Whatsapp

LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA SOB A ÓTICA DA LEITURA LITERÁRIA: UMA VERIFICAÇÃO DELIGENTE E CURIOSA

Literatura

Análise sobre o livro didático com todos os seus apêndices de ensino.

COLOCAÇÕES INICIAIS:

Muitas análises já passaram pelo processo e pelo papel do livro didático na história da educação - Ao utilizar livros didáticos como recurso didático em sala de aula, é necessário conhecer previamente a abordagem e o método utilizados para trabalhar determinados conceitos. (ROSA, C. P. RIBAS, L. C. BARAZZUTTI, M. 2012, p. 2) Nesse processo, iremos conter e investigar o livro didático com todos os seus apêndices de ensino, a luz do ensino de literatura, e a importância e relevância em questão dos atributos sobre o ensino e instrumento da literatura no ensino médio, como meio de previamente conhecer suas abordagens e métodos para o ensino da literatura.

O livro em análise, tem como tema: Português: Trilhas e trama 2 (2016) 2ª edição, da autora LEYA (São Paulo). Ao sentido, é um livro de direções das OCEM – Orientações Curriculares para o Ensino Médio, desenvolvido por temas, os quais, exploram textos, obras literárias, como toda propriedade de ensino a respeito da literatura. Conforme aponta Silvino e Verceze (2008, p. 86):

“No que se refere à história do livro didático no Brasil, ao nível oficial e regulamentado, se iniciou com a Legislação criada em 1938, pelo Decreto Lei 1006. Naquela época, o livro era considerado um instrumento da educação política e ideológica, sendo o Estado caracterizado como censor no uso desse material didático. Os professores escolhiam os livros a partir de uma lista pré-determinada, tendo por base essa deliberação legal. O artigo 208, inciso VII, da Constituição Federal do Brasil, assegura que o livro didático é um Direito Constitucional do estudante brasileiro.”

O livro “Português: trilhas e tramas, v. 2, é um livro recente, criado e elaborado pelo PNLD de 2018. Trata-se de uma coletânea e material abordado para assegurar a educação e o direito do estudo de português-literatura a todo estudante brasileiro.

O citado livro “Português: trilhas e tramas, v. 2” identifica a Literatura em um contexto amplo e elementar, apresentando um panorama que interpela diversos temas literários, levando os alunos a um profundo conhecimento acerca da literatura e de suas funcionalidades. Mas, de que forma? É preciso uma investigação acerca de como o livro está sendo elaborado, e o que ele vem conduzir para a aprendizagem dos alunos que irão ter o seu emprego e aplicação.

Diagnóstico sobre o livro didático: Sucedidos importantes.

O mencionado livro, em sua estrutura e disposição, faz uma abordagem sob a concepção apenas da leitura literária, onde expõe uma metodologia unicamente dos conhecimentos históricos relativamente a literatura, como também apenas exibe conteúdos de obras literárias denominados, sem nenhum outro gnose ou prática de pensamento sobre a literatura. Isto é, não produz significativamente um conteúdo prazeroso e de grande concentração para a prática estudantil dos alunos, e para introduzir-se substancialmente ao ensino da literatura.

Percorrendo diagnóstico e observação sobre o livro didático.

Seguindo verificação, o livro didático sondado, manifesta a mudança do texto original, mostrando apenas um resumo de “texto” da obra exposta no livro, e que posteriormente será estudada pelos alunos, o que vem a desclassificar basicamente o contexto geral da obra, e desqualificar o entendimento dos alunos a toda e íntegra história estudada. Na verificação aguda do livro didático, logo é perceptível o texto ou obra analisada que não está em formato integral, isto é, o texto “o juiz na praça” se encontra fragmentado, reduzido e simplificado. Em outras palavras, a obra apresenta-se apenas por algumas cenas, sendo o restante de toda história e texto, cortado e omitido para o estudo, percepção e leitura dos alunos. 

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Na página cento e sessenta e cinco do livro didático “português: trilhas e tramas” temos uma questão de (Cesgranrio/1999) que comparece no livro da seguinte forma:

  • O teatro brasileiro tem Martins Pena como um dos seus mais significativos representantes. Suas obras caracterizam-se por:
  1. Reproduzir os autores religiosos do século XVI.
  2. Usar, como modelo, as tragédias clássicas.
  3. Realizar uma comédia de costumes
  4. Demonstrar forte influência do teatro romântico francês.
  5. Construir suas peças em versos livres.

Atentando a questão de cópia, é identificado estruturalmente que essa questão não assegura a compreensão e perspectiva do texto literário estudado “o juiz de paz na roça.” Isto é, não coadjuva na interpretação do texto ou da obra logo exibida acima do estudo dirigido, apenas abrange outra área do conhecimento geral acerca do autor da obra, que classifica e preconiza as obras realizadas por Martins Pena, não contribuindo a nenhuma busca autentica por assuntos explorados no texto ou obra literária evidenciado, para ser respondida e instruída pelos alunos. Nesta conjuntura, torna-se uma questão que não se soma na aprendizagem e obtenção dos conhecimentos estudados, uma questão que não envolve o embasamento teórico, interpretação e apreciação da obra, nesse prisma, acaba sendo nula e sem nexo para o exercício de construção de conhecimentos dos alunos.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Sentimos que o exame e análise de um livro didático é muito significativo para a prática professoral e para avançar nas práticas pedagógicas, pelas quais, todo professor(a) em sua missão e atuação, reconhece e implementa. Dessa forma, podemos pensar como anda os conteúdos e métodos aplicados ao livro didático no presente momento na educação, qual a sua exploração para o professor, e qual o seu proveito e vantagem para a aprendizagem dos alunos, tendo como base elementar, a literatura.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

LIVRO DIDÁTICO, português: trilhas e tramas, v 2. Disponível em: <https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1021749087-portugus-trilhas-e-tramas-vol-2-graca-sette-do-professor-_JM> Acesso em: 01 de maio de 2019.

ROSA, C. P. RIBAS, L. C. BARAZZUTTI, M. 2012, p. 2. Análise de livros didáticos. Agosto., 2012. Disponível em: Acesso em: 01 de maio de 2019.

SILVINO, E. F. M. VERCEZE, R. M. A. N. o livro didático e suas implicações na prática do professor nas escolas públicas de guajará-mirim. Vitória da conquista, v. n. 4 p. 83-102, jan./jun., 2008.

SETTE, Graça. TRAVALHA, Márcia. RIBEIRO, Ivone. STARLING, Rozário. (2016). QUESTÃO 6 (Cesgranrio/1999). p. 165. Português: trilhas e tramas - Volume 2. São Paulo: LeYa.


Publicado por: Rodrigo Gabriel Vieira

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do site por meio do canal colaborativo Meu Artigo. O Brasil Escola não se responsabiliza pelo conteúdo do artigo publicado, que é de total responsabilidade do autor. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.