Whatsapp

O REINO DE PAURAVA: Pauravas e sua importância para a história e formação da Índia

História

Análise sobre os Pauravas e sua importância para a história e formação da Índia.

RESUMO

O reino de paurava foi um dos reinos mais importantes e, curiosamente, desconhecidos sobre a história da Índia. O rei mais famoso dos pauravas foi o rei Poros, que enfrentou o célebre Alexandre, o grande em batalha na grande batalha do rio hydaspes. E após a batalha Poros se rende ao rei da Macedônia e se torna um "rei cliente" do grande império de Alexandre. Mas a história do reino de paurava é muito mais antiga do que estes acontecimentos mais comumente lembrados, pois  sua marca na história da Índia foi de grande importância para a formação da Índia atual. O passado e futuro do reino de paurava são muito pouco esclarecidos até os dias atuais. Para muitos historiadores o reino de paurava foi o principal reino da historia da Índia.

INTRODUÇÃO

Localização

O antigo reino de Paurava foi um dos reino mais ativos na história da Índia, se encontrado geograficamente entre os rio Hydaspes e Acesenes, ( que hoje são os rio Jhelum e Chenab), dentro do atual estado indiano de Punjab no Paquistão. Os registros do reino de Paurava são datados a mais de 1500 a.C, quando o um dos seus reis, chamado rei Sudas, combateu na batalha dos dez reis, que de acordo com o Mahabharata, a luta entre antigos aliados, os Káuravas e os Pândavas, pelo trono de Hastinapura (região próxima da atual Nova Deli), foi travada em uma guerra em que um grande número de antigos reinos participaram como aliados dos clãs rivais. A batalha ocorreu em Kuru-kshetra (que significa campo dos Kuru), no atual estado de Haryana, ao norte da Índia.

Copie o link para  ver as imagens: http://imgur.com/gallery/GIPkMGb

IMPORTÂNCIA CULTURAL

Conforme podemos interpretar os pauravas possuem um ligação com  literatura, religião e histórias dos primordios do povo indiano. Curiosamente a importância do reino de paurava foi quase extinta do conhecimento publico, tanto no ocidente quanto no oriente. A história do dos pauravas se resume apenas ao enfrentamento a expansão dos gregos, sendo negligenciado as participações e mansões histórias, sejam literárias, politicas ou culturais. Além do badhava gita ,podemos encontrar referências aos pauravas em outros textos literários.

Os pauravas, ou comumente  encontrada nos textos "Puru", são encontrados no Bagavata Purana, ou Serimade Bagavata Maa Purana, Serimade Bagavatam ou simplesmente Bagavate. Este livro esta entre um dos dezoito principais textos purânicos. É uma das principais obras da literatura indiana, podendo nos mostras mais sobre a dinastia e antiquidade dos Pauravas na cultura indiana.

Trechos da Srimad-Bhagavatam

SB Canto 1

SB 1.12.15, Tradução: Os brāhmaṇas eruditos, que estavam muito satisfeitos com as caridades do Rei, dirigiram-se a ele como o chefe entre os Pūrus e informaram-lhe que seu filho certamente estava na linha de descendência dos Pūrus.

SB 1.12.24, Significado: Yayāti: O grande imperador do mundo e o antepassado original de todas as grandes nações do mundo que pertencem à linhagem Āryan e indo-europeia. Ele é filho de Mahārāja Nahuṣa e se tornou o imperador do mundo devido ao fato de seu irmão mais velho ter se tornado um grande e santo místico liberado. Ele governou o mundo por vários milhares de anos e realizou muitos sacrifícios e atividades piedosas registradas na história, embora sua juventude tenha sido muito luxuriosa e cheia de histórias românticas. Ele se apaixonou por Devayānī, a filha mais amada de Śukrācārya. Devayānī desejava se casar com ele, mas a princípio ele se recusou a aceitá-la por ser filha de um brāhmaṇa. De acordo com os śāstras, um brāhmaṇa pode se casar com a filha de um kṣatriya, mas um kṣatriya não pode se casar com a filha de um brāhmaṇa. Eles eram muito cautelosos com a população varṇa-saṅkara no mundo. Śukrācārya emendou esta lei de casamento proibido e induziu o imperador Yayāti a aceitar Devayānī. Devayānī tinha uma namorada chamada Śarmiṣṭhā, que também se apaixonou pelo imperador e foi com sua amiga Devayānī. Śukrācārya proibiu o imperador Yayāti de chamar Śarmiṣṭhā em seu quarto, mas Yayāti não podia seguir estritamente suas instruções. Ele também se casou secretamente com Śarmiṣṭhā e gerou filhos com ela. Quando Devayānī soube disso, ela foi até seu pai e apresentou uma queixa. Yayāti era muito apegado a Devayānī e quando foi à casa de seu sogro para chamá-la, Śukrācārya ficou zangado com ele e o amaldiçoou a se tornar impotente. Yayati implorou a seu sogro que retirasse sua maldição, mas o sábio pediu a Yayati que pedisse juventude a seus filhos e os deixasse envelhecer como condição para que ele se tornasse potente. Ele teve cinco filhos, dois de Devayānī e três de Śarmiṣṭhā. De seus cinco filhos, a saber (1) Yadu, (2) Turvasu, (3) Druhyu, (4) Anu e (5) Pūru, cinco dinastias famosas, a saber (1) a dinastia Yadu, (2) o Yavana (turco ) dinastia, (3) a dinastia Bhoja, (4) a dinastia Mleccha (grega) e (5) a dinastia Paurava, todas emanadas para se espalhar por todo o mundo. Ele alcançou os planetas celestiais por meio de seus atos piedosos, mas caiu de lá por causa de sua auto-propaganda e por criticar outras grandes almas.

SB Canto 3

O grande sábio Maitreya agradeceu a Vidura e o elogiou com referência às glórias de sua família. A dinastia Pūru estava cheia de devotos da Personalidade de Deus e, portanto, era gloriosa. Por não estarem apegados ao Brahman impessoal ou ao Paramātmā localizado, mas diretamente ligados a Bhagavān, a Personalidade de Deus, eles eram dignos de prestar serviço ao Senhor e Seus devotos puros. Como Vidura era um dos descendentes dessa família, naturalmente ele se envolveu em divulgar amplamente as sempre novas glórias do Senhor. Maitreya se sentiu feliz por ter uma companhia gloriosa como Vidura. Ele considerou a companhia de Vidura a mais desejável porque tal associação pode acelerar as propensões adormecidas de uma pessoa para o serviço devocional.

SB Canto 9

SB 9.20.1, Tradução: Śukadeva Gosvāmī disse: Ó Mahārāja Parīkṣit, descendente de Mahārāja Bharata, agora descreverei a dinastia de Pūru, na qual você nasceu, na qual muitos reis santos apareceram, e da qual muitas dinastias de brāhmaṇas começaram .

SB 9.20.2, Tradução: O Rei Janamejaya nasceu desta dinastia de Pūru. O filho de Janamejaya era Pracinvān, e seu filho era Pravīra. Depois disso, o filho de Pravīra foi Manusyu, e de Manusyu veio o filho chamado Cārupada.

- SB 9.20.12, Tradução: Ó mais bela, parece-me que você deve ser filha de uma kṣatriya. Por pertencer à dinastia Pūru, minha mente nunca se esforça para desfrutar de nada irreligiosamente.

SB 9.23 Resumo: O filho do segundo filho de Yayāti, Turvasu, era Vahni, cuja dinastia seminal incluía Bharga, Bhānumān, Tribhānu, Karandhama e Maruta. O sem filhos Maruta aceitou Duṣmanta, que pertencia à dinastia Pūru, como seu filho adotivo. Mahārāja Duṣmanta estava ansioso para ter seu reino de volta, então ele voltou para o Pūru-vaṁśa.

Dos quatro filhos de Yadu, Sahasrajit era o mais velho. O filho de Sahasrajit foi nomeado Śatajit. Ele teve três filhos, dos quais um era Haihaya. Os filhos e netos na dinastia de Haihaya eram Dharma, Netra, Kunti, Sohañji, Mahiṣmān, Bhadrasenaka, Dhanaka, Kṛtavīrya Arjuna, Jayadhvaja, Tālajaṅgha e Vītihotra.

O filho de Vītihotra era Madhu, cujo filho mais velho era Vṛṣṇi. Por causa de Yadu, Madhu e Vṛṣṇi, suas dinastias são conhecidas como Yādava, Mādhava e Vṛṣṇi. Outro filho de Yadu foi Kroṣṭā, e dele vieram Vṛjinavān, Svāhita, Viṣadgu, Citraratha, Śaśabindu, Pṛthuśravā, Dharma, Uśanā e Rucaka. Rucaka teve cinco filhos, um dos quais era conhecido como Jyāmagha. 

 Jyāmagha não tinha filhos, mas pela misericórdia dos semideuses sua esposa sem filhos deu à luz um filho chamado Vidarbha.

SB 9.23.17, Tradução: O filho de Bhānumān era Tribhānu, e seu filho era o magnânimo Karandhama. O filho de Karandhama era Maruta, que não tinha filhos e que, portanto, adotou um filho da dinastia Pūru (Mahārāja Duṣmanta) como seu.

SB 9.23.18-19, Tradução: Mahārāja Duṣmanta, desejando ocupar o trono, retornou à sua dinastia original (a dinastia Pūru), embora tivesse aceitado Maruta como seu pai. Ó Mahārāja Parīkṣit, deixe-me agora descrever a dinastia de Yadu, o filho mais velho de Mahārāja Yayāti. Essa descrição é supremamente piedosa e anula as reações das atividades pecaminosas na sociedade humana. Simplesmente por ouvir essa descrição, a pessoa fica livre de todas as reações pecaminosas.

SB Cantos 10.14 a 12 (apenas traduções)
SB 10.49.1-2, Tradução: Śukadeva Gosvāmī disse: Akrūra foi para Hastināpura, a cidade distinguida pela glória dos governantes Paurava. Lá ele viu Dhṛtarāṣṭra, Bhīṣma, Vidura e Kunti, junto com Bāhlika e seu filho Somadatta. Ele também viu Droṇācārya, Kṛpācārya, Karṇa, Duryodhana, Aśvatthāmā, os Pāṇḍavas e outros amigos íntimos.

SATRAPIA DE HINDUSH

Durante a expansão do império persa a satrapia de Hindush foi estabelecida por dario, o grande, que foi um dos reis persas com a melhor administração do império. A chegada dos persas na Índia foi um expansão inicialmente do rei Ciro, o grande, que como alexandre não conseguiu subjugar toda a Índia, conquistando um pouco menos que o próprio Alexandre, o grande. Se for feita uma análise temporal, isso desde a conquista de Alexandre e a conquista do império persa em 330 a.C, e a luta de Poros contra Alexandre em 326 a.C, pode-se concluir que os indianos, incluído o reino de paurava, haviam se livrado da conquista persa a pouco tempo, seguindo da resistência contra o domínio macedônio.

REI POROS

O rei Poros é o rei mais conhecido da dinastia dos Pauravas, muito conhecido por sua coragem ao enfrentar o lendário Alexandre, o grande quando este iniciava sconsuasquistas em solo indiano. Poros vem de uma linhagem de reis guerreiros, como pode-se perceber pela trajetória histórica do reino de Paurava em guerras e disputas politicas a centenas de anos. Poros, até onde se sabe, possuia dois metros de altura, isso segundo as medidas indianas. Mas, com o metro macedônio, a altura de Poros é de aproximadamente um metro e oitenta. Mesmo sendo um reino cliete dos persas a muito tempo os pauravas possuiam uma força bélica admirável, com espírito de combate os pauravs possuiam um exército formado de unidades que os gregos desconheciam parcialmente, com carroçarias, arqueiros a cavalo, e principalmente os elefantes de guerra.

Poucos dados são  atribuídos ao rei Poros, pelo menos os que comprovam a sua existência, ou que o Poros,  que é mencionado em diversos textos, é o mesmo Poros que enfrentou Alexandre, o grande em batalha. Gregos contemporâneos de Alexandre , no intuito de comprovar suas crenças religiosas e históricas, afirmaram que o herói da iliada teria passado pela Índia em uma de suas aventuras. Mas, o que chama mais a atenção é que os gregos afirmaram que Hércules, possivelmente durante os seus doze trabalhos também teria passado pela Índia, sendo homenageado nas bandeiras e outros estandartes indianos em batalha. Em especial as infantarias indianas carrevam símbolos dr Hércules lutando com uma clava, sendo assemelhado a  divindades indianas como krishna.

Muitos historiadores tentam expicar atraves de minuciosas pesquisas a ligação de Poros com povos extremamente antigos como os Shoorsainis e outros que participaram de certa forma para a formação da Índia. Além de historiadores indianos um pesquisador inglês, e ex-militar, chamado James Told constituiu uma linha de estudos a respeito da ligação entre os pauravas e outras dinastias da Índia, posteriormente ligando o rei Poros com grandes figuras históricas, tanto personalidades quantos divindades.

Em uma análise do site saini  de um artigo de James Told chamado Maharaja Porus onde diz o seguinte:

" O Sourasenoi de Megesthenes
Megasthenes, viajante grego antigo e embaixador da Índia, encontrou o clã Saini em seus dias de glória como a tribo governante com capital em Mathura.

Megastenes descreveu esta tribo como Sourasenoi e sua divindade patrona e ancestral como Hércules:

"..Este Herakles é homenageado em homenagem especial pelos Sourasenoi, uma tribo indígena, que possui duas grandes cidades, Methora e Cleisobora" Arrian, Indika, viii, Methora é Mathura; Growse (Mathura, 3ª ed. 279) sugere que Cleisbora é Krisnhapura, 'cidade de Krishna' ... "

-ANNALS AND ANTIQUITIES OF RAJASTHAN, James Tod, Vol. 1, pp 36, Oxford University Press, 1920

Neste artigo, fazemos uma afirmação bem corroborada de que Raja Porus era um Saini. Apoiamos essa afirmação com uma sólida teoria textual desenvolvida pelo Coronel James Tod e bem aceita na academia. O Dr. Pritam Saini, um eminente historiador e crítico literário de Punjab, pesquisador da Universidade de Punjabi, Patiala, um jornalista notável e membro de longa data de prestigiosos órgãos acadêmicos como a Conferência de História de Punjab e o Congresso de História da Índia, concluiu que Raja Porus era um Saini e estava na linhagem da dupla de guerreiros Maharaja Shoor Sen e Krishna-Balram Yadava.

Quem conhece as obras do Dr. Pritam Saini não precisa ser lembrado de que ele não tinha o hábito de ser rápido e solto com suas opiniões acadêmicas, especialmente para agradar a vaidade de qualquer grupo de interesse. Como tal, a conclusão do Dr. Pritam Saini de que Raja Porus era provavelmente um Saini carrega uma força que seria difícil de resistir para qualquer estudioso sério da história do Punjabi, mas aqui vamos abrir uma exceção, e para o resto deste artigo nós vão ignorá-lo completamente e o que ele disse sobre o assunto. 

" Uma pesquisa rápida na web revelaria uma competição feroz entre os grupos punjabi indianos e paquistaneses para provar de alguma forma qualquer tipo de vínculo de sua tribo com Porus. Tamanha é a força da lenda e glória de Porus como guerreiro que até mesmo grupos muçulmanos paquistaneses, que geralmente não estão muito interessados ​​em ligá-los ao seu passado hindu, ou seja, 'jahaliya' de acordo com a interpretação estrita do Islã, agora competem ansiosamente por qualquer tipo de conexão com este guerreiro kshatriya hindu por excelência, cuja bravura foi até mesmo celebrada por seus oponentes gregos e contada em todas as partes do mundo então conhecido. Muitas dessas alegações são baseadas em análises que são patentemente ridículas - baseadas puramente na semelhança do nome Porus com uma série de denominações tribais e de casta - e podem ser descartadas imediatamente. No entanto, existem outros grupos que têm alguma substância em fazer essa afirmação.

Não havia fontes textuais hindus conhecidas sobre Porus, indicando a tribo ou grupo étnico ao qual ele pertencia. Portanto, qualquer grupo que reivindique ancestralidade dele com base em registros familiares ou bárdicos ou contos folclóricos tribais está essencialmente narrando uma história apócrifa inventada apenas recentemente.Os índios o redescobriram vagamente por meio de 'Shahnameh' de Firdaus, e mais concretamente por meio das obras de escritores gregos antigos que se tornaram acessíveis aos índios apenas no século 19, na era colonial. Assim, a memória de Porus foi perdida para os indianos por bons 2.200 anos, até que os clássicos gregos traduzidos e trazidos para a Índia por estudiosos coloniais reacenderam sua mística guerreira na imaginação indiana.

Desde então, o tema da descendência linear de Porus aplicado aos grupos étnicos indianos modernos tem sido um tópico polêmico entre os grupos indianos e paquistaneses, assim como uma questão de genuína curiosidade acadêmica entre os estudiosos e aficionados da história indiana. Como tal, qualquer estudante de história em busca de uma teoria objetiva da história sobre esse assunto deve necessariamente peneirar meticulosamente as influências e os preconceitos de apresentação que vão muito além da academia. No tempo do Coronel Tod, Sesodiyas de Mewar reivindicou a linhagem de Porus, uma reivindicação que ele rejeitou com base em qualquer evidência textual que estava disponível para ele.

Essas reivindicações só se multiplicaram com o tempo. De um modo geral - e como já foi apontado - essas afirmações baseiam-se na suposta semelhança do nome 'Porus' com os nomes atuais desses grupos. Não se sente mais necessidade de corroborar a afirmação com algo mais substantivo ou, pelo menos, com uma teoria da história que pareça verossímil. Todos os outros fatos e teorias existentes que militam contra a afirmação ou não são citados ou são apenas explicados por meio de notas de rodapé difusas. Às vezes, mesmo historiadores importantes, como Buddha Prakash e Kosambi, parecem ter sido desencaminhados por essa pista falsa baseada na semelhança de nomes que podem ter sido puramente acidentais ou igualmente aplicáveis ​​a muitos outros grupos com reivindicações concorrentes. Suas motivações sobre esta questão permanecem obscuras, mas pode-se afirmar com segurança que eles não tentaram nada além de uma especulação passageira sobre o assunto, definitivamente não uma teoria formal com a profundidade de análise encontrada no trabalho de Tod.

Tod, ao que parece, estava totalmente ciente das armadilhas da historiografia da Índia - com seu entrelaçamento com as questões contemporâneas de identidade - mesmo em sua época e o verdadeiro segredo de seu estudo clássico da história de Rajput, embora limitado apenas ao atual Rajastão, sua mágica é porque ele foi capaz de filtrar uma série de influências estranhas que obscureciam toda a questão usando uma abordagem metodológica ainda considerada inexpugnável entre a comunidade de estudiosos. 

[1/4 15:58] André Pereira: Raja Porus como um antigo guerreiro Saini

O coronel James Tod concluiu que Porus era um rei Yadava ou Yaduvanshi e acrescentou que essa conclusão não se baseava em nenhuma semelhança superficial de nomes, mas em uma série de outros fatos disponíveis.
Vale a pena mencionar sua opinião a esse respeito:

"Para convencer o leitor de que não me baseio na semelhança nominal, quando as localidades não me sustentam, ele deve lembrar que em outro lugar atribuímos a Yadus do Punjab a honra de fornecer ao conhecido rei chamado Porus; embora o Puar, a pronúncia usual de Pramar, proporcionasse uma solução mais pronta. "

-Annals and Antiquities of Rajasthan, pp 283, por James Tod, Edição: 2, publicado por Asian Educational Services, 2001

Tod foi além para apontar especificamente Shoorsainis como a tribo Puru cujo rei se chamava Porus, o lendário adversário indiano de Alexandre, o Grande:

“Puru se tornou o patronímico deste ramo da raça lunar. Os historiadores deste Alexandre fizeram Poro. Os Suraseni de Methoras (descendentes do Soor Sen de Mathura) eram todos Purus, os Prasioi de Megastenes ... ”
- Annals and Antiquities of Rajast'han, James Tod, pp 36, publicado por Higginbotham e co., 1873.

Esta teoria de Tod goza de um consenso geral na comunidade acadêmica. O Dr. Ishwari Prasad, o Dr. Pritam Saini et al e uma série de outros estudiosos de história do Congresso de História da Índia apoiaram totalmente essa teoria ou indicaram fortemente uma ligação de seu exército com os Shoorsainis de Mathura, de onde Sainis, Bhatis, Meos, Brar e Siniswar Jats, etc. afirmam descendência."

Krishna ou Balaram como Hércules indianos e no estandarte da Infantaria de Porus

Mais de um estudioso opinou que o rei Porus pertencia à tribo Shoorsaini também com base no fato de que seus soldados de vanguarda carregavam a imagem de Balarama (Hércules segundo os gregos) em seus estandartes. Balarama, irmão mais velho de Krishna, era o ancestral e a divindade padroeira de Shoorsainis. O coronel Tod indicou que o indiano Hércules poderia se referir a Krishna ou a seu irmão, embora a imagem de Hércules com o bastão em tanga, conforme descrito pelos escritores gregos, corresponda mais à de Balaram:

"Como são inestimáveis ​​esses vestígios da antiga raça de Harikula! Como é revigorante para a mente ainda descobrir, entre as ruínas do Yamuna, Hércules (Baldeva, deus da força) retendo sua clava e pele de leão, de pé em seu pedestal em Baldeo, e ainda adorado por Suraseni! Este foi o nome dado a uma grande área do país ao redor de Mathura, ou melhor, ao redor de Surpura, a antiga capital fundada por Surasena, o avô das divindades irmãs indianas, Krishna e Baldeva, Apolo e Hércules. O título seria aplicam-se a qualquer um; embora Baldeva tenha os atributos de "deus da força". Ambos são es (senhores) da raça (kula) de Hari (Hari-kul-es), da qual os gregos podem ter feito o composto Hércules. nenhuma colônia depois da Grande Guerra migrou para o oeste? "

- Annals and Antiquities of Rajast'han, James Tod, pp 36, publicado por Higginbotham e co., 1873

Aqui, citar o comentário de Edwin Bryant não seria um contexto fora do contexto que identificou Hércules com Krishna:

"Segundo Arrian, Diodorus e Strabo, Megastenes descreveu uma tribo indígena chamada Sourasenoi, que adorava Hércules em suas terras, e essa terra tinha duas cidades, Methora e Kleisobora, e um rio navegável, os Jobares. Como era comum no período antigo, os gregos às vezes descreviam deuses estrangeiros em termos de suas próprias divindades, e há uma pequena dúvida de que os Sourasenoi se referem aos Shurasenas, um ramo da dinastia Yadu ao qual Krishna pertencia; Hércules de Krishna, ou Hari-Krishna : Mehtora para Mathura, onde Krishna nasceu; Kleisobora para Krishnapura, que significa a "cidade de Krishna"; e os Jobares para o Yamuna, o famoso rio na história de Krishna. Qunitus Curtius também menciona que quando Alexandre o Grande confrontou Porus, Os soldados de Porus carregavam uma imagem de Hércules em sua vanguarda. "

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

-Krishna: a sourcebook, pp 5, Edwin Francis Bryant, Oxford University Press US, 2007.

O Congresso de História da Índia chegou ao mesmo consenso (ver Proceedings, pp 72, Congresso de História da Índia, publicado em 1957).

Shoorsainis como Prasioi de Megesthenes
Uma nota deve ser feita sobre o fato de que quando o Coronel Tod se refere aos descendentes de Maharaja Shoorsen como 'Purus', ele não implica que eles sejam descendentes de Puru, o irmão mais novo de Yadu, de onde descendem os Shoorsainis.

Em vez disso, ele associa a etimologia da palavra 'Porus' a 'Prasioi'. Sua declaração sobre Porus ser um descendente de Maharaja Shoorsen, precisa ser examinada de perto da seguinte maneira:

“Puru se tornou o patronímico deste ramo da raça lunar. Os historiadores deste Alexandre fizeram Poro. Os Suraseni de Methoras (descendentes do Soor Sen de Mathura) eram todos Purus, os Prasioi de Megastenes ... ”

" A associação da palavra 'Porus' com o purânico 'Puru', que foi o fundador de uma linhagem de warrirors intimamente relacionada com Shoorsainis ou Yadavas, parece muito natural e tentadora, mas é totalmente falha. Ele enganou até mesmo historiadores ilustres como Buddha Prakash e Kosambi et al, que negligenciaram o verdadeiro significado da palavra 'Prasioi' e deduziram que significava 'Paurava' como descendente de 'Puru'."

Prasioi não significa 'descendente de Puru'

Há um problema óbvio com essa interpretação de 'Prasioi', já que a linhagem de Puru não era conhecida por seu nome mesmo na era de Mahabharata, nem qualquer nome antigo de Punjab ou área ao redor era conhecido depois dele. Na linha de Puru nasceu outro rei ilustre chamado Kuru. A área ao redor de Punjab era conhecida como 'Kuru' em homenagem a este grande descendente de Puru. É do mesmo Kuru que ambos Kurukshetra e Kauravas de Mahabharata derivaram seus nomes. Na mesma linhagem nasceu outro conquistador chamado Pandu, de onde surgiu o lendário clã guerreiro dos Pandavas, cujos descendentes daí em diante continuaram a linhagem de Puru em nome de Pandu. O ponto discutível é que o nome 'Puru' ou 'Paurava' há muito deixou de ser o patronímico dos descendentes de Puru, mesmo no período Mahabharata, centenas de anos antes da invasão de Alexandre.

Prasioi significa 'Prachaya' ou o 'morador do Oriente'

"A palavra sânscrita Prachyas (plur. De Prachaya," oriental ") denotava os habitantes do país oriental, isto é, o país que ficava a leste do rio Sarasvati, agora Sursooty, que flui na direção sudoeste de as montanhas que delimitam a parte nordeste da província de Delhi até que ela se perca no grande deserto. ... Elas são chamadas por Estrabão, Arriano e Plínio de 'Prasioi' "

-A Invasão da Índia por Alexandre, o Grande, conforme descrito por Arrian, Q. Curtius, Diodorus, Plutarco e Justin por J. W. McCrindle

O coronel Tod e outros indologistas, em vez disso, traduziram a palavra grega Parsioi como a versão grega do sânscrito 'Prachaya', que significa literalmente o 'oriental', embora alguma tensão seja palpável mesmo na narrativa de Tod em sua tentativa de resolver 'Prasioi' tanto com 'Puru 'e' Prachaya ', mas o último significado da palavra é o que leva a sua conclusão de que o Porus era um Shoorsaini. Quando ele diz que Puru se tornou o patronímico dos descendentes de Maharaja Shoorsen, ele assume que é derivado de 'Prachayas' ou 'orientais', não como derivado de Puru, o irmão de Yadu.

Chandragupta Maurya referido como Parsioi pelo mesmo motivo Também é digno de nota que Greekologists e Indologists também vinculam Chandragupta Maurya com Prasioi, que governou de Magadha, Bihar moderno. Isso também não fortalece a visão de que Prasioi poderia significar o 'descendente de Puru', já que Chandragupta claramente não era dessa linha.

Significado de Porus como Rei dos Orientais, ou Prachayas, os migrantes do Leste para Punjab e Afeganistão A interpretação de 'Prasioi' como 'Prachaya', que é uma interpretação que nenhum historiador de renome é capaz de ignorar, também combina perfeitamente com as narrativas de descendentes de Shoorsen que migraram para o oeste para Punjab e Afeganistão após a guerra de Mahabharata e o fato de que Porus ' exército carregava uma efígie de Balarama ou Krishna, as divindades tradicionais de Shoorsainis que se originaram de Mathura. Um migrante dos estados do leste é chamado de "Poorvi" até hoje em Punjab.

Para recapitular todos os pontos discutidos até agora, não surpreendeu o Cel. Tod e outros historiadores renomados que adotaram sua análise para observar que:

1) Alguns dos descendentes de Shoorsen, ou seja, Shoorsainis mudaram-se para Punjab após a guerra do Mahabharata;

2) Os Shoorsainis eram chamados de 'Prasioi' ou 'Prachaya', ou 'orientais' porque haviam migrado para Punjab de Mathura, que fica no leste de Punjab;

3) A etimologia de 'Porus' é derivada de 'Prasioi' ou 'Pracahaya', ou 'oriental', não de 'Paurava', ou o descendente de Puru.

4) Os soldados da linha de frente de Porus carregavam uma efígie de Balarama ou Krishna, ou seja, os Hércules indianos, que eram ancestrais e divindades patronos de Shoorsainis;

5) Megesthenes havia notado claramente que Hércules era tido em consideração especial por 'Sourasenoi' ou Shoorsainis de Mathura quando ele visitou o local por volta de 300 aC como o embaixador de Seleukos Nikator.

Todos os fatos acima se alinham perfeitamente para apoiar a conclusão de que Porus era um Yadava, ou Shoorsaini, o descendente de Maharaja Shoorsen de Mathura. Quando Col Tod faz a observação de que Porus era um Shoorsaini, ele passa por um árduo processo de sintetizar referências épicas, etimologias locais, lendas tradicionais e questões situacionais com os relatos deixados pelos observadores gregos.

Período de tempo do emissário de Megesthenes

Uma dúvida pode ser levantada aqui que Megesthenes observa apenas áreas ao redor de Mathura sob o controle de Shoorsainis quando ele viajou por Mathura e a batalha entre Alexandre e Porus supostamente ocorreu nas margens de Jhelum, longe de Mathura. Este problema tem uma explicação fácil no fato de que Megesthenes viajou por Mathura por volta de 300 aC, mas a batalha de Jhelum foi travada em 326 aC. Os registros gregos indicam que Porus foi assassinado por volta de 320 aC e seu reino em Punjab ficou nas mãos de Chandragupta Maurya, com os 'Sourasenoi' ou Shoorsainis sendo relegados mais uma vez para Mathura, sua tradicional capital teopolítica.

“Puru se tornou o patronímico deste ramo da raça lunar. Os historiadores deste Alexandre fizeram Poro. Os Suraseni de Methoras (descendentes do Soor Sen de Mathura) eram todos Purus, os Prasioi de Megastenes ... ”

Annals and Antiquities of Rajast'han, James Tod, pp 36, publicado por Higginbotham e co., 1873."

Copie o link para ver a imagem: http://imgur.com/gallery/QVKosJk

CAMPANHA DE ALEXANDRE NA ÍNDIA

BATALHA DO RIO HYDASPES

Em 326 A.C o rio Jhelum (antigamente conhecido como Hydaspes) foi palco de uma das batalhas mais importantes da vida do grande conquistador Alexandre, o grande. Na batalha do rio Hydaspes Alexandre enfrentou o exercito do rei Porus, rei do reino de Paurava. Alexandre liderava uma força de 47 mil homens contra 54.200 de Porus. Alexandre, após dias e dias de incursões, havia subjulgado diversas tribos em combates ferozes, recebendo a rendição de alguns reis, como o rei de Taxila e outros.

Após Alexandre cruzar o rio Indo e receber a rendição do rei de Taxila deparou-se com circunstancias difíceis quando soube que o rei de Paurava, Poros, não se submeteria ao jugo de Alexandre. E, para dificultaros seus planos, um rio esta entre os gregos e indianos: O rio hydaspes (atual Jhelum). Alexandre acampou nas margens do rio Hydaspes, e Poros fez o mesmo com seu exercito. Durante a madrugada Alexandre cruzou o rio Hydaspes com algumas unidades, deixando um certo numero de homens sob o comando do general Crátero nas margens do rio, utilizando uma tática chamada força de aprisionamento. Durante a madrugada Alexandre cruzou o rio Hydaspes com seus homens. Quando Alexandre atravessou o rio percebeu que não havia cruzado por completo pois alcançara apenas uma pequena ilha, que pensou ser a margem do rio Hydaspes, e então os gregos entraram na agua novamente. Poros, até então, não havia dado nenhuma ordem para seus homens, pois pensava que o exercito que se encontrava no outro lado do rio era todo o exercito de Alexandre (e era isso mesmo o que Alexandre queria que ele pensasse).

Quando estava perto de amanhecer Poros ouviu rumores de que Alexandre havia cruzado o rio com seus homens, sendo assim, enviou uma pequena força de dois mil homens sob o comando de seu filho, também chamado Poros. E no breve combate que se seguiu nas primeiras horas da manha os macedônios derrotaram a pequena força indiana, matando o príncipe Poros na luta. Sabendo da derrota as margens do rio, Poros mobilizou os seus homens para a batalha.

Pela primeira vez os gregos enfrentaram um exercito inimigo com elefantes em suas linhas de combate. Alexandre, comandando a cavalaria, se manteve no flanco direito dos macedônios, tendo a sua direita o rio Hydaspes, atacando o flanco esquerdo dos indianos. O inicio do combate se deu com o ataque dos arqueiros da Cítia que lutavam por Alexandre; em seguida Alexandre atacou o flanco esquerdo dos indianos, evitando chegar perto dos elefantes, pois o cheiro dos elefantes incomodavam os cavalos. As falanges de sarissas avançaram no centro, que por sua vez eram atacados pelos elefantes, que conseguiram penetrar em alguns pontos das formações macedônicas. O rei Poros viu que o seu flanco esquerdo estava enfraquecendo, então retirou unidades de cavalaria da direita e mandou que retornassem por traz e atacassem a cavalaria de Alexandre que estava no flanco esquerdo. Logo após as movimentações de Poros, Coemos, que estava no comando das unidades de cavalaria restantes, posicionadas perto das margens do rio atacou o flanco esquerdo de Poros, passando por traz do exercito indiano, cercando o flanco esquerdo de Poros pela retaguarda. Durante a batalha alguns condutores de elefantes foram mortos no centro, fazendo com que os elefantes se voltassem contra a própria infantaria indiana. Muitos indianos começaram a fugir do campo de batalha, sendo abatidos pelas unidades do general Crátero que acabara de cruzar o rio hydaspes para atacar a retaguarda de Poros. Mesmo com a batalha perdida o rei Poros negou-se a se render, lutando bravamente até ser capturado, o restante do exercito indiano se renderam aos macedônios. Poros perdeu cerca de doze mil homens, enquanto Alexandre perdeu aproximadamente mil homens.

Poros e Alexandre se encontraram para uma reunião após a batalha; e como Alexandre foi o primeiro a falar perguntou como Poros gostaria de ser tratado e Poros respondeu:

" Trate-me como um rei iria tratar um outro rei.” Assim, Alexandre permitiu que Poros se tornasse seu sátrapa, transformando o reino de Paurava em um reino cliente do Império de Alexandre.

“Tendo Poro sido aprisionado, Alexandre perguntou-lhe como o haveria de tratar. Poro responde que o tratasse de maneira real. Alexandre então insistiu, se ele queria dizer alguma coisa e ele retorquiu que tudo estava compendiado naquela palavra, real. Por isso, Alexandre não somente deixou-lhe as províncias de que antes já ele era rei, para dali por diante governá-las como sátrapa, mas também acrescentou-lhe ainda muitos outros territórios.” (Plutarco, Vidas Paralelas – Alexandre e Júlio César, CIV).

Copieo o link para ver a imagem: http://imgur.com/gallery/5AuMtvN

Eudemos teria envenenado Poros para obter mais poder na região, podendo assim apoiar Eumenes de Cárdia na guerra contra um antigo general de Alexandre, chamado Antigono fornecendo um exército de 500 cavaleiros, 300 infantarias e 120 elefantes de guerra. Quanto aos macedônios, porém, sua luta com Poro embotou sua coragem e impediu seu avanço na Índia. Por terem feito tudo o que podiam para repelir um inimigo que reunia apenas vinte mil infantaria e dois mil cavalos, eles se opuseram violentamente a Alexandre quando ele insistiu em cruzar também o rio Hidaspes, cuja largura, como eles souberam, era de trinta e dois estádios, sua profundidade era de cem braças, enquanto suas margens do outro lado estavam cobertas por multidões de homens de armas, cavaleiros e elefantes. Pois eles foram informados de que os reis dos Ganderitas e Praesii os esperavam com oitenta mil cavaleiros, duzentos mil homens de infantaria, oito mil carruagens e seis mil elefantes guerreiros.
 -Plutarco, Vidas Paralelas p. 62 ( batalha de hydaspes).

APOIO A CHANDRAGUPTA MÁURIA E A ASCENSÃO DO IMPÉRIO MÁURIA

Chandragupta ascendeu ao trono de um pequeno reino no nodeste do subcontinente da Índia. Logo de início Chandragupta inciou uma revolta contra o Império Nanda. A revolta iniciada por Chandragupta não saiu como o esperado e a revolta contra o império Nanda falhou. Quando Alexandre estava no em sua campanha no noroeste da Índia Chandragupra recorreu e pediu ajuda aos macedônios. A ajuda de Alexandre para Chandragupta, provavelmente, foi intermediada pelo reino de Paurava, ainda sob o comando de Poros. Quando Chandragupta retomou a sua guerra, provavelmente com apoio dos gregos, pois o império Nanda também  poderia fazer frente a Alexandre em território indiano, acabou por derrotar o rei do Império Nanda, matando-o e assumindo controle de praticamente todo o norte da Índia. Assim, Chandragupta se torna o primeiro imperador do império máuria, atraves de um apoio dos gregos, que foi intermediado pelo reino de Paurava. 

Quando os "sucessores" de Alexandre entraram em guerra por poder prestigio e terras Seleucus l Nicator, antigo general de Alexandre, foi o que mais se apoderou de territórios no oriente, abrangendo da Frígia até além dl rio Indo, incluindo Punjab. Podemos ter uma compreensão com as palavras do escritor romano Apiano:

" sempre à espreita das nações vizinhas, forte em armas e persuasivo no conselho, ele adquiriu a Mesopotâmia, Armênia, Capadócia 'Selêucida', Pérsia, Pártia, Bactria, Arábia, Tapouria, Sogdia, Arachosia, Hircânia e outros povos adjacentes que tiveram foi subjugado por Alexandre, até o rio Indo, de modo que as fronteiras de seu império eram as mais extensas na Ásia depois da de Alexandre. Toda a região da Frígia ao Indo estava sujeita a Seleuco."

- Appian, History of Rome, The Syrian Wars 55

Os sátrapas foram nomeados para governar o Vale do Indo. Os Máurians anexaram as áreas governadas por quatro desses sátrapas: Nicanor, Phillip, Eudemus e Peithon. Isso estabeleceu o controle Máurian sobre as margens do Indo. As vitórias de Chandragupta fizeram que Seleuco pensasse que ele precisava assegurar seu flanco oriental. Buscando manter os territórios conquistados por Alexandre  lá, Seleuco entrou em guerra  com o Império Maurya,  que estava se expandindo após a queda do império Nanda  sobre o Vale do Indo. 

O conflito foi descrito brevemente pelo historiador  Appian: 

" Seleuco cruzou o Indo e travou guerra com Sandrocottus [Maurya], rei dos índios, que morava nas margens daquele riacho, até que se entendessem e se casassem. Algumas dessas façanhas foram realizadas antes da morte de Antígono e algumas depois."

- Appian, History of Rome, The Syrian Wars 55

O historiador militar John D. Grainger estimou que Seleuco, ao cruzar o Indo, "se encontraria em uma armadilha, com um grande rio às suas costas e um continente hostil à sua frente" e, posteriormente, não seria possível ter avançado muito mais longe do que o Indo. Segundo Grainger, as minucias do conflito não são claros, mas o resultado claramente deve ter sido "uma vitória indiana decisiva", com Chandragupta empurrão  as forças de Seleuco até o Hindu Kush e, conseqüentemente, ganhando grandes territórios no Afeganistão moderno.

Assim, Seleucus Nicator cedeu o Hindu Kush, Punjab e partes do Afeganistão para Chandragupta Maurya. Em conseqüência de seu arranjo, Seleuco recebeu 500 elefantes de guerra de Chandragupta Maurya, que posteriormente influenciou as Guerras de Diadochi no oeste. Seleucus e Chandragupta também concordaram em uma aliança de casamento, provavelmente o casamento da filha de Seleucus com Chandragupta.

Copie o link para ver as imagens: http://imgur.com/gallery/vzFhpyc

SIMPLIFICANDO OS FATOS

Analisando temporalmente os fatos históricos decorrentes as conquistas de Alexandre, o grande podemos enteder como a historia se segiu. Alexandre viu que não seria fácil a conquista da Índia, isso após a batalha do rio hydaspes, então, ainda no noroeste da Índia, concedeu apoio á Chandragupta, rei de  um pequeno reino a leste da Índia, que se revoltou contra o império Nanda, potência indiana da época e capaz de fazer frente a Alexandre. Com o apoio que dos homens de Alexandre que estavam estacionados em Punjab, com intermedio de Poros, novo satrapa de Alexandre, impossibilitou que Chandragupta derrotasse o rei Nanda e assumesse o controle do centro e partes do norte da Índia. Após a morte de Alexandre diversos regentes assumem o controle dos territórios além do indo, incluindo o reino de Paurava. Poros acaba sendo envenenado pelos sucessores de Perdicas na guerra entre os antigos generais de Alexandre. Um dos "sucessores" mais notáveis de Alexandre foi Seleucus Nicator, que assumiu a maior parte do antigo império de Alexandre, se estendendo da Frígia até além do indo. Durante a guerra contra Antigono Seleucus sentiu que seu flanco oriental estava ameaçado pela expansão de Chandragupta. Assim, Seleucus declara guerra à chandragupta, iniciando a Guerra Seleucida- Máuria, que culminou na derrota de Seleucus e da expulsão dos gregos em território indiano. Após o fim desse conflito e um tratado de paz e casamento são realizados, no entanto o melhor acordo foi a concessão por parte de Seleucus dos territorios além do indo para Chandragupta, que incluía o reino de Paurava juntamente com todo o estado de Punjab. Em troca desses acordos Chandragupta concede um apoio à Seleucus, dando-lhe elefantes de guerra para ajuda-lo na guerra contra Antigono.

RESSIGNIFICAÇÃO SOBRE O ARTIGO DA WIKIPÉDIA

Eu, autor deste artigo sobre o reino de Paurava, também sou autor de outro artigo deste mesmo reino: O artigo da Wikipédia denominado Pauravas. Após dias de pesquisa e dedicação consegui juntar material para dicorrer 
Sobre o reino de Paurava e sua história. Para estes textos serem organizados e publicados eu utilizei as informações das seguintes fontes: Saoni online e os debates dp estudo de James Told.

Quando os textos foram transferidos para a página, e publicados, e devido a diagramação que não fui capaz de realizar nos devidos conformes, os administradores da Wikipédia apagaram o meu trabalho por completo. Após apagarem eles traduziram e anexaram uma página americana, também chamada Pauravas e a colocaram no lugar da minha, sendo anexada á categoria territórios da Índia. Seguidamente eu inseri meus textos entre os parágrafos do artigo americano e acabei corrigindo os dados históricos que estavam terriveis. Vale ressaltar que a página americana, que foi colocada no lugar da original estava com trechos dos mesmos artigos e fontes que EU utilizei em minha PESQUISA, e que não  foi eticamente mencionada nas referências no final do artigo. Portanto, a página da Wikipédia sobre on reino de Paurava foi estabelecida com má fé e faz uso indevido do trabalho de outras pessoas que não receberam o credito algum por seus esforços, sem dizer que não cobrem todo o conteúdo sobre o reino de Paurava, com trechos de textos de outros autores  sem seguir com as normas da ABNT de citações e mensões.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Pode-se concluir que a participação do reino de Paurava na história da Índia é muito difícil de passar despercebida. O reino de Paurava foi um dos reino mais antigos, influentes e importantes durante um período em que a Índia não era una nação unificada, participandode conflitos politicamente importantes paraba construção da história da Índia. Durante a expansão do império de Alexandre, o grande p rei Poros, dos Pauravas, foi o unico rei que fez frente aos gregos desenrolando uma das batalhas mais memoraveis do mundo antigo: a batalha do rio hydaspes, que marcaria para sempre a historia do rio Jhelum, e que é lembrada com muito orgulho pelo povo indiano. As participações histórias dos Pauravas podem ser encontradas nas literaturas religiosas indianas como na Srimad-Bhagavatam e no Bhagavad Gita. O apoio dado por Alexandre á Chandragupta Máuria foi possível graças ao intermedio do reino de Paurava, possibilitando que Chandragupta derrotasse o Império Máuria, e posteriormente expulsou os gregos comandados por Seleucus l Nicator da Índia, retomando o controle do estado de Punjab e dos Pauravas sob domínio indiano. Após isso Chandragupta se tronou o primeiro imperador da Índia.

Copie o link para ver a imagem: http://imgur.com/gallery/4K2CCYI

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • Srimad-Bhagavatam.
  •  Bhadavad Gita. 
  •  www.saioni.com
  •  Plutarco, vidas paralelas, alexandre e César.
  •  Annals and Antiquities of Rajasthan, por James Told, 2° Edição pela editora Asian Educational Services, 2001.
  • Maharaja Poros de James Told.
  •  Dados do congresso de história da Índia de 1957.
  •  Appian, history of Rome, the Syrian wars.

Krishna: a sourcebook, pp 5, Edwin Francis Bryant, Oxford University Press US, 2007.

Publicado por: André Pereira da Silva.


Publicado por: André Pereira da silva

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do site por meio do canal colaborativo Meu Artigo. O Brasil Escola não se responsabiliza pelo conteúdo do artigo publicado, que é de total responsabilidade do autor. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.