Topo
pesquisar

O que esperar da escola do futuro?

Educação

O que esperar da escola do futuro?, mudanças na área da educação, o universo tecnológico e a educação, as tendências da escola do futuro, o novo papel do prefessor diante da tecnologia.

Estamos vivendo um momento de mudanças na área da educação. Está em execução um projeto do governo federal que beneficia milhares de escolas brasileiras com financiamentos a longo prazo, com juro baixo, destinando oito computadores/notebooks a cada escola, facilitando aos professores ter acesso a esta nova tecnologia a prestações em torno de cem reais. Isto reflete uma época em que os computadores cada vez mais acessíveis, a ampliação do acesso à Internet e a criação de novos jogos eletrônicos educativos, especialistas defendem que os docentes retomem um modelo pedagógico iniciado há mais de dois mil anos e os professores.
Se a informação no universo tecnológico está a um clique, o professor pode desaparecer? Na opinião de especialistas, a resposta é negativa. - O futuro abrirá oportunidades para os professores. Vivemos num contexto de aprendizagem permanente. As pessoas terão de estudar a vida toda - prevê o sociólogo Pedro Demo.
Para participar desse novo mundo, o docente deverá superar a resistência às tecnologias.
- Não adianta a escola ter equipamentos supermodernos se o professor não for preparado para gerenciar essas novas situações de aprendizagem. Quando surgiu a televisão, muitos disseram: "é o fim da cultura". Com a Internet, é a mesma coisa. Em vez de amaldiçoá-la, precisam aproveitá-la ao máximo. O desafio dos novos docentes é fazer com os estudantes ganhem autonomia para usar os recursos modernos. Mutos especialistas em educação acreditam que o interesse pela escola se restabelecerá quando os professores deixarem de apenas transmitir conteúdos e orientarem os alunos para que descubram o conhecimento por si próprios. O professor terá de despertar no estudante o desejo de pesquisar na Internet, de ir a campo para pesquisas e discutir com a turma - seja na sala de aula ou por meio de um programa de mensagens instantâneas como o MSN. Este método foi usado pelo filósofo grego Sócrates - quase cinco séculos antes do nascimento de Cristo - para estimular o aprendizado de seus discípulos, diz Jailson Valin em recente artigo publicado em ZH. “Não precisamos mais de um professor que copia, que repete, que é um papagaio, porque a parabólica e o DVD já fazem isso” - diz Pedro Demo, docente do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília e autor do livro Professor do Futuro e Reconstrução do Conhecimento. Eles concordam com muitos especialistas acham que com uso da Internet, alunos superam o desempenho esperado, que dizem: - Sempre que pesquisam na Internet, eles descobrem mais do que a gente pede. Nem sempre se precisa de máquinas para que os estudantes se envolvam no aprendizado: uma visita à Serra para estudar o relevo também permite que eles façam descobertas. Precisamos nos sintonizar com o mundo deles. Muitos professores já fazem isto, e já utilizam o laboratório de informática da escola buscando uma adaptação às novas possibilidades do ensino.

É claro que o professor deve conhecer e estar familiarizado o suficiente com a internet para conduzir o processo e evitar o mau uso das tecnologias, mas isto não tira o seu valor nem deixa de ampliar suas posssibilidades.
Algumas tendências a respeito da escola do futuro já referidas por especialistas como Silvia Fichmann, coordenadora de laboratório da Escola do Futuro da Universidade de São Paulo (USP), Pedro Demo, professor do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília, Hamilton Werneck, pedagogo, Gabriel Perissé, doutor em Filosofia da Educação, Nihad Bassis, especialista em projetos educacionais baseados em tecnologia, José Manuel Moran, especialista em avaliação de cursos à distância, Nelsi Müller, secretária da Educação do estado do RS - prevêem que a escola continuará sendo o principal espaço para atividades de educação, mas empresas e outros locais ampliarão a oferta de aulas. Cursos e lições à distância ganharão impulso com a popularização da Internet e atenderão especialmente adultos. Quanto mais jovem o aluno, mais tempo ficará dentro da sala de aula para aprender a conviver em grupo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Em vez da abordagem de disciplinas de forma isolada, os assuntos terão o enfoque interdisciplinar, como ocorre hoje com os temas que transcendem uma única matéria. As escolas, por orientação do Ministério da Educação, escolhem temas, como trânsito, por exemplo, e procuram tratá-lo em diversas disciplinas. As aulas se desenvolverão a partir de bases principais, nas quais se encaixarão as atuais matérias: a filosofia, para estimular o pensamento e a criatividade, a linguagem, para que o aluno aprenda a se comunicar, e matemática, para desenvolver o raciocínio lógico.

Estas tendências apontam que em vez de evoluir por séries ou semestres, o estudante terá a oportunidade de escolher mais cursos conforme seu perfil até completar o número mínimo de horas. Esse processo se intensificará a partir do Ensino Médio. Haverá aulas expositivas, nas quais o professor dialogará com os alunos, mas o estudo será focado na troca de experiências e na realização de pesquisas online. O professor estimulará a organização de projetos para que o estudante desenvolva habilidades consideradas fundamentais no início do novo milênio. O objetivo é que ele identifique problemas, pesquise, tome decisões e se comunique com eficácia. Em vez de estudar em um espaço fixo, o estudante se deslocará para diferentes laboratórios, conforme a lição e os recursos tecnológicos necessários a um determinado aprendizado.

O Professor terá um novo papel, que vai além de apenas transmitir conhecimentos. Ele orientará e motivará os alunos. Os alunos acompanharão lições por meio de recursos audiovisuais, em vez do tradicional quadro-negro. Eles passarão a freqüentar ambientes virtuais, onde farão simulações. Por meio delas, o estudante reviverá situações históricas, participará de julgamentos em tribunais ou até se transformará num personagem de um romance, como num jogo educativo tipo RPG, por exemplo. Os alunos e professores usarão tecnologias semelhantes ao E-mule, Torrent ou Kazaa, que permite a troca de músicas e videos pela Internet, para a comunicação virtual. Pelo sistema, compartilharão informações e aplicativos. Os estudantes terão a chance de rever uma aula, disponível em vídeo, para revisar conteúdos. Também poderão consultar centros de materiais educacionais, que terão atendimento online de tira-dúvidas e oferecerão aos professores o aluguel de salas virtuais ou laboratórios específicos. Os livros didáticos perderão importância, mas não desaparecerão. Servirão como uma referência para consulta. Os professores, com a participação dos próprios alunos, avaliarão muito mais processos do que resultados.

Tudo isto pode parecer assustador para alguém que utiliza métodos que mudaram pouco através de muitos séculos mas agora marcham aceleradamente. Exige do docente uma boa dose de flexibilidade e abertura, pois para acompanhar estas mudanças precisa dia a dia reambientar-se num mundo de novos procedimentos, novos recursos que é preciso ir dominando passo a passo numa atitude predisposta para uma transformação positiva.


Publicado por: Deroní Sabbi

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola