Topo
pesquisar

PROBLEMAS URBANOS: A POLUIÇÃO DO AR

Geografia

Analise sobre alguns dos problemas urbanos presentes no dia-a-dia das pessoas: poluição do ar e lixo.

Os problemas urbanos estão presentes no dia-a-dia das pessoas. Dentre vários problemas que existem e afetam o meio urbano temos a poluição do ar. Esse é um problema muito sério que afeta nós humanos e a natureza em si.

De acordo com CAVALCANTI (2010), a partir da descoberta do fogo, o homem pré-histórico começou a contribuir de forma atuante, embora não consciente inicialmente, para a deterioração da qualidade do ar. Em Roma, há 2 mil anos, surgiram as primeiras reclamações sobre a qualidade do ar. No final do século XIII, foram assinadas as primeiras leis preocupadas com a qualidade de ar na Inglaterra.

Entende-se como poluição do ar, a mudança em sua composição ou em suas propriedades, decorrentes das emissões de poluentes, tornando-o impróprio, nocivo ou inconveniente à saúde, ao bem-estar público, à vida animal e vegetal, e até mesmo, ao estado de conservação de determinados materiais. Diversos agentes podem ser percebidos como contaminantes atmosféricos. Alguns exemplos de agentes de origem natural são as brumas marinhas (bactérias e microcristais de cloreto e brometos alcalinos), produtos vegetais (grãos de pólen, hidrocarbonetos e alérgenos), produtos de erupções vulcânicas (enxofre, óxidos de enxofre, vários tipos de partículas, ácido sulfúrico, dentre outros) e poeiras extraterrestres (material pulverizado de meteoritos que chegam à atmosfera); enquanto que os de origem artificial podem ser representados pelos radionúcleos, derivados plúmbicos e os derivados halogenados de hidrocarbonetos (COELHO, 1977, p. 156-157).

A poluição do ar sempre esteve presente no nosso planeta por motivos naturais, mas sua intensificação se deu a partir do inicio da revolução industrial, devido à queima de carvão mineral. Toneladas de poluentes iam para atmosfera, prejudicando o ar e as pessoas que estavam nas cidades.

AYOADE (1998, p. 309) alerta que a poluição do ar afeta o clima das áreas urbanas de diversas formas. O próprio balanço energético das cidades sofre interferência, pois os poluentes refletem, dispersam e absorvem radiação solar. Muitos poluentes também servem de núcleos de condensação, sendo, portanto, abundantes no ar das cidades, cuja umidade já é substancialmente abastecida através da evaporação, processos industriais e dos automóveis, que emitem grandes quantidades de vapor d’água. Consequentemente, a tendência da precipitação é aumentar sobre áreas urbanas. Contudo, os efeitos mais alarmantes da poluição atmosférica ocorrem na saúde da população urbana.

MOTA (2003) define como poluição do ar como a presença, na atmosfera, de substâncias que causem prejuízos ao homem, aos animais, aos vegetais e à vida microbiológica; provoquem danos aos materiais; interfiram no gozo da vida e no uso da propriedade.

É através desse contexto sobre poluição do ar, sobre suas várias formas de atingir o meio em que vivemos que veremos como a poluição do ar está presente no mundo, no Brasil e numa área mais localizada (cidade de Imbituba).

VISÃO GERAL DOS PROBLEMAS URBANOS

O planeta como está em grandes transformações, seja ele natural ou artificial, mas ele acaba mudando diariamente. Com o aumento das populações e a tecnologia, tende a aparecer problemas urbanos. Esses problemas urbanos podem ser com relação ao trânsito (engarrafamento), justamente pelo aumento de fluxo de veículos nas cidades, muitas vezes por não ter um transporte público de qualidade. A poluição do ar, que não é um problema contemporâneo, e sim desde o inicio da formação do nosso planeta, mas que é agravado hoje com as emissões de gases poluentes na atmosfera, pelas indústrias, queimadas, etc.

O lixo, que por ventura se não for descartado de forma correta, no meio urbano ele só tende a trazer prejuízos como: entupimento da rede de esgoto, e isso envolve a saúde pública das pessoas. As moradias irregulares, seja ela no sentido de estar num local geograficamente errado, podendo ocorrer o pior com essas pessoas, devido aos agentes naturais, ou por invasão mesmo. O tráfico de drogas, criminalidade, menor abandonado e mendicância, são outros problemas que presente no meio urbano, que muitas vezes por falta de políticas públicas tende aumentar e piorar. Esses são alguns, de vários problemas urbanos presentes na sociedade.

O AR POLUÍDO EM TODAS AS PARTES

Como já mencionei no inicio do trabalho, o nosso planeta desde a sua gênese o ar já era poluído. Mas por agentes naturais. O que acontece hoje é que tanto o meio natural polui (seja por uma erupção vulcânica, etc.), como as fábricas, indústrias agravam mais este problema. O problema está no fato de que se expandiu muito a emissão de CO2 na atmosfera desde o início da Revolução Industrial. As fábricas e as indústrias usavam e ainda usam carvão mineral e, depois, o petróleo para gerar energia. Com o avanço das tecnologias, o petróleo passou a ser usado também como matéria prima e fonte de combustíveis para muitos sistemas de transporte.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que dois milhões de pessoas sejam vítimas fatais de doenças causadas pela poluição do ar a cada ano. Atualmente, os países africanos e asiáticos são considerados os mais poluídos. A América Latina está numa posição intermediária, e há pelo menos oito países em condições mais graves que o Brasil. A Bolívia comanda o ranking regional das piores qualidades do ar. São diversos os casos relatados de doenças e mortes causadas pela presença, no ar, de substâncias prejudiciais, resultantes, sobretudo, da atividade antrópica (CAVALCANTI, 2010, passim).

Apesar de a emissão de poluentes não ser igual em todos os países e de os mais industrializados serem o maiores responsáveis por esse processo, hoje é possível dizer que se trata de um problema global. Grandes quantidades e poluição produzidas em um lugar podem atingir outras localidades do planeta em função das massas de ar na atmosfera, ou seja, os ventos que circulam na atmosfera eles acabam jogando para um lado e para o outro os lixos ou rejeitos.

“A poluição atmosférica matou cerca de sete milhões de pessoas em 2012, afirma a Organização Mundial da Saúde. Só na china, 4 mil indivíduos morrem diariamente por esse motivo, aponta um estudo americano.” (FRANCO, 2015, p. 20).

Há vários países que emitem gases poluidores no nosso planeta. Ou melhor, boa parte dos países de alguma forma ou outra poluem, mas só que alguns mais e outros menos. Abaixo segue uma lista dos 10 países que emitem mais CO2 na atmosfera (SITEDECURIOSIDADES.COM, 2016):

1º Estados Unidos

2º China

3º Rússia

4º Japão

5º Índia

6º Alemanha

7º Reino Unido

8º Canadá

9º Coréia do Sul

10º Itália

Em primeiro lugar temos os Estados Unidos, um dos maiores poluidores.  “Todos os anos, pelo menos 200 mil americanos morrem de problemas decorrentes da poluição nos Estados Unidos.” Os dados são de uma pesquisa do laboratório de aviação e Meio Ambiente do MIT, o Massachusetts Institute of Technology.

Nos Estados Unidos as maiores emissões de gases poluentes na atmosfera são devido aos automóveis. Na China além da poluição dos automóveis, tem um agente poderoso poluidor, que é o carvão mineral, ou seja, o uso dele como combustível. A população das cidades acaba sofrendo com toda essa poluição. É comum ver na China pessoas usando máscaras para diminuir um pouco os efeitos, pois a qualidade do ar é ruim. As pessoas ao chegarem do trabalho elas costumam ligar o purificador de ar.

A Índia, um país localizado na Ásia, tem seus problemas de poluição de ar. A capital Nova Délhi é oficialmente a cidade mais poluída do mundo, segundo a OMS. As cidades mais poluídas estão lá. “Em um estudo divulgado no ano passado (2014), pela Organização Mundial da Saúde, com dados de 1.600 cidades, a Índia lidera com folga o ranking, com seis inserções entre as dez mais poluídas.” Em 1º lugar está Nova Délhi, 2º Patna, 3º Gwalior, 4º Raipur, 5º Karachi (Paquistão), 6º Peshawar (Paquistão), 7º Rawalpindi (Paquistão),  8º Khoramabad (Irã), 9º Ahmedabad, 10º Lucknow.

Na América Latina muitas pessoas sofrem com os altos níveis de contaminantes atmosféricos que passam do nível do que é recomendado. WEHRMAN (1996, p. 58-59) resume as causas da poluição atmosférica nas cidades latino-americanas em três grupos:

 - Concentração do tráfego de veículos num espaço cada vez mais limitado, devido à intensa atividade econômica da população urbana e à ausência de um planejamento eficiente das cidades;

- O alto consumo de gasolina e a ausência de equipamentos para reduzir as emissões que caracterizam os países mais pobres;

- A ocupação de áreas de produção industrial ou trechos próximos das vias intensas de circulação para residências ou local de trabalho, expondo grande parcela da população, diariamente, à emissão de poluentes liberados por veículos automotores ou industriais.

Com um ar cada vez mais poluído temos um ecossistema mais doente. O ser humano ele encontrou meios de se beneficiar com essas energias que são não renováveis, mas o preço que o meio natural sofre com isso são muito maiores. Vemos cada vez menos árvores, ou porque elas foram queimadas ou por que os humanos a derrubaram. Ao serem queimadas elas tendem a poluir o ar também.

BRASIL: RESPIRAMOS UM AR CADA VEZ MAIS POLUÍDO

O Brasil faz parte dos poluidores atmosféricos. Diferente da Revolução Industrial que ocorreu na Europa, aqui houve também um processo de industrialização, pode se dizer industrialização tardia. A poluição atmosférica ela é muito comum nas áreas industrializadas, como na região sudeste do Brasil. Na região sudeste houve um alto processo de urbanização que trouxe o crescimento populacional e tecnológico, como indústrias e fábricas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Segundo dados mais recentes (2014) pela OMS, a capital paulista ficou atrás de Rio de Janeiro, Belo Horizonte e até de Limeira, no interior paulista, na lista de cidades com pior ar do país. Isso se deve porque a metrópole (São Paulo) mudou seu sistema de fábrica pelo comercial. O que se percebe é que as indústrias que mais poluem elas perdem locais por áreas comercias que não poluem.

A indústria acaba não sendo mais o foco de poluidora, mas o problema agora são os automóveis em São Paulo. A quantidade de veículos é alta. Como em outras partes do mundo, a saúde da população só piora.

Segundo Braga et al. (2005), a poluição do ar tem sido, desde a primeira metade do século XX, um grave problema nos centros urbanos industrializados, com a presença cada vez maior dos automóveis, que vieram a somar-se às indústrias, como fontes poluidoras.

Os problemas que podem vir a ocorrer com as pessoas e com o meio ambiente são muito prejudiciais. As pessoas elas podem ter irritação nos olhos, garganta e nariz, dificuldade pra respirar, tosse, etc.

A POLUIÇÃO DO AR AFETA CIDADES EM CRESCIMENTO: IMBITUBA

Imbituba é uma cidade localizada no litoral sul de Santa Catarina. Há cidade tem como progresso a área portuária, onde recebe vários navios todos os anos. Como qualquer cidade onde há um crescimento, tende a aumentar o fluxo tanto de pessoas como de veículos automotores. Mas a cidade teve indústrias. Uma delas, a ICC que trouxe problemas. Além disso, tivemos uma locomotiva, a Maria Fumaça que passava pela cidade.

Quando havia transporte de carvão mineral pelas ferrovias do sul de estado de Santa Catarina, quem transportava era um trem chamado Maria Fumaça. O problema não era o transporte do carvão mineral que causava a poluição do ar, e sim o próprio trem que era movido a carvão. Então a fumaça que era expelida pelo trem poluía o ar. Atualmente não se vê mais a Maria Fumaça, a não ser quando a passeios de trem com o intuito de prestigiar a beleza tanto da locomotiva quanto da sua fumaça. Vale lembrar que a locomotiva que passa pela ferrovia atualmente é movida a diesel, que poluí também.

A ICC, Indústria Carboquímica Catarinense criada na década de 70 tinha por objetivo a produção de ácido sulfúrico e ácido fosfórico. Esses minerais serviam para a produção de fertilizantes. O grande problema que a cidade sofreu com a fumaça vermelha. Como não havia chaminé para filtrar os gases, a fuligem se espalhava pela cidade. Os moradores diziam que onde a fumaça passava, ou pior ela descia, as folhas das árvores não cresciam, ficavam secas. O resíduo criado na indústria, o pó de óxido de ferro, era outro problema, pois os caminhões os transportavam e incomodava a população.

O problema de poluição de ar ligado à cidade, não diferente do Brasil em geral, tem relação tanto com indústrias como automóveis. A cidade de Imbituba ela tem um porto que faz carregamento de coque. O coque é um combustível derivado do carvão betuminoso. Pode ser utilizado na produção de ferro-gusa. Atualmente o problema é o coque, antes “a fumaça vermelha da ICC”.

A população da cidade, principalmente quem mora perto da área onde se encontra o produto, reclama. A fuligem que se propaga pelo ar polui tanto o meio ambiente quanto a cidade. As sacadas das casas são escuras. Elas ficam assim principalmente quando ocorre o vento de quadrante nordeste.

Algumas medidas foram tomadas para evitar que esta fuligem se espalhasse menos. Porém, ainda continua um problema na cidade.

Além do coque, temos os automóveis na cidade. O fluxo de automóveis vem aumentando a cada ano. Abaixo segue um gráfico da quantidade veículos automotores (carros, caminhões, utilitários) na cidade:

Fonte: Ministério das Cidades, Departamento Nacional de Trânsito – DENATRAN – 2014. NOTA 1: Atribui-se zeros aos valores dos municípios onde não há ocorrência da variável. NOTA 2: Atribui-se a expressão dado não informado às variáveis onde os valores dos municípios não foram informados.

Como o gráfico mostra, temos em torno de 14.000 automóveis circulando na cidade. Motocicletas há em torno de 6.000. Logo motonetas e caminhonetes.

Desta forma, podemos notar que com o crescimento da cidade temos fatores tanto positivo quanto negativo. Querendo ou não a poluição do ar está presente no dia-a-dia. Resta-nos obter soluções possíveis para que diminua as emissões de gases nocivos à saúde.

POSSÍVEIS SOLUÇÕES

O ar que respiramos está cada vez mais poluído. Como vimos nesse artigo, vários países sofrem com uma qualidade de ar muito ruim. Temos vários motivos destacados ao longo do texto. Diante disso, devem-se tomar medidas para que as emissões sejam diminuídas, mas não sanadas, pois isso ainda é muito difícil, pois envolve organizações e o custo ainda é muito alto.

O olhar para um futuro que promete ser cada vez mais quente com o aquecimento global, houve uma conferência no final do ano passado (2015), a COP21 que ocorreu em Paris. Houve outra em 2009, a de Copenhague, que para muitos foi um fracasso. A COP21 estabeleceu vários acordos e um deles foi a para que a temperatura não aumente mais de 2°C até o final do século.

Os meios de comunicação mostram cada vez mais como impacto das atividades humanas acabam interferindo tanto na vida humana quanto na natureza. Na tabela abaixo podemos observar algumas medidas que podem prevenir para algo cada vez pior no futuro (BRASIL.ESCOLA.COM, 2016):

Estipular limites dos níveis de poluição nos ambientes urbanos e rurais.

Critérios rigorosos quanto às normas de emissão de gases.

Monitoramento periódico das fontes poluidoras.

Incentivar o uso de tecnologias menos poluentes.

Uso de equipamentos que reduzem os níveis de gases emitidos, dos quais podemos citar: catalisadores automotivos, filtros despoluidores nas chaminés das indústrias, além de outros.

Monitorar constantemente lugares onde são depositados resíduos sólidos, para que não haja incêndios.

Controle diário da qualidade do ar.

Promover o reflorestamento de áreas degradadas.

Elaboração de projetos de caráter preventivo contra possíveis poluições atmosféricas de grande proporção.

Controlar as queimadas (lavouras, pastagens e florestas).

Evitar o uso de agrotóxicos, dando preferência para o controle biológico.

Preservação de florestas naturais.

Implantação de sistema de transporte coletivo de qualidade.

Criação e expansão de áreas verdes nas áreas urbanas, como praças arborizadas, parques ecológicos, jardins, etc.

Essas medidas citadas acima são uma de muitas outras podem ter impactos importantes na prevenção de problemas com a poluição do ar. As conferências que ocorrem envolvendo vários países têm uma grande importância porque assim eles entram em um acordo para promover melhorias. As populações também tem um grande papel que é a conscientização. Elas podem evitar cortarem árvores, queimadas, inclusive o lixo que é jogado em locais impróprios, que acabam criando gases.

Sabe-se que a urbanização está aumentando cada vez mais, ocupando o espaço verde, que é o das matas. Preservar o que é o natural é muito importante. Nós não podemos deixar de crescer apenas nas tecnologias, e sim crescer numa visão ambiental. O progresso que queremos seja para mundo, para o nosso país ou na nossa casa (cidade), não pode apenas olhar para uma direção, pois depende de nós o olhar o natural, o preservar, o conscientizar. A vida é melhor mais verde mais limpa. Fazemos todos os dias o movimento involuntário que é a respiração, e respirar um ar mais limpo é o que merecemos. Devemos progredir e não regressar.

REFERÊNCIAS

AYOADE, J.O. Introdução a climatologia para os trópicos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998. 332 p.

BRAGA, B., HESPANHOL, I., CONEJO, J.G.L. (et al.). Introdução à Engenharia Ambiental: o desafio do desenvolvimento sustentável. 2.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

BRASIL.ESCOLA.COM. Como diminuir a poluição do ar. Diversas atividades humanas provocam a poluição do ar, o que provoca muitos danos ao meio ambiente e aos seres vivos. Disponível em: . Acesso em: 11 de Abril de 2016.

CAVALCANTI, P. M. P. S. Modelo de Gestão da Qualidade do Ar – Abordagem Preventiva e Corretiva. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPE, 2010.

COELHO, A.P. Aspectos da poluição do ar e o meio ambiente brasileiro. SUPREN  - Superintendência de Recursos Naturais e o Meio Ambiente. Rio de Janeiro: IBGE, 1997.

IBGE.GOV. Santa Catarina » Imbituba » infográficos: frota municipal de veículos. Disponível em: . Acesso em 08 de Abril de 2016.

MOTA, seutônio. Introdução à Engenharia Ambiental. 3a. ed. Rio de Janeiro: ABES, 2003.

REVISTAPLANETA.COM. Morte no ar. Disponível em: . Acesso em 08 de Abril de 2016.

SITEDECURIOSIDADES.COM. Top 10 países que mais poluem o mundo. Disponível em: . Acesso em 08 de Abril de 2016.

WEHRHAN, R. Ecological problems in large latin american cities. Applied Geography and Development. Tübingen: S.E., 1996.


Publicado por: Mateus Henrique Miguel

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola