Topo
pesquisar

O APOIO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ALUNOS DE MODALIDADE EAD NO MUNICÍPIO DE TEIXEIRA DE FREITAS - BA

Educação

Saiba qual é o processo do apoio dos ambientes virtuais de aprendizagem na construção do conhecimento.

RESUMO

O presente trabalho analisa o processo do apoio dos ambientes virtuais de aprendizagem na construção do conhecimento, dentro dessa perspectiva inclui-se pesquisa qualitativa com abordagem de campo, referente à utilização dessa ferramenta nos cursos de ensino na modalidade EAD, identificando assim, possíveis dificuldades que o aluno venha a ter no que se refere a sua acessibilidade quanto ao uso do seu portal educacional, sua visão acerta das vantagens e desvantagens dos ambientes virtuais de aprendizagem. Os educandos participantes ao longo da pesquisa são alvos de preocupação docente, portanto, torna-se necessário realizar uma abordagem consistente, na perspectiva de propor situações quesatisfaçam à busca do conhecimento, levando em conta a realidade dos envolvidos. O estudo nasce dessa necessidade, sendo possível realizar um levantamento pertinente, que visa, sobretudo, contribuir com a construção da aprendizagem, onde a utilização dos ambientes virtuais possam ser fatores primordiais para a educação.

Palavras-chave: Ava. Autoaprendizagem. Educação a distância. Interatividade.

1 INTRODUÇÃO

Antes de conhecer a importância do apoio do AVA na construção do conhecimento é necessário compreender seu significado. Os ambientes virtuais de aprendizagem é um conjunto de elementos tecnológicos disponíveis na internet, onde há recursos e ferramentas para acesso ao curso, interação entre estudantes e formadores no processo de ensinar e aprender, bem como acesso aos conteúdos e atividades propostos pelo curso, e tantos outros recursos que essa valiosa ferramenta proporciona.

São muitos os benefícios dos ambientes virtuais de aprendizagem, mas esse artigo ira abordar a necessidade da utilização do mesmo, quais as maiores dificuldades do aluno com relação à familiarização com o ambiente, e as possíveis barreiras no sentido de usufruir da tecnologia em favor da construção do saber.

Vimos que nos últimos anos a criação dos ambientes virtuais de aprendizagem impulsionado pelo oferecimento da educação a distância cujo teve seu início com a invenção da impressa que permitiu o acesso à informação tem crescido muito no Brasil e no mundo e as ferramentas disponíveis por eles ajudam a diminuírem distância do acesso ao conhecimento além, de permitir ao usuário o desenvolvimento da autoaprendizagem, porém não vimos esse mesmo crescimento com relação à utilização dos ambientes virtuais, é comuns encontrarmos alunos de graduação que nunca realizaram o acesso ao ambiente ou não sabem operar as ferramentas existentes no ambiente. É o que indica as pesquisas aplicadas para elaboração desse artigo.

Diante de essa realidade tenho por objetivo descobrir quais são os possíveis problemas que impedem alguns alunos do curso de graduação da cidade de Teixeira de Freitas- BA a não utilizarem esse recurso que são os ambientes virtuais de aprendizagem também conhecidos como AVA.

Pretende-se também mostra as vantagens desse ambiente e suas principais ferramentas a fim de informar a você leitor o apoio que esses ambientes proporcionam na construção do conhecimento.

2 A tecnologia a favor dos processos educacionais em EAD

Observa-se nos últimos anos o crescimento da educação à distância em todo o mundo, esse crescimento foi e é possível aliado aos avanços tecnológicos cujo, vem contribuindo não somente como processo de aprendizagem, mais também com o gerenciamento dos serviços básicos necessários à administração desde o cadastro até a inserção dos materiais acadêmicos. Atualmente a educação a distância tem ampliado os processos educacionais graças aos avanços tecnológicos, isso vem beneficiando o acesso a informação a qualquer tempo ultrapassando as dificuldades impostas pelo espaço geográfico.

O avanço tecnológico trouxe consigo possibilidades reais de acesso a informação e ao conhecimento, problemas que impediam os processos educacionais foram sanados com a criança da internet, computadores e principalmente com a criação do AVA.

Para Silva (2003, p.62), o AVA é a sala de aula no ciberespaço:

"O ambiente virtual de aprendizagem é a sala de aula online. É composto de interfaces ou ferramentas decisivas para a construção da interatividade e da aprendizagem. Ele acomoda o web-roteiro com sua trama de conteúdos e atividades propostos pelo professor, bem como acolhe a atuação dos alunos e do professor, seja individualmente, seja colaborativamente".

Essa sala de aula online permite aos usuários vencerem barreiras geográficas que antes impediam o acesso ou continuidade dos estudos de muitas, constrói a interatividade que pode ser definida como troca comunicativa entre os usuários do ambiente. Permitindo assim interagir apresentar informações de maneira organizada, desenvolver interações entre pessoas e objetos do conhecimento, contribuindo assim com o processo de ensino aprendizagem.

O avanço tecnológico veio para garantir maior eficácia na atuação do professor, gestor e principalmente o aluno, fortalecendo o ensino e proporcionando melhores resultados na aprendizagem, no gerenciamento dos serviços como matrícula, levantamento de dados e outras necessidades da administração. Pense na vida atual sem o computar o acesso a internet sem os ambientes virtuais de aprendizagem, provavelmente as matrículas seriam preenchidas manualmente, as correções das avaliações seguiriam um processo lento, e o envia da mesma para instituição responsável provavelmente seria por correspondência ou malotes, ocasionado numa perca significativa de tempo.

Porém os ambientes virtuais auxiliam nesse processo, onde o aluno realizar o preenchimento de sua avaliação on-line ou discursiva e solicita a correção por um clique, permitindo assim uma facilitação e ganho de tempo nesse processo, além disso, o aluno tem instrumentos metodológicos de ensino incluídos nos ambientes virtuais de aprendizagem, que são: Chat, quis, webconfêrencia e fórum, que proporcionam ao estudante socializar práticas de ensino como atividade de pesquisa e avaliação, construir um espaço de interação entre os participantes do ambiente.

Muitas são as contribuições da tecnologia no processo de ensino e aprendizagem, porém é necessário que adotemos uma postura mais ativa, não sendo preconceituoso com as novas tecnologias e procurar nos manter atualizados com as novas mídias, pois somente com essa postura a tecnologia estará a favor dos processos educacionais e os objetivos pedagógicos serão atingidos.

3 Como a interatividade no AVA contribui para autoaprendizagem?

A resposta a essa pergunta surgiu em entrevista a alguns docentes da modalidade a distância, no qual os docentes afirmam que os alunos que acessam o ambiente com frequência, desenvolvem-se melhor na obsorcão dos conteúdos aplicados e demonstram maior responsabilidade, dedicação e desenvolvem a autoaprendizagem autônoma, e tem por objetivo não é de obter  o título, mas de conhecer os assuntos propostos. Constroem hipóteses, articulam, assimilam e incluem novas idéias ao assunto da aula.

Já os que não realizam esse acesso aos ambientes virtuais de aprendizagem possuem mais dificuldades e seu ritmo de aprendizagem diferente, apresentam insegurança e não articula seus conhecimentos com o que esta sendo apresentado, tornam-se dependentes. “Os alunos frequentemente não compreendem que precisam assumir uma grande responsabilidade por seu aprendizado em um curso de educação a distância e não de esperar que o instrutor ou o orientador os conduza.” (MOORE; KEARSLEY, 2008, p. 190).

Nesse sentido seu objetivo é a obtenção do título e sua opção em estudar pela modalidade EAD é por acreditar ser o caminho mais fácil. A idéia que o aprendizado em educação a distância requer menos envolvimento é errada, e essa visão quando isso deve ser transformada por uma postura mais ativa, e os ambientes virtuais os conduzira para autoaprendizagem conquistando assim características essenciais para o êxito nos estudos nessa modalidade.

Maia e Mattar (2007, p 83-84) apresentam ideias sobre a aprendizagem em EAD.

Em primeiro lugar, em EAD, o centro do processo de ensino e aprendizagem não é mais o interesse do professor na disciplina, mas, sim o que o aluno precisa aprender. O aprendiz, portanto deve ser levado em conta na face do planejamento e da implementação da experiência de aprendizado a distância, e não apenas no final, quando o conteúdo de um curso a distância já estiver pronto.

Em segundo lugar, esse aprendiz não precisa mais esta estar fisicamente presente em um ambiente para aprender: ele o faz em qualquer lugar. Além disso, seu aprendizado é também contínuo e permanente: o estudo não é mais encarado, em nossa sociedade, como algo que deve nos acompanhar por toda vida, isto é, tempo e espaço não são mais limites para as ambições de conhecimento do aprendiz virtual.

Vimos que o processo de ensino aprendizagem deve ser contínuo e que o professor não é mais o centro, o aluno de acordo a idéia Maia e Mattar não precisa estar fisicamente sempre em uma sala de aula para que a aprendizagem ocorra. Por esse motivo os ambientes virtuais de aprendizagem são essenciais na construção do saber, eles garantem o complemento aos usuários e possuem ferramentas que ajudam o educando a continuar o processo de ensino aprendizagem, mesmo no dia que não tem encontros com o professor, seguindo uma linha de estudo do conteúdo proposto, contam com a opção de troca de informações com demais usuários do ambiente, além de ter os recursos de realizarem um aprofundamento dos seus conhecimentos através dos textos e vídeos aulas e outras mais ferramentas disponíveis.

Na modalidade EAD as ferramentas dos ambientes virtuais de aprendizagem favorecem a interação para que as práticas acadêmicas sejam desenvolvidas, os docentes acompanham e auxiliam nesse processo através de atendimento on-line que permite a conversa em tempo real e tem por objetivo esclarecer as dúvidas pedagógicas, podem contar também com materiais interativos, ambientes de leitura e usufruem de espaços que oportunizam momentos de discussão e o caso do fórum. Já para os professores essa ferramenta essa mesma ferramenta proporciona formas de avaliar e valorizar as ideias a cerca do conteúdo proposto.

Após a utilização desses recursos o professor disponibiliza avaliações cujo mais aconselhado são os instrumentos de avaliação discursiva, pois permite as aluno a livre expressão do pensamento e do raciocínio e a interação de conhecimento. As questões discursivas além de verificarem os conteúdos ou estrutura do conhecimento que os discentes precisam adquirir em cada domínio, verifica se os mesmos são capazes de utilizar e de aplicar conhecimento e habilidades em diferentes contextos e levam em consideração a capacidade de interpretação de resolução e problemas, permitindo assim a avaliação e desenvolvimento do pensamento criativo, reflexivo e crítico.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

4 O Êxito nos estudos de modalidade EAD.

Ao apurar as reposta dos alunos a pesquisa aplicada, de imediato já foi possível observar que o sucesso nos estudos na modalidade EAD esta ligado à aceitação da tecnologia na vida acadêmica.

Conhecimentos básicos de informática são requisitos indispensáveis aos alunos que escolheram a modalidade EAD como opção de estudo, infelizmente há muitos discentes que não usufruem da valiosa ferramenta que são os ambientes virtuais de aprendizagem por não terem conhecimentos básicos de informática, esses alunos geralmente não conseguem desenvolverem-se plenamente, pois dependem de um terceiro para cumprirem suas obrigações acadêmicas tais como: visualização de informações importante do curso, elaboração e postagens relatórios de estágio, paper e demais trabalhos acadêmicos.

Nesse contexto Luehrmann (apud Simonsonet AL., 1997, p.106) diz:

Para dizer a um computador o que você quer que ele faça você deve de capaz de se comunicar com ele. Para fazer isso, você necessitará aprender uma linguagem de programação para escrever suas ideias, então você pode revê-las, mostrá-las a outros e melhorá-las (...). Se você pode dizer ao computadorcomo fazer as coisas que você quer, você é “literatecumputer”. Se você não pode, você terá que depender de outros para comunicar suas necessidades para a máquina.

É importante que o aluno que assuma o compromisso de desenvolver habilidades relacionadas conhecimentos tecnológico, que dominem em especial do ambiente que utilizar em seus estudos, dessa forma o discente estará mais preparado para realizar e participar das atividades propostas pelos cursos de EAD. Nessa circunstância o aluno se tornará sujeito ativo independente, autônomo que quer dizer “por si só”, e não mais será dependente de outras pessoas nessa comunicação com a máquina. 

Há outros itens que também ajudam os alunos nesse caminho de sucesso nos estudos dessa modalidade, o gerenciamento do tempo, a organização do material de estudo, o acesso regulamente ao ambiente virtual de aprendizagem a interatividade com fórum, chat, biblioteca virtual, a leitura do material adicionais postados no Ava, a criação de hábitos de estudos e outros.

Ao desenvolver tais iniciativas essenciais para construção conhecimento, você mostrará ser ativo, autônomo, disciplinado responsável e o sucesso virá em consequência ao empenho aplicado.

5 Dificuldades enfrentadas pelos discentes na utilização do AVA.

A pesquisa aplicada ajudou na descoberta de problemas enfrentada pelos alunos da modalidade a distância no cumprimento de suas atividades acadêmicas cujo consequentemente interfere na construção do conhecimento.

A comprovação dos benefícios que os ambientes virtuais proporcionam é muita, porém há necessidade que seu funcionamento seja eficaz, durante a pesquisa aplicada foram comuns à descrição de um ambiente com falhas, mau funcionamento em seus canais de comunicação além de muitas reclamações do tempo de espera para respostas as dúvidas encaminhadas através das ferramentas disponíveis no Ava. Houve também o questionamento das dificuldades enfreadas pelos discentes em cumprir os prazos estimulados pela instituição para postagem de avaliação e trabalho acadêmicos já que a ferramenta disponível não funcionava corretamente, causando transtornos e a perca do prazo de postagem. 

Para resolução desses questionamentos é preciso que a instituição mantenha uma equipe de supervisão do ambiente virtual afim da sanar os problemas causados, zelando pelo princípio da interatividade entre professores e alunos, garantindo assim o cumprimento as leis que regulamento a educação a distância, segundo o artigo 1º do Decreto nº 5.622, de 19 dezembro de 2005 (revogando o Decreto nº 2.494/98), é a modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem cujo ocorre com a utilização de meios e tecnologia de informação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares ou tempo diversos.

Além dessa supervisão a equipe de professores – tutores externos atuem no gerenciamento das atividades dos encontros presenciais agendados, para que o sistema de comunicação do acadêmico e professores se desenvolva com clareza e rapidez, e que haja um clima de compreensão e respeito sempre orientando na realização das atividades de autoestudo e de avaliação, com atenção para o cumprimento do cronograma.

Com esses cuidados a eficácia do apoio dos ambientes serão maiores e a satisfação dos acadêmicos para que o cumprimento das atividades acadêmicas possa ser realizado com autonomia e confiabilidade do ambiente atingindo assim os objetivos proposto pela instituição e acadêmico.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Ao longo da pesquisa foi possível identificar as vantagens e apoio proporcionado pelos ambientes virtuais de aprendizagem, os recursos disponíveis facilitam o acesso ao conhecimento dos alunos de modalidade a distância e garantem melhores resultados na construção de um indivíduo, independente, autônomo que quer dizer “por si só”, e não mais será dependente de outras pessoas nessa comunicação com a máquina. 

Na modalidade EAD as ferramentas dos ambientes virtuais de aprendizagem favorecem a interação para que as práticas acadêmicas sejam desenvolvidas, os docentes acompanham e auxiliam nesse processo através de atendimento on-line que permite a conversa em tempo real e tem por objetivo esclarecer as dúvidas pedagógicas, podem contar também com materiais interativos, ambientes de leitura e usufruem de espaços que oportunizam momentos de discussão e nesse momento que os professores recebem o retorno da obsorção do aluno ao conteúdo proposto.

Vimos que o processo de ensino aprendizagem deve ser contínuo e que o professor não é mais o centro, ele tem a função primordial de estimular, motivar, orientar o cursista em acreditar em sua capacidade de organizar sua atividade acadêmica e de autoaprendizagem, a motivação e incentivo são elementos que contribuem para o impulso e a descobertas de novas perspectivas do conhecimento e o para que o êxito possa alcançado nos estudos é fundamental organiza-se. Essa atitude ajuda a combater o hábito de adiar as tarefas a serem realizadas.

Paulo Freire comenta algo importante sobre a educação, “ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo”, e os ambientes virtuais de aprendizagem são parceiros nesse processo de troca de conhecimento, graças às valiosas ferramentas de interação disponíveis. Há a necessidade da compreensão que os Ambientes virtuais de aprendizagem e suas ferramentas é um instrumento que auxiliam o professor em sua prática de ensino e aprendizagem e não o substitui e sim completa servido de mais um recurso que o professor tem na transmissão ou troca de conhecimento conforme Paulo Freire descreve em suas palavras citadas, porém cabe ao professor sempre por dentro das novas mídias, assim o professor poderá acompanhar o aluno nos possíveis problemas que o mesmo venha a ter com o ambiente e irá mediar o conhecimento.

O papel do professor na modalidade a distância é essencial para o sucesso da aprendizagem do aluno. Independente do papel que esteja exercendo em determinado momento, motivador, autor, gerenciador dos ambientes virtuais de aprendizagem, o conjunto de suas ações determinará a qualidade e o sucesso do curso. A modalidade de educação a distância, por sua própria estrutura, incentiva o aluno a desenvolver sua autonomia, ser independente, responsável por sua própria aprendizagem. Estas competências aumentam o nível de exigência destes alunos desencadeando um processo contínuo de busca pela melhoria da qualidade e novas estratégias de aprendizagem.

Ao desenvolver tais iniciativas essenciais para construção conhecimento, você mostrará ser ativo, autônomo, disciplinado responsável e o sucesso virá em consequência ao empenho aplicado. Muitas são as contribuições da tecnologia no processo de ensino e aprendizagem, porém é necessário que adotemos uma postura mais ativa, não sendo preconceituoso com as novas tecnologias e procurar nos manter atualizado com as novas mídias, pois somente com essa postura a tecnologia estará a favor dos processos educacionais e os objetivos pedagógicos serão atingidos.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALAVA,Séraphin. Ciberespaço e formações abertas: rumo a novas práticas. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BARBOSA, Rommel Melgaço (org.). Ambientes virtuais de aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2005.

BOURDIEU, Pierre. Escritos d Educação. Organização: Maria Alice Nogueira, Afrânio Catani. Rio de Janeiro, Vozes, 1998.

BELLONI, M.L. Educação a Distância, Campinas: Autores Associados, 2003.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede, São Paulo: Paz e Terra, 1999.

COELHO, Ricardo P. “Escola no Ciberespaço: Vale a Pena?”. Jornal da Ciência, ano 14, nº437. Rio de Janeiro, SBPC, 9 de junho 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

LÉVY, Pierre. As Tecnologias da Inteligência: O Futuro do pensamento na era da Informática, SP, Ed. 34, 1996.

MAIA, Carmen; MATTAR, João. ABC da EAD: a educação a distância hoje. São Paulo: PerarsonPratice Hall, 2007.

MOORE, Michael; KEARSLEY, Greg. Educação a distância: um visão integrada. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

PRADO, Maria Elisabette. “A Mediação Pedagógica: suas relações e interdependências.”In: Anais do XVII Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. Brasília, 2006.

QUIVY, Raymond, CAMPENHOUDT, Lucvan. Manual de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva, 1992.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de, Das técnicas - Variações sobre a técnica de gravador no registro da informação viva, São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas / USP, 1983.

RAMOS, Mozart Neves. “As Universidades Corporativas”. Jornal da Ciência, ano 14, nº442. Rio de Janeiro, SBPC, 2000.

SILVA, Marco. Educação online: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

SIMONSON, MR.: THOMPSON, A. Educational Computing Foundations. Upper Sadlle Rover, New Jersey: Prentice Hall, 1997.


Angela de Novais Santos - Graduanda em Pós- Graduação Educação a Distância: Gestão e Tutoria – Universidade Leonardo da Vinci- UNIASSELVI, Polo Teixeira de Freitas - BA.

Elifas Alves Viana JuniorGraduado Ciências Contábeis (Bacharel) Especialista em Tutoria Educação a distância -(orientador).


Publicado por: ANGELA DE NOVAIS SANTOS

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola