia, porque a criança certamente raciocinou, e educação, porque queremos saber como ela aprendeu a resolver problemas desse jeito.(p.11)

Metodologia

A 2ª Gincana de Matemática realizou-se no dia 12 de novembro de 2018, pelos professores de matemática da escola com a ajuda do Grêmio Estudantil. Essa gincana será aplicada para alunos do 5º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio da Escola Estadual Fernando Corrêa da Costa.

A Gincana será realizada da seguinte forma:

Os alunos foram divididos em 8 equipes, ocorrendo uns 15 dias antes da culminância da gincana. Os alunos foram divididos com esse prazo (15 dias antes) para poderem se organizarem na pesquisa e caracterização do matemático famoso e na elaboração da paródia.

As equipes foram divididas nas seguintes cores:

  • Amarela
  • Azul
  • Branca
  • Laranja
  • Preta
  • Roxa
  • Verde
  • Vermelha

 Distribuir os professores da escola nas equipes, para que eles possam orientar os alunos no decorrer da gincana. O professor deve somente orienta-los não ajuda-los nas execuções das provas.

As provas da gincana formam:

  • Resolução de problemas – (um aluno de cada equipe) foi proposto um problema no telão, para que os alunos possam resolver. Nessa prova serão vários problemas, sempre especificados com o ano para que cada equipe escolha um aluno do ano sugerido no problema para resolvê-lo. (pontuação – 20 pontos por cada problema resolvido corretamente);
  • Quantidade aproximada – (fundamental) foi mostrado um pote, de vidro ou plástico transparente, com uma quantidade qualquer de alguma coisa (pedras, balas, bolitas). A equipe deve dar um palpite da quantidade que eles acham que há no pote. Ganha a equipe que der o palpite mais aproximado do valor exato. (pontuação – 50 pontos)
  • Parodia envolvendo temas matemáticos – (todos) os alunos fizeram uma parodia sobre qualquer música, envolvendo temas matemáticos. Os alunos montaram essa parodia uns 15 dias antes da gincana. Ganha a equipe que for mais criativa na letra, escolha a música e na apresentação da sua paródia. (pontuação – 100, 75 e 50 pontos para as três primeiras equipes)
  • Desfiles de Matemáticos Famosos – (todos) os alunos fizeram um desfile para homenagear matemáticos famosos. Os alunos tiveram que pesquisar sobre o matemático sorteado uns 15 dias antes da gincana. Ganha a equipe que for mais criativa na caracterização e na apresentação do seu “matemático famoso”. (pontuação – 100, 75 e 50 pontos para as três primeiras equipes);
  • Torta na cara – (1 h)(todos – será de acordo com o ano proposto) foram feitas perguntas sobre temas matemáticos, quem acertar a torta no seu adversário. (pontuação – 10 pontos por cada resposta correta/erro do adversário)

Os confrontos da torta na cara deverão ser feitos equipe contra equipe, sendo sempre a mesma série e o mesmo sexo. Veja o exemplo:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Verde Vs. Branca – 6º masculino.

A premiação será da seguinte forma:

1º lugar – 1,0 na média de Matemática (para cada aluno da equipe)

2º lugar – 0,75 na média.

3º lugar – 0,5 na média.

Os integrantes do Grêmio que participarem ganharão 1,0 na média.

Recursos

  • 1 Maço de folhas sulfites
  • 8 lápis e 8 borrachas
  • Folhas de papel cartão
  • Pratinhos para festinhas (30 a 35)
  • Chantili (para a torta na cara)(mistura de açúcar, refrigerante e emustab)
  • Equipamento para a torta na cara (equipamento do professor)
  • Caixa de som
  • Microfone
  • Projetor integrado
  • Tela
  • Um pacote de bolitas (bolinhas de gude)
  • Um pote de vidro transparente
  • TNT

Bibliografia

A Matemática pode ser estimulante e divertida. Disponível em: http://www.blogeducadoresinovadores.com.br/2014/09/25/a-matematica-pode-ser-divertida-e-estimulante/

BAZE, Marcos Felipe. A Matemática utilizada pelos pedreiros – um estudo Etnomatemático. Dourados – MS, UNIGRAN, 2007.

CARRAHER, Teresinha; SHLIEMANN, Ana. Na vida dez na escola zero. 10 ed. São Paulo – SP, Cortez, 1996.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: Arte ou técnica de explicar e conhecer. 5 Ed. São Paulo: Ática, 1998.

Desafios Matemáticos. Disponível em: http://www.somatematica.com.br/desafios.php

GIARDINETO, José Roberto Boettger. Matemática escolar e Matemática da vida cotidiana. Campina – SP, Autores Associados, 1999.

Gincana de Matemática. Disponível em: http://www.webquestbrasil.org/criador/webquest/soporte_mondrian_w.php?id_actividad=12149&id_pagina=3

HALMENSCHLAGER, Vera Lucia Silva. Etnomatemática: uma experiência educacional. São Paulo: Summus, 2001.

Matemática e Tecnologia: união que dá certo. Disponível em: http://matematicaetecnologiauniaoquedacerto.blogspot.com.br/2009/05/gincana-da-matematica.html

Sudoku. Disponível em: http://frasismos.blogspot.com.br/2012/01/sudoku.html

ROSA, A.B. Aula diferenciada e seus efeitos na aprendizagem dos alunos: o que os professores de Biologia têm a dizer sobre isso? - Porto Alegre, 2012. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/72356/000872151.pdf?sequence=1

Racha cuca. Disponível em: http://rachacuca.com.br/enigmas/

Anexos

Perguntas da Torta na Cara

6ºano e 7ºano

Todo número vezes zero é igual a: zero

O dobro de um número é igual a quantas vezes esse número? 2 vezes

Qual é o inverso da multiplicação? A divisão

Nove vezes cinco é igual a: 45

Seis sextos é equivalente a: 1 inteiro

Todo número elevado a 0 é igual a: um

8º ano e 9º ano

Um número negativo elevado ao expoente ímpar resulta em um número: negativo

Um trem elétrico vai do norte para o sul a 390 km/h. Para que lado vai a fumaça? Trem elétrico não tem fumaça.

O que é perímetro? É a soma de todos os lados

Qual é o instrumento utilizado para medir ângulos? O Transferidor.

A letra X, em algarismos romanos representa que valor numérico? Dez

A raiz quadrada de 144 é igual a: 12

Quantos centímetros têm em um metro? 100 centímetros

Ensino médio

O que é um trinômio? É um polinômio de três termos.

Quantos animais de cada espécie Maomé colocou na arca? A arca era de Noé

O que é um triângulo escaleno? Triângulo que possui todos os lados diferentes.

O que é um ângulo reto? Um ângulo que possui 90º

Quantas faces tem um cubo? 6 faces

30% de R$ 300,00 é igual a: R$ 90,00

Observe a seqüência numérica:

2, 10, 12, 16, 17, 18, 19... O próximo número é o: 200

O que é mais pesado, 1 kg de ferro ou 1 kg de algodão? Os dois tem o mesmo peso.

Três ao cubo é o mesmo que três elevado a que numero? Três

Hipotenusa2 = cateto2 + cateto2, é conhecido como: Teorema de Pitágoras.

O teorema de Pitágoras só é aplicado em que tipo de triângulo? Retângulo

O que é um triângulo eqüilátero? Possui todos os lados iguais.

Qual é a fórmula usada para achar as raízes ou zeros da função de 2º grau? Fórmula de Bhaskara

O que é uma bissetriz? É uma semi-reta que divide um ângulo am meio.

Qual é o valor do Pi? 3,14

Questões para resolução de problemas

5º ano) Cada embalagem tem 12 canetas coloridas. Quantas dessas embalagens podem ser feitas se tivermos 624 canetas? R: 52 caixas

6º ano) Marcos e Mariane são irmão. Marcos é 0,25 m mais alto que Mariane. Sabendo que a altura de Marcos é de 1,71 m, qual é a altura de sua irmã? R: 1,46 m

7º amo) Janice tem 5 anos a mais que Cláudia. A soma da idade de ambas é igual a 49 anos. Qual a idade de cada uma? R: 22 e 27 anos

8º ano) Em um polígono qualquer de n lados, quando traçarmos as diagonais que partem de um único vértice, decompomos o polígono ( n – 2 ) triângulos. Sabendo que, em determinado polígono, obtivemos 8 triângulos nessa decomposição. Qual é o nome desse polígono? R: Decágono

9º ano) Um avião percorreu a distância de 5000 metros na posição inclinada, e em relação ao solo, percorreu 3000 metros. A que altura se encontra o avião? R: 4 000 m ou 4 km

1º ano) Um vendedor recebe mensalmente um salário composto de duas partes: uma parte fixa, no valor de R$ 1.000,00 e uma parte variável que corresponde a uma comissão de 18% do total de vendas que ele fez durante o mês. Qual será o salário do vendedor durante um mês, sabendo-se que o mesmo vendeu R$10.000,00 em produtos? R: R$ 2.800,00

2º ano) Um técnico recebeu a tarefa de organizar todos os documentos de um departamento em apenas uma semana. Se ele começou no domingo organizando 15, na segunda-feira 23 e assim por diante até terminar, quantos documentos ele organizou no total? R: 273 documentos

3º ano) No lançamento simultâneo de dois dados diferentes, qual é a probabilidade em que  a soma das faces superiores seja igual a 10? R: 1/10

Algumas paródias

Equipe Verde - Matutino (Lepo Lepo)

Ah! Eu já não sei o que fazer
Todas essas questões eu não consigo resolver
Ah! Eu já não tenho mais pra onde correr
Problemas e equações eu não consigo resolver

Agora vou conversar com o professor
Será que ela vai me entender
Agora vou saber a verdade
Se é exame, se é DP ou pura crueldade

Eu não tenho nota
Não tenho média
E se minha mãe descobrir, ela me mata
Vai ser só, só, só, só, só, só na chinelada

Equipe Amarela – Vespertino (I loveando tu)

Olha Marquinhos (professor) como eu tô
Já fez quase um ano que você me ensinou
E eu não sei pensar em nada
Eu não falo mais nada
Só da Matemática no meu mundo e não é caô

Depois que tu me ensinou
Eu to bem com a vida
Depois que tu me mostrou
Parai de dar azia
Vou falar em problemas
Pra tu ver minha ousadia
Oh Lígia (diretora)!

Eu to multuplicando to, to dividindo
To diminuindo sim, eu to somando
To calculando eu vou raciocinando
To fracionando pra chuchu

Equipe Verde – Vespertino (Envolvimento)

A Matemática eu vou ensinar pra vocês, pra vocês
É somar, multiplicar, dividir, tudo de uma vez

Essa conta é chiclete, na tua mente vai ficar
Dividir, dividir, dividir, multiplicar
Dividir, dividir, dividir, multiplicar
Dividir, dividir, dividir, multiplicar

Não precisa exagerar, muito menos preocupar
Mais com menos, menos com mais
E o resultado eu vou olhar

É muito fácil
É tão simples
Vem aqui que vou ensinar

Dividir, dividir, dividir, multiplicar
Dividir, dividir, dividir, multiplicar
Dividir, dividir, dividir, multiplicar

É somar, subtrair e o resultado vou mostrar
Vem aqui, vem aqui
Que eu vou lhe ajudar

___________________
Professor Responsável: Marcos Felipe Baze


Publicado por: Marcos Felipe Baze

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do site por meio do canal colaborativo Meu Artigo. O Brasil Escola não se responsabiliza pelo conteúdo do artigo publicado, que é de total responsabilidade do autor. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.