Topo
pesquisar

O USO DA TECNOLOGIA DIGITAL NA SALA DE AULA: UM OLHAR SOBRE O CONTEXTO ESCOLAR NA CIDADE DE CARUARU - PE

Educação

Análise da aceitação e uso de tecnologias no contexto escolar.

Resumo

O estudo se propõe a análise da aceitação e uso de tecnologias digitais no contexto escolar. Desenvolvido em 2016, tem como objetivo geral compreender se o uso da tecnologia digital em sala de aula contribui no processo de ensino aprendizagem do aluno. Enquanto os objetivos específicos são i) identificar as principais tecnologias utilizadas em sala de aula; ii) enumerar os aspectos positivos e negativos exemplificados pelos profissionais da educação; e  iii) apresentar as diferentes contribuições para o aprendizado dos alunos na  utilização dos instrumentos tecnológicos na escola. Teoricamente utilizamos Carvalho (2014), que dialoga sobre os deveres do Estado de desenvolver e aplicar novas tecnologias no processo de aprendizagem, deveres que são definidos na perspectiva de Kenski (2007) que aborda a tecnologia como um importante instrumento auxiliador no desenvolvimento do ensino aprendizagem. O procedimento metodológico de coleta de dados utilizado foi o questionário misto. Os sujeitos participantes da pesquisa são 7 professores do Ensino Médio da Rede Pública. Dentre as respostas para os objetivos da pesquisa, tem-se a do objetivo principal, na qual os dados apresentam que as ferramentas tecnológicas podem sim contribuir para o aprendizado em sala de aula. Os resultados parciais demonstram que os principais recursos tecnológicos usados pelos educadores foram projetores, computadores, celulares e tablets. Os educadores relatam que os pontos positivos da utilização de elementos tecnológicos na sala de aula são: auxílio ao professor no manuseio de conteúdos, torna as aulas mais atraentes à participação do aluno e facilita a aprendizagem dos alunos através da interação. Os pontos negativos são a constante distração do aluno e o fato de que não são todos os professores capazes de manusear tais ferramentas. Os professores destacaram que a utilização de elementos digitais auxilia no processo de aprendizagem dos alunos, de forma a expandir seu acesso a informações, porém com atenção à devida restrição que deve ser feita pela escola ao aluno no uso destas ferramentas. 

Palavras-chaves: Tecnologia, Educação, Desenvolvimento.

INTRODUÇÃO

Diante do atual uso exagerado de tecnologia, principalmente por parte dos jovens, e seu uso muitas vezes inadequado, pode-se questionar a seguinte questão: a tecnologia realmente ajuda no aprendizado do aluno? 

Sabemos que nossa atualidade vem cobrando cada vez mais habilidades necessárias para o desenvolvimento e afazeres cotidianos, como por exemplo a utilização de um simples caixa eletrônico, a competência de realizar pequenas tarefas em um computador, dentre outras. 

Tais habilidades podem ser incentivadas e aprimoradas a partir do contato com recursos tecnológicos disponíveis dentro do ambiente escolar. Entretanto, podemos observar que tais recursos utilizados de forma inadequada podem produzir o inverso do que se espera. Mesmo com a disponibilidade de tal, e o incentivo por parte de educadores e responsáveis, os alunos estão dispostos a usar esta ferramenta? Disponível tal recurso, estão os professores capacitados a manusear tais materiais? Caso o aluno tenha acesso à tal, mas não queira utilizá-la, ele poderá usar as ferramentas convencionais? Poderá tal ferramenta substituir as mais comuns e tradicionais, suprimindo todas as necessidades do aluno?

Algo que deve-se pensar e debater é que mesmo sendo necessária a melhora em nosso sistema educacional, ainda existem locais onde não consegue-se manter um padrão de qualidade de ensino para o aluno, nem mesmo suprindo as necessidades básicas, onde surgem as seguintes perguntas: Quem é a preferência? Qual a melhor forma de desenvolver o sistema educacional de forma igualitária? Neste momento, é realmente necessário o uso de tecnologias, mesmo básicas dentro do aprendizado do aluno?

Temos como  hipóteses que, visto as possibilidades de distração do aluno, utilizando de ferramentas tecnológicas dentro de sala de aula, é necessário o uso consciente e controlado. Pela possibilidade do não interesse quanto a utilização por parte do aluno, deve-se questionar aos alunos sobre o interesse no uso de tal ferramenta. Para melhor uso dos recursos, os professores devem estar capacitados a manusear tal ferramenta, algo semelhante a um treinamento. 

Para a adaptação inicial e melhor desenvolvimento do uso, sugere-se seu uso com outras ferramentas convencionais. O uso de outras ferramentas comuns com este novo recurso, deverá ser algo a critério da Instituição de Ensino, por se tratar de questões mais específicas. 

O uso de ferramentas antigas deverá persistir mesmo com o adepto a este novo recurso, de modo que por serem extremamente usuais, se tornam essenciais para o aluno.

 Em meio a estas discussões, como elemento central de nosso estudo elencamos o seguinte objetivo geral: Compreender se o uso da tecnologia digital em sala de aula contribui no processo de ensino-aprendizagem. E como objetivos específicos: Identificar as principais tecnologias utilizadas em sala de aula; Enumerar os aspectos positivos e negativos exemplificados pelos profissionais da educação; E apresentar as diferentes contribuições para o aprendizado dos alunos na  utilização dos instrumentos tecnológicos na escola.

A utilização de recursos tecnológicos no processo de aprendizagem e a discussão sobre seu uso estão se tornando assuntos importantes em meio a sociedade por estarem relacionados entre si e à questão de se referirem a uma área fundamental na sociedade como um todo, a educação. 

Neste sentido, este estudo justifica-se pela importância de abordarmos esta temática de uma forma mais profunda, trazendo a tona os pensamentos e concepções de diferentes estudiosos e teóricos da área. 

A partir do momento em que tal assunto interfere em questões sociais, tal assunto deve ser discutido por todos, visto que todos serão afetados direta ou indiretamente. O que pode ser discutido ao redor deste tema é sobre a importância de seu uso e o melhor meio de utilizá-la de forma que maximize as capacidades de aprendizagem do aluno, tornando seu estudo ampliado e melhor desenvolvido.

O Uso de Recursos Tecnológicos na sala de aula é uma oportunidade buscada por muitos colégios e universidades que estão à procura de desenvolver a aprendizagem do aluno, entretanto deve-se obter todo um estudo ao redor deste assunto, de modo que ele será impactante no modo de estudo do aluno e possa resultar em consequências quando mal utilizado.

Além da análise geral do tema, ainda torna-se necessário levar em conta as opiniões dos profissionais da área, e dos estudantes, os quais serão mais afetados pela instalação do uso de ferramentas tecnológica na sala de aula. Caso seja aprovada, a tecnologia poderá aumentar a habilidade de adquirir conhecimento por parte do aluno, dando-o acesso à novas possibilidades. No entanto, se for o caso de não ser aprovado, poderá evitar alguns prováveis problemas  graças à limitações atuais.

APORTE TEÓRICO

Os principais instrumentos tecnológicos utilizados no processo de ensino-aprendizagem.

De acordo com revistas conhecidas popularmente, como a revista Nova Escola, o uso de recursos tecnológicos têm aumentado dentro e fora das salas de aula graças a seu extenso uso na produção de textos, de modo que tal recurso corrige o utilitário quanto à seu texto, o ajudando a detectar e corrigir seus erros, tendo como principal representante a famosa CPU de mesa, conforme dito por Ana Ligia Scachetti na revista: “Sem intervir diretamente no material, tal recurso sugere aos utilitários adequar os trechos, melhorar a pontuação, detalhar a descrição de uma cena e eliminar palavras repetidas, entre outras modificações.”    

Entre os principais representantes e mais comuns recursos da tecnologia no nosso cotidiano, estão os tablets, os smartphones, os retroprojetores, os sistemas de som e as inovadoras lousas digitais, que são recursos que possuem a possibilidade de serem empregadas dentro da sala de aula, com o desenvolvimento do aluno como meta fundamental.

Algumas tecnologias mais avançadas e menos utilizadas, como projeções em três dimensões, teleconferências e aparelhos de impressão 3D, podem logo tornar-se comum após o adepto de recursos tecnológicos na sala de aula, de modo que espera-se o uso da maior diversidade possível para o aprendizado, de forma a tê-lo como foco. Nesse sentido, o educador precisará mediar estes elementos de modo que os mesmos venham a facilitar, auxiliar e contribuir no processo de ensino aprendizagem de maneira que não venha a causar um resultado inverso.

Prós e Contras à utilização de ferramentas tecnológicas dentro da sala de aula.

Apesar de todas as vantagens apresentadas por tal recurso, ainda há quem pense e critique que a mesma possa converter os alunos em desinteressados e “escravos da tecnologia”, e ainda acompanhado do medo de que tal ferramenta possa substituir professores em determinadas ocasiões, porém existe uma análise ao redor disso e pôde ser visto que para o correto desenvolvimento das habilidades linguísticas dos alunos, deve-se propor o uso adequado e moderado de tal ferramenta, como ressaltado por Renata Pontual Ikeda, professora do Colégio Santa Cruz, em São Paulo: “O correto é abordar os atalhos e suas funções de acordo com as demandas que surgirem, enquanto a garotada desenvolve seus textos.”                                                                         

Um dos artigos científicos utilizados nesta pesquisa, defende seu uso completo dentro e fora de sala de aula, mesmo notando todos os prováveis problemas que surgirão com essa implementação, alega-se ser algo da natureza evolucionária humana, também citando novas formas de aprendizado, como consequência, mais rápidas e mais bem desenvolvidas, tornando rapidamente o recurso tecnológico, uma ferramenta essencial. 

De acordo com o autor, está definido em nossa Constituição que a ampliação do aprendizado do estudante, tanto dentro quanto fora de sala, por meio de recursos tecnológicos deve por lei ser aplicado e desenvolvido com o decorrer do tempo; como citado no trecho a seguir:

“A promulgação da Constituição Federal de 1988 e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (9.394/96) nos seus aspectos constitutivos, deliberaram o compromisso do poder público em propiciar investimentos tecnológicos para o desenvolvimento de atitudes de gestão compatíveis com as exigências globais, conferindo aos sujeitos a responsabilidade de ultrapassar os dogmas burocráticos e funcionalistas que tornaram o espaço escolar impermeável e rígido às mudanças.”

(CARVALHO, Marcelino. Revista Científica do Instituto Federal de Alagoas, Junho de 2014)

Como ainda há limitações para o uso destas tecnologias, prováveis consequências são inevitáveis, e são significantes em instituições que já desfrutam desta ferramenta, como ressaltado em um estudo da M.I.T., (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), estudo qual feito dentro da própria universidade, exemplifica problemas sobre o quanto e para quê os alunos usam estes recursos, como dito neste trecho da notícia do Washington Post: 

“À data, os investigadores explicaram que os alunos que usam os computadores tendem a transcrever as aulas e não processam a informação, o que prejudica o desenvolvimento do seu raciocínio e da sua aprendizagem, diminuindo a capacidade de resposta e os resultados acadêmicos.”

De modo que o desenvolvimento das técnicas de aprendizagem deve ser exercido de tempos em tempos, umas das melhores sugestões é que haja melhoramento nas áreas de Educação, criando oportunidades e mantendo padrões de qualidade, estes por meio do uso de tecnologias em instituições de ensino, apresentando porém, uso controlado. De acordo com Kenski (1998): 

A tecnologia digital rompe com a narrativa contínua e sequencial das imagens e textos escritos e se apresenta como um fenômeno descontínuo. Sua temporalidade e espacialidade, expressas em imagens e textos nas telas, estão diretamente relacionadas ao momento de sua apresentação. Verticais, descontínuos, móveis e imediatos, as imagens e os textos digitalizados a partir da conversão das informações em bytes tem o seu próprio tempo, seu próprio espaço fenômeno da exposição. Eles representam portanto um outro tempo, um outro momento revolucionário, na maneira de pensar e de compreender. (p. 64)

Nesse sentido diante do que Kenski (1998) nos apresenta, compreendemos que o uso da tecnologia é um elemento muito importante quanto a auxiliar no desenvolvimento da aprendizagem dos alunos.

METODOLOGIA

Este estudo é centrado na análise científica e na relevância de opiniões sobre tal temática, além da pesquisa de campo, aderimos à uma pesquisa do tipo qualitativa, pois essa, nos possibilita uma maior visão em torno da temática pesquisada. Segundo Cecília Minayo (2001): 

A pesquisa qualitativa trabalha com o universo de significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes, o que corresponde a um espaço mais profundo das relações, dos processos e dos fenômenos que não podem ser reduzidos à operacionalização de variáveis. Aplicada inicialmente em estudos de Antropologia e Sociologia, como contraponto à pesquisa quantitativa dominante, tem alargado seu campo de atuação a áreas como a Psicologia e a Educação. A pesquisa qualitativa é criticada por seu empirismo, pela subjetividade e pelo envolvimento emocional do pesquisador (MINAYO, 2001, p. 14).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Neste trecho, é escrito as características principais da Pesquisa Qualitativa, e dito de forma implícita que este tipo de pesquisa, é a mais que adequada para uma pesquisa como esta. Este estudo foi realizado em Instituições de Ensino Públicas do Governo do Estado, da cidade de Caruaru onde a coleta de dados foi feita com a ajuda de questionários mistos, compostos por questões abertas e fechadas. Estes questionários foram criados especificamente para tal pesquisa. Nossos sujeitos foram Professores de Ensino Médio que trabalham utilizando equipamentos tecnológicos em suas aulas.

RESULTADOS E DISCUSSÕES

Nesta pesquisa, foram entrevistados sete professores ao total, dentre os quais três são do sexo feminino, e quatro do sexo masculino, o que demonstra um equilíbrio entre 

gêneros, algo positivo no contexto atual e que ocorre cada vez com maior frequência.

Quanto ao tempo em que lecionam, um professor lecionava de seis a dez anos e seis professores de onze anos em diante, algo que prova a capacidade opinativa dos entrevistados através da experiência obtida com o tempo em sala de aula.

Em relação ao nível de escolaridade, apenas um professor possui somente graduação enquanto seis professores possuem pós-graduação, nos apresentando maior qualificação em suas respectivas áreas.

Ao ser questionado se o professor é a favor do uso total de ferramentas tecno-digitais, substituindo outros meios e recursos em sala de aula, dois professores responderam que sim, de forma total, quatro professores disseram que apenas de forma passiva, e apenas um professor respondeu que não, de forma nenhuma, apresentando uma maioria que é a favor da utilização de recursos digitais em sala de aula, porém com suas especificidades. Através destes dados, pode-se perceber que a previsão de aceitação e aplicação das ferramentas tecno-digitais como inevitáveis, introduzida por Kenski em 1998, foi uma previsão correta e bem precisa, ressaltando a evolução necessária da educação e como isso seria bem recebido pela maioria.

 

Como argumentos a favor da implementação destes recursos, fora citado pelos professores e teóricos como o MIT a expansão do acesso à informação que o aluno teria com o uso de ferramentas digitais, possibilitando pesquisas mais diversas e precisas, entretanto ainda se torna necessária a utilização de recursos tradicionais para um melhor desempenho e habitação.

Uma outra pergunta do questionário foi para saber se eles já passaram por alguma capacitação fornecida pela escola para a utilização de equipamentos tecnológicos em sala de aula, ou se já possuem certa experiência em quesitos como este; dentre os quais cinco professores responderam que não possuíam formação, mas apenas experiência, um professor respondeu que não possuía formação e um professor respondeu que não possuía formação sequer experiência, nos mostrando que não são todos os habilitados a manusear essas ferramentas, como se trata de uma escola do Estado, percebendo a necessidade de capacitação, é obrigação da escola oferecer cursos de habilitação para os professores, os quais sem essa formação não poderão exercer uma boa aplicação desses recursos, tornando seu uso ineficaz.

Todos os entrevistados acreditam no potencial do uso destes recursos, destacando o acesso fácil a uma variedade de informações, entretanto a maioria também comenta sobre os prováveis problemas que podem vir a acontecer, enquanto uma minoria acredita que tais consequências sejam irrelevantes quando comparadas aos benefícios apresentados, ainda existindo uma minoria representada por apenas um professor, que alega a ineficácia destes recursos, enumerando as consequências como argumentos favoráveis à sua opinião. 

O órgão MIT, com uma pesquisa realizada em 2016, indica os principais problemas causados pela presença da tecnologia digital na sala de aula, onde a maioria também fora citada por professores, problemas como a fácil distração do aluno e o fato de que não são todos os professores capazes de manusear tais ferramentas; mas em contraste, foram citados os seguintes pontos positivos: auxílio ao professor no manuseio de conteúdos; os recursos tornam as aulas mais atraentes à participação do aluno e facilitam a aprendizagem dos alunos através da interação em sala de aula.

Os resultados demonstram que os principais recursos tecnológicos usados pelos educadores foram projetores, computadores, celulares e tablets, recursos de maior gosto popular, além da grande conveniência e do fácil acesso à essas ferramentas, de forma que elas são extremamente presentes nos mais diversos setores, principalmente celulares e computadores, sendo também utilizados no uso pessoal.          

A maioria dos professores relatou que o colégio no qual realizamos esta pesquisa, não apresentou projetos e reuniões para a discussão da implementação de recursos digitais no aprendizado do aluno, entretanto, houve uma minoria em que discussões ocorreram, porém sem êxito em suas tentativas de implementação, seja por precariedade da quantidade desses recursos ou de sua qualidade. De acordo com Carvalho, o Governo possui a obrigação do investimento tanto na quantidade quanto na qualidade destes recursos, visando o desenvolvimento do processo de aprendizado do aluno, com o auxílio destas ferramentas.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Retomando nosso objetivo geral que foi compreender se o uso da tecnologia digital em sala de aula contribui no processo de ensino-aprendizagem; consideramos a partir de nossos dados que sim, a utilização da tecnologia contribui no que tange ao auxílio e consequentemente ao processo de ensino aprendizagem.

Quanto à questão das principais ferramentas tecnológicas utilizadas em sala de aula, nossos resultados parciais demonstram que os principais recursos tecnológicos usados pelos educadores em sala de aula foram projetores, computadores, celulares e tablets. 

Os educadores relatam como pontos positivos da utilização de elementos tecnológicos na sala de aula: auxílio ao professor no manuseio de conteúdos; torna as aulas mais atraentes à participação do aluno; e facilita a aprendizagem dos alunos através da interação. Os pontos negativos são a constante distração do aluno e o fato de que não são todos os professores capazes de manusear tais ferramentas. 

Os professores destacaram que a utilização de elementos digitais auxilia no processo de aprendizagem dos alunos, de forma a expandir seu acesso a informações, porém só deve ser utilizado tendo em vista a necessidade de um controle sobre a utilização destes recursos por parte de professores e responsáveis.

As hipóteses quanto ao tema apresentadas anteriormente, foram confirmadas a partir das opiniões de educadores, teóricos e outros profissionais da área, sendo essas hipóteses as de que apesar das possibilidades apresentadas por estes recursos, o uso controlado é fundamental; o interesse por parte dos alunos foi comprovado, e ainda foi relatado o interesse por parte dos professores; e a necessidade de que os professores estejam habilitados a manusear tais ferramentas para um uso eficaz.

Tendo em vista todos os dados e as análises feitas, ressalta-se a importância de um estudo ao redor desta temática, de forma a se tratar de forma científica e analitica do tema, destacando todos os pontos e adquirindo informações úteis à uma discussão e conclusão que seja de consenso geral.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de, Gestão de tecnologias, mídias e recursos na escola: o Compartilhar de significados, janeiro de 2009.

COSTA, Carolina da, Impactos da tecnologia na gestão escolar Diretora de Graduação e do Centro de Empreendedorismo, Inovação do Instituição de ensino superior em São Paulo, novembro de 2014.

CYSNEIROS, Paulo Gileno. Informática Educativa. Universidade de Los Andes. Volume 1, 1999.

FILHO, Marcelino Carvalho de Brito, A tecnologia em sala. Revista Científica do Instituto Federal de Alagoas, junho de 2014.

KENSKI, Vani Moreira; Educação e tecnologias: O novo ritmo da informação/Vani Moreira Kenski.- Campinas, SP: Papirus, 2007. 

MINAYO, Maria Cecília (Organização). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

Portal Brasil: Novas tecnologias facilitam a aprendizagem escolar; disponível em: http://www.brasil.gov.br/educacao/2014/07/novas-tecnologias-facilitam-aprendizagem-escolar. Data de acesso: 23/05/2016

Público: A escola no ecrã; Disponível em https://www.publico.pt/sociedade/noticia/a-escola-no-ecra-1629931. Data de acesso: 29/08/2016; 

Público: Recursos tecnológicos em sala de aula prejudicam resultados acadêmicos; Disponível em: http://www.publico.pt/tecnologia/noticia/recurso-a-tecnologia-nas-salas-de-aula-prejudica-resultados-academicos-1732195. Data de acesso: 23/05/2016 

Público: Tecnologias ainda estão longe da sala de aula; Disponível em: http://www.publico.pt/noticias/jornal/tecnologias-ainda-longe-da-sala-de-aula-174955. Data de acesso: 23/05/2016

RAMOS, Márcio Roberto Vieira. Ensino de Sociologia em debate. Revista Eletrônica Laboratório de Ensino, Pesquisa e Extensão de Sociologia/Programa de Bolsas de Iniciação à Docência, de Ciências Sociais., dezembro de 2012.

SILVA, Marco; ALMEIDA, Maria Elisabeth Biancocini de; BEHRENS, Maria Aparecida de. Tecnologias na Escola, São Paulo, 2004.

The WashingtonPost: Why smart kids shouldn’t use laptops in class; Disponível em: https://www.washingtonpost.com/news/wonk/wp/2016/05/16/why-smart-kids-shouldnt-use-laptops-in-class/?tid=sm_tw. Data de acesso: 25/05/2016 

Último segundo: As doze tendencias tecnológicas na Educação Brasileira até 2017; Disponível em: http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/2012-12-08/as-12-tendencias-tecnologicas-da-educacao-brasileira-ate-2017.html. Data de acesso: 18/04/2016 

WebArtigos, as tecnologias disponíveis nas escolas; Disponível em: http://www.webartigos.com/artigos/as-tecnologias-disponiveis-nas-escolas/18629/. Data de acesso: 13/06/2016 

QUESTIONÁRIO

1.Sexo: (   )F (   )M

2.Há quanto tempo você está lecionando?  (   )De 0 a 5 anos; (   )De 6 a 10 anos; (   )11 anos em diante.  

3. Qual o seu nível de escolaridade?  (  )Graduação; (   )Pós-graduação; (   )Mestrado; (   )Doutorado.

4.Você é a favor do uso total de ferramentas tecnológicas, substituindo outros meios e recursos em sala de aula?  (   )Sim  (   )Não    

5.Você passou por alguma capacitação/formação fornecida pela escola para a utilização de equipamentos tecnológicos em sala de aula? Ou você já possui certa experiência em quesitos como este?   (   )Possuo formação; (   )Não possuo formação; (   )Não possuo formação, porém tenho experiência no uso; (   )Não possuo formação, nem experiência.

6.Você pensa que as ferramentas digitais podem exercer um papel na sala de aula e contribuir para o aprendizado? Exemplifique. ____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

7. As ferramentas tecnológicas podem ocasionar problemas durante seu uso na aula?  Explique sua resposta. ____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

8.Quais os principais instrumentos tecnológicos você utiliza no cotidiano em sala de aula? ____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

9. Essa temática do uso da tecnologia na sala de aula, já fora discutida em reuniões pedagógicas, envolvendo professores ou/e coordenadores? Se sim, esta reunião houve êxito quanto a sua finalidade? ___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Professor:

 

Pergunta:

Professor 1

Professor 2

Professor 3

Professor 4

Professor 5

Professor 6

Professor 7

Você pensa que as ferramentas digitais podem exercer um papel na sala de aula e contribuir para o aprendizado? Exemplifique.

Sim, deixa as aulas mais atraente.

Sim, o uso delas torna a aulas atraentes aos alunos.

A linguagem tecnológica aproxima o estudante ao conhecimento.

Sim, um papel fundamental, num mundo globalizado, onde as exigências são cada vez maiores, sem dúvidas as ferramentas tecnológicas podem contribuir para um melhor aprendizado.

Sim, espero que haja formação para os professores.

Sim, auxiliando o professor com os conteúdos.

Sim, facilitando a aprendizagem.

As ferramentas tecnológicas podem ocasionar problemas durante seu uso na aula?  Explique sua resposta.

Não, vai apenas ajudar, enriquecer.

Não, apenas tem a apoiar e enriquecer o aprendizado.

Sim, por falta de domínio por parte dos professores.

Sim, mas do ponto de vista funcional, uma vez que não estamos acostumados com o seu uso contínuo. Com o tempo os problemas iniciais serão minimizados.

Sim, porque não se utiliza direito essas tecnologias.

Sim, mesmo utilizando para o meio pedagógico, alguns aluno não compreende o propósito da  tecnologia.

Sim, quando não há recursos para manutenção dos equipamentos.

Quais os principais instrumentos tecnológicos você utiliza no cotidiano em sala de aula?

Projetores, computadores, tablets e celulares.

Projetores, celulares, computadores e tablets.

Projetor e computador.

Um pouco de cada coisa, considerando as circunstancias do momento.

Data Show e vídeos.

Projetor.

Projetor e computador.

Essa temática do uso da tecnologia na sala de aula, já fora discutida em reuniões pedagógicas, envolvendo professores ou/e coordenadores? Se sim, esta reunião houve êxito quanto a sua finalidade?

Nunca.

Nunca houve.

Não.

Não ocorreu, pelo menos nas escolas por onde passei. 

Não.

Sim, porém não disponha de equipamentos suficientes para suprir a demanda.

Sim, para oportunizar os alunos a conhecerem a associação de tecnologia com aprendizagem.


 


Publicado por: Mateus Amorim Lisboa

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Monografias Brasil Escola