Topo
pesquisar

Conceitos e noções elementares de estatística: uma experiência vivida no estágio supervisionado em matemática

Educação

Confira aqui um artigo que relata uma experiência vivida no estágio supervisionado em matemática.

RESUMO

Esse trabalho tem como principal objetivo relatar as experiências vivenciadas no componente curricular de Estágio Supervisionado II do Curso de Licenciatura em Matemática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), campus de Cedro. As atividades de regência de sala de aula realizaram-se na Escola Municipal de Ensino Infantil e Fundamental Leandro Alves Correia, mantida pela Prefeitura Municipal da cidade de Cedro, estado do Ceará que está localizada na comunidade de Agrovila na zona rural do município de Cedro, precisamente com alunos da turma do 9º ano que se constituía de oito alunos do sexo masculino e dez alunas do sexo feminino. Durante esse processo, foi possível verificar os grandes desafios que fazem parte da educação sistematizada. Por meio dessas experiências foi oportuno refletir sobre práxis educativa destacando o processo de ensino e aprendizagem de matemática e os saberes necessários para desenvolver a atividade de ensinar. Conclui-se apresentando a disciplina de Estágio II como um importante componente curricular na formação inicial de professores de matemática.

PALAVRAS-CHAVE: prática de ensino, regências, sala de sala, educação, aprendizagem matemática

ABSTRACT

This work has as its main objective to report the experiences experienced in curriculum component supervised apprenticeship II Curso de Licenciatura in Mathematics of the Federal Institute of Education, Science and Technology of Ceará (IFCE), Cedro campus. Conducting activities of classroom in school were children's education and Fundamental Municipal Leandro Alves Correia, maintained by the City Hall of Cedro City, State of Ceará in the Northeast region which is located in the community of Agrovila in rural municipality of cedro, with students of the 9th year constituted of eight male students and female students. During this process, it was possible to check the major challenges that are part of systematic education. Through these experiences was appropriate to reflect on educational practice emphasizing the process of mathematics teaching and learning and the knowledge needed to develop the activity to teach. It is showing the discipline of Etage II as an important curricular component in the initial training of teachers of mathematics.

KEY-WORDS: teaching practice, regencies, living room, education, learning mathematics

1. INTRODUÇÃO

Aprendizagem acontece quando há uma mudança de comportamento do individuo, uma não aceitação do que é posto pela sociedade, a educação que transforma que faz gerar um olhar crítico nos discentes. O estágio supervisionado proporciona aos futuros professores esses múltiplos olhares, diversas facetas que permeiam os corredores de inúmeras escolas do nosso município e região. Diante desses pressupostos, a disciplina de Estágio II tenta fazer a conexão entre o(a) futuro(a) educador(a) e a sala de aula, propiciando aos estagiários compreender a prática de ensino em matemática; o planejamento e a execução de aulas; a relação professor aluno; a socialização e absorção de conhecimentos matemáticos, dentre outras situações que fazem parte do cotidiano do exercício da docência.

Esse artigo tem como objetivo relatar as experiências do estagiário e alunos da E. M. E. I. F Leandro Alves Correia, turma do 9º ano. Essas experiências foram derivadas de uma sequência de aulas, cujo conteúdo era noções de estatística. Esse tema abordado era o primeiro conteúdo programático curricular do ano letivo de 2013 da referida escola. As aulas ministradas pelo estagiário ocorreram na primeira semana de aula sobre um conteúdo considerado por muitos professores fácil de explicar para os discentes.

Neste, mostra-se ainda a importância de aulas planejadas e relacionadas ao cotidiano dos educandos. Desse modo, o assunto foi trabalhado de forma que pudesse atrair atenção dos alunos e os deixassem curiosos em relação ao conteúdo, despertando interesse para a promoção de bom desempenho nas atividades sugeridas em sala de aula.

Foi explicado aos discentes que a estatística como um ramo da matemática é importantíssima, fundamental nos dias atuais, pois a cada dia a ciência e a tecnologia avançam cada vez mais rápidas, sendo preciso estipular tempo, ações, reações, dados especiais, enfim, diversas ações que envolvem os dias dos contemporâneos. Como não era viável ensinar todo o conteúdo em uma única aula, visto do tempo, somente 50 minutos, as aulas foram redimensionadas por tópicos, assim, era possível trabalhar os mesmo conteúdos em aulas posteriores, facilitando à aprendizagem dos alunos, a avaliação, a prática dos exercícios e dentre outros itens.

Por meio das aulas, foi possível fazer a descrição entre a teoria e prática, onde o estagiário tem a oportunidade de começar a escrever sua própria história, pois no Estágio Supervisionado II o licenciando inicia o seu percurso no magistério, ou seja, terá a oportunidade de conhecer as diversas práticas realizadas dentro de um espaço onde propicia uma aprendizagem importantíssima para o começo profissional do estagiário, podemos dizer que a prática do Estágio é uma segunda faculdade, pois o licenciando irá fazer a ligação entre a teoria e a sua própria prática.

Enfim, esse trabalho auxiliou tanto a aprendizagem dos alunos da E. M. E. I. F Leandro Alves Correia como a formação inicial do Licenciando em Matemática. Os discentes da referida escola tiveram a oportunidade de conhecer um saber matemático que é utilizado por grandes institutos de pesquisa, tanto aqui no Brasil como em outros países.

2. CONTEXTUALIZANDO O CAMPO DA EXPERIÊNCIA

As atividades de regência de sala de aula realizadas no Estágio II foram executadas na Escola Municipal de Ensino Infantil e Fundamental Leandro Alves Correia que é um órgão público mantido pela Prefeitura Municipal da cidade de Cedro, estado do Ceará que está localizada na comunidade de Agrovila na zona rural do município de Cedro. Essa localidade tem como principal fonte de renda a pesca e a agricultura familiar. Os moradores se organizam por meio de Associações Comunitárias e Criatórios de Alevinos e de Aves.

A escola está localizada a 20 quilômetros da sede do município de Cedro, tem como ponto de referência a Unidade Básica de Saúde e o comércio local. A escola foi construída no ano de 1998 e, por conseguinte, foi inaugurada no dia 08 de março do mesmo ano. A escola dispõe de uma diretora, uma coordenadora pedagógica, uma secretária escolar, quatro auxiliares de serviços e nove professores, distribuídos nos turnos manha e tarde. O ambiente escolar constitui-se de sete salas de aula, laboratório de informática, dois banheiros, uma sala da direção (Núcleo Gestor), uma cantina e um almoxarifado. A escola encontra-se em ótimo estado de conservação proporcionando um ambiente propício para o desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem dos discentes regularmente matriculados.

As atividades de estágio realizaram-se na turma do 9º ano que se constituía de oito alunos do sexo masculino e dez alunas do sexo feminino. Os educandos são oriundos de famílias de baixa renda e demonstravam falta de motivação para as atividades escolares, principalmente, para o conhecimento matemático, a desmotivação pode dificultar o trabalho do professor, e consequentemente, o processo de ensino e aprendizagem. Como se sabe o trabalho docente é algo desafiador, pois o professor desempenha “um conjunto de funções que ultrapassam a tarefa de ministrar aulas” (VEIGA & D’ÁVILA, 2008, p. 13). Com isso, o ambiente escolar deve ser o espaço que o estagiário desenvolverá sua identidade para o exercício da docência. Conforme Veiga & D’Ávila (2008, p.18)

[...] a identidade docente é uma construção que permeia a vida profissional desde o momento de escolha da profissão, passando pela formação inicial e pelos diferentes espaços institucionais onde se desenvolve a profissão, o que lhe confere uma dimensão no tempo e no espaço.

De fato, o estágio supervisionado proporciona ao licenciando em matemática – futuro professor – diferentes espaços e práticas de ensino na formação inicial do professor. Por isso a importância dessa disciplina na formação profissional do professor.

Para o efetivo desenvolvimento das atividades escolares, o núcleo gestor sempre se colocou a disposição para a condução dos trabalhos a serem realizados na instituição apoiando os professores e apoiando as ideias dos mesmos.
A comunidade escolar norteada por princípios de gestão democrática escola, por meio de reuniões, incentiva a participação dos pais na tentativa de estabelecer diretrizes para a promoção da aprendizagem satisfatória de todos os educandos. No dia a dia escolar, o núcleo gestor auxilia os professores com materiais didáticos e planejamentos que envolvem todos, sempre enfatizando os objetivos buscados ao longo do ano letivo, orientando os professores para que possam efetivamente dialogar com os educandos e seus pais.

Esses pontos merecem destaque, pois diante da experiência vivida o estagiário(a) pode perceber a realidade do campo de trabalho que atuará.

3. RESULTADOS DA EXPERIENCIA

A primeira aula ministrada pelo aconteceu no dia 04 de Março de 2013 e teve como assunto – Noções elementares de estatística. Esse conteúdo seria trabalhado no decorrer das primeiras semanas de aula. O primeiro conteúdo programático foi Média aritmética. Os alunos ficaram perguntando o porquê de iniciar com aquele conteúdo, seria o motivo de ser o primeiro conteúdo do livro? Então foi esclarecido para os educandos que todo conteúdo programático é sugerido por uma matriz curricular. Diante do exposto, surgiram às primeiras perguntas direcionadas ao estagiário, a principal foi relacionada aos motivos que levam um jovem a escolher a profissão de professor, já que esta profissão é considerada por muitos, algo difícil nos dias de hoje. Diante da interrogação, procurou-se responder aos discentes que a docência tem seus encantos mesmo com todas as dificuldades que se apresentam no cotidiano da profissão.

Não nos tornamos professores da noite para o dia. Ao contrário, fomos constituindo essa identificação com a profissão docente no decorrer da vida, tanto pelos exemplos positivos, como pela negação de modelos. É nessa longa estrada que vamos constituindo maneiras de ser e estar no magistério (LIMA, 2012, p.39).

O conteúdo Média Aritmética e Ponderada é uma ramificação de Estatística (Conjunto de métodos utilizados para a obtenção de dados, sua organização em tabelas e gráficos e suas análise), esse fato foi esclarecido para os alunos, a importância da ligação entre o conteúdo e o cotidiano dos mesmos.

Nos primeiros dias de aula mostrou-se a média aritmética como conhecimento importante para a interpretação de dados coletados por meio de diversas pesquisas realizadas por instituições como IBGE, IBOP, dentre outras. Nos dias atuais essa ferramenta é utilizada por empresas, escolas e até mesmo por nós, no nosso dia a dia. Após a exposição, os alunos disseram que esse conteúdo é de fácil absorção, visto a aplicabilidade do mesmo como foi apresentado em parágrafos anteriores.

É importante que os alunos tenham consciência que os conteúdos estudados na escola possuem utilidades fora das quatro paredes de uma sala de aula, e essas relações que podemos fazer entre o conteúdo e o cotidiano se faz presente em um bem organizado “plano de aula”, vista da importância do mesmo para uma aula atrativa e que gere um despertar critico dos alunos. Dessa maneira, o professor irá utilizar-se da interdisciplinaridade, algo que é possível fazer quando se ministra aulas de matemática. É importante utilizar-se do tempo da aula para a realização de uma aula atrativa e dinâmica. Conforme Libâneo (1994, p.241) na elaboração de um plano de aula:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

[...] deve-se levar em consideração, em primeiro lugar, que a aula é um período de tempo variável. Dificilmente completamos numa só aula o desenvolvimento de uma unidade ou tópico de unidade, pois o processo de ensino e aprendizagem se compõe de uma sequencia articulada de fases: preparação e apresentação de objetivos, conteúdos e tarefas; desenvolvimento da matéria nova; consolidação (fixação, exercícios, recapitulação, sistematização); aplicação; avaliação. Isso significa que devemos planejar não uma aula, mas um conjunto de aulas.

Como ressaltou Libâneo, o professor tem como principal tarefa o planejamento diário de suas aulas. O estagiário precisa adequar-se a esse instrumento de trabalho, sendo inadmissível entrar em uma sala de aula sem uma preparação prévia, mesmo o professor tendo certa bagagem de conteúdos, anos de sala de aula, precisa planejar as atividades que serão desenvolvidas no ambiente escolar. O estagiário como futuro professor precisa adquirir esses conhecimentos para o desenvolvimento da atividade docente.

Em seguida, apresentou-se a exposição no quadro da definição de Média Aritmética que é a soma de n números divididos por n. Para melhor compreensão dos alunos apresentou-se o seguinte exemplos: As idades dos jogadores titulares de uma equipe de basquete são: 25 anos, 27 anos, 22 anos, 30 anos e 31 anos. Qual é a idade média dos jogadores titulares dessa equipe?

Esse exemplo é algo simples, de fácil entendimento, na resolução basta aplicar a definição vista anteriormente: = = 27, logo pelo princípio da média aritmética temos que média de idade dessa equipe é de vintes e sete anos.

Diante do exemplo apresentado, os alunos perceberam que o conteúdo era fácil e afirmaram ainda que, possivelmente, a maior dificuldade seria na divisão dos números. Percebeu-se que alguns alunos apresentam dificuldades com as operações aritméticas, o que dificulta a compreensão e desenvolvimento do conhecimento matemático ao logo da vida estudantil dos educandos. A assimilação dos conteúdos pode ser dificultada quando o aluno não domina as operações matemáticas básicas, isso pode acarretar uma série de problemas em diferentes momentos da vida estudantil.

Após todas as explicações e indagações dos alunos, realizou-se uma breve revisão e sugeriu-se uma lista de exercícios para que os discentes pudessem praticar e fixar a aprendizagem do conteúdo estudado. Nesta primeira vivência “um dos primeiros impactos é o susto diante da real condição das escolas e as contradições entre o escrito e o vivido, o dito pelos discursos oficiais e o que realmente acontece” (PIMENTA, 2012, p.103). Diante das dificuldades relacionadas aos conhecimentos prévios dos alunos, precisou-se sempre revisar as principais operações básicas da matemática, por meio de exercícios realizados na sala de aula e em casa.

Visto a dificuldade da maioria dos alunos em dividir números inteiros e fracionários exemplos: ; realizou-se uma breve revisão sobre algumas técnicas de Divisão Euclidiana, exemplos: Todo número que tem como algarismo das unidades um número par é divisível por 2, um número divide 3 quando a soma de seus algarismos for um número divisível por 3, essas e outras maneiras de calcular uma divisão, um auxílio no momento das resoluções das atividades, esse processo pode ser importante na aprendizagem dos alunos.

Durante a experiência, verificou-se que a “falta de base” ou simplesmente a aprendizagem de conteúdos que os discentes não conseguiram aprender em anos anteriores é um fato que prejudica a aprendizagem dos conteúdos em sala de aula, pois também em matemática precisa-se de conhecimentos prévios para prosseguir aprendendo os elementos dessa ciência de valores e de princípios que seguem certa ordem e raciocino lógico matemático. Diante do problema, procurou-se incluir nas aulas momentos de estudo sobre as operações básicas, para que os alunos pudessem se familiarizar com a adição, a subtração, a multiplicação e a divisão, alertando-os para a importância de cada operação e o cuidado com a interpretação de questões que envolvem situações problemas que apresentam essas operações matemáticas, pois algo importante para o sucesso no final dos exercícios é entender para realizar corretamente os cálculos devidos.

Diante da experiência vivida, percebe-se que muitos alunos compreendem de maneira equivocada as resoluções de exercícios matemáticos, talvez porque “[...] o ensino ainda é trabalhado de forma engessada, pautando-se na memorização de definições, fórmulas, equações matemáticas e fatos, bem como soluções padronizadas que não desenvolvem no educando a compreensão do conhecimento matemático” (LIMA & LIMA, 2013, p. 61). Hoje, cada vez mais, precisa-se estimular o raciocínio dos alunos e não somente a decodificação de fórmulas, muitas vezes sem sentido para os mesmos.

Em todas as aulas realizou-se uma breve revisão das operações fundamentais, verificando as respostas dos exercícios e as técnicas de divisibilidade. Para verificar a aprendizagem dos alunos a professora sempre pediu para recolher o material dos alunos, com o objetivo de verificar se os mesmos tinham realizado o exercício proposto, como também a importância da prática e da participação nas aulas. É importante ressaltar que no período de regência de sala de aula, o estagiário está aprendendo como comportar-se diante da turma, como conduzir as atividades didáticas, dentre outros.

Na aula do dia seguinte, prosseguiu-se com o a continuação do conteúdo programático – Média aritmética simples e média aritmética ponderada. Como a utilização de exemplos é um do método eficaz para a fixação do conteúdo, apresentaram-se os seguintes exemplos:

? Exemplo 1: O professor não atribui pesos diferentes para as notas. Nesse caso, pode-se calcular a média de certo aluno adicionando-se as três notas e dividindo-se o resultado por.
= . Logo, o número 6,0 é chamado média aritmética simples.

? Exemplo 2: Quando o professor atribui pesos diferentes para cada nota, muda-se também a estrutura do cálculo, a nota da 1ª prova tem peso 3; a nota do trabalho de pesquisa tem peso 2; a nota da 2ª prova tem peso 5. A média é calculada assim: = . Nesse caso, o número 5,7 é chamado média aritmética ponderada.

Os dois exemplos trabalhados ajudaram os discentes a entender melhor o que significa média aritmética. A partir de exemplos que expressam a realidade dos alunos foi possível trabalhar o conteúdo de maneira acessível, pois em situações posteriores os alunos utilizaram a própria média e a média de colegas da turma para calcular as notas das avaliações. Aqui se destaca a importância da relação existente entre teoria e prática, o aluno aprendeu facilmente o conteúdo por conta da sua ligação com a prática. Na profissão docente acontece o mesmo, quando “compreendemos que a relação teoria/prática é importante no Estágio, entendendo que a teoria ilumina a prática e esta é ressignificada pela teoria” (LIMA, 2012, p.42).

Diante dessas vivências, verificou-se a importância do estágio supervisionado, uma disciplina de cunho teórico e prático, que propicia aos futuros professores reflexões e momentos de aprendizagem.

CONCLUSÃO

Toda e qualquer prática referente à experiência educacional, é de fato bem vinda para um futuro educador (a). Na elaboração e organização dos relatórios a gama de conhecimentos adquiridos pelos alunos do curso de Licenciatura em Matemática foi de extrema relevância. Diante das aulas que foram ministradas na referida escola, ao longo do primeiro semestre letivo de 2013, constatou-se que a prática escolar é um universo complexo que vai se conhecendo na medida em que se mantém contato com o fazer diário da instituição escolar e com os alunos da instituição.
Os discentes ressaltaram a grande importância de uma aula atrativa, apesar das dificuldades da escola, da região a qual está localizada, segundo os discentes e as avaliações, o nível de aprendizagem foi satisfatório. É nesse aspecto que se torna tão relevante a disciplina de estágio, novas aprendizagens, e algo importante, a reciprocidade que existe entre o aprender-aprender. Tanto os alunos aprendem, como o jovem professor. Todos esses momentos são fatores decisivos na formação do futuro docente. A convivência dentro da sala de aula com os alunos foi de uma importância indescritível, pois diante das experiências, o ser humano consegue aprender e crescer cada vez mais de forma inteligente, sábia.

Mesmo com todos os esforços dos educadores, educandos e núcleo gestor, as dificuldades se fazem presentes nas instituições de ensino. Um dos principais problemas verificado foi à falta de apoio dos pais, ausência de acompanhamento que pode interferir na aprendizagem. Diante dessas vivências, pode-se afirmar que tais observações poderão contribuir para a formação inicial do professor. Evidencia-se também que o docente que se acomoda e não busca aprender continuamente pode se distanciar do novo que está presente no cotidiano. Por isso, recorreu-se a Veiga & D`Ávila (2008, p.38) quando afirma que “a prática docente é, portanto, um lócus de formação e produção de saberes”.

Portanto, conclui-se que a disciplina de Estágio II é um importante componente curricular na formação inicial de professores de matemática, pois as aulas que foram relatadas mostraram que a produção do conhecimento deve se dá, não somente entre as quatro paredes de uma sala de aula, mais também, na dinâmica de totodo o trabalho desenvolvido pela instituição de ensino, juntamente com professores e alunos.

AGRADECIMENTOS

A E. M. E. I. F. Leandro Alves Correia e ao Professor Francisco José de Lima por ter acreditado nesse trabalho.

REFERÊNCIAS

1. D’ÁVILA, C. M. & VEIGA, I. P. A. Profissão docente: Novos sentidos, novas perspectivas. ln. D’AVILA, C. M. (Org.) Docência como atividade profissional. Campinas – SP: Papirus, 2008.

2. GIOVANNI JÚNIOR, J. R. CASTRUCCI, B. A conquista da matemática. São Paulo: FTD, 2009.

3. LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

4. LIMA, F. J. & LIMA, I. B. Epistemologia da prática e tecnologias digitais aplicadas ao ensino: um enfoque na formação em serviço do professor de matemática. In. LIMA, I. B. (Org.) Didática, educação ambiental e ensino de ciências e matemática: múltiplos olhares. Fortaleza: EdUECE, 2013.

5. LIMA, M. S. L. Estágio e aprendizagem da profissão docente. Brasília: Liber Livro, 2012.

6. PIMENTA, S. G. & LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2012.


Publicado por: Joaquim de Souza Campos

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola