Topo
pesquisar

Aulas bem planejadas:Êxito no processo ensino-aprendizagem

Educação

Uma reflexão sobre aulas bem planejadas no processo ensino-aprendizagem.

Tem razão Rubem Alves, em sua filosofia culinária da educação: “O professor deve preparar sua aula, da mesma maneira que o chefe de cozinha prepara sua comida... tem que ser prazeroso!”

Planejar, preparar uma aula é uma tarefa docente bem delicada, pois é fundamental refletir sobre como o aluno irá entender, ou melhor, compreender o conteúdo dessa aula.

A ausência de planos de aulas pode trazer como consequência aulas monótonas e desorganizadas, ocasionando o desinteresse dos alunos pelo conteúdo e tornando as aulas desestimulantes.

O professor ao planejar sua aula precisa ter em mente algumas questões, tais como:

* O que eu quero que meu aluno aprenda com este conteúdo? 

* Para que ele precisa aprender ?

* O que ele vai fazer com este aprendizado?

* Quais são os objetivos que desejo alcançar com o aluno?

* De que forma vou avaliar a aprendizagem de meu aluno?

       “Atividades criativas, a capacidade de manter os alunos interessados e, mais que isso, cumprir com eficiência o dever de ensinar é o papel de qualquer plano de aula.”

Respondidas as questões é hora de planejar as atividades com bom senso e criatividade, imaginando o quanto será prazeroso para o aluno e para o professor esse momento de aprendizado.

Sim, também para o docente! O professor precisa sentir um calor brotando do seu peito e um prazer em trabalhar aquilo que o aluno vai experienciar  nessas horas do convívio com o conhecimento. Conhecimento este que deve ser significativo para ambos: aluno e docente!

Por anos acreditou-se que o professor era o detentor do conhecimento e, assim, ele estaria qualificado para transmitir seus saberes. A criança era percebida como uma “tábula rasa” na qual os conhecimentos precisariam ser introduzidos: o aprendizado acontecia  de fora para dentro dela.

Mesmo estando no ano de 2014, muitos professores ainda pensam desta forma, não reconhecendo que o aluno traz dentro de si conhecimentos adquiridos por meio de sua vivência com as brincadeiras,  trocas com os amigos, com olhos atentos ao mundo que o cerca. Ora, o mundo está repleto de informação e isto acontece  desde que o mundo é mundo.

Ainda hoje vemos professores enchendo suas lousas de informações, informações estas que estão nos livros, nos computadores e fora dos muros das escolas. Então, por que não explorar, aproveitando o que o aluno tem para dizer, o que sabe sobre aquele determinado assunto?

Sim, o professor precisa perguntar ao seu aluno:

“O que você sabe sobre esse assunto que iremos estudar ou pesquisar?”

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Certamente, os olhos deste aluno irão brilhar e buscará dentro de si o que ele já viu, leu ou escutou sobre o tema em pauta. Se ele não tiver uma resposta, com certeza terá hipóteses e assim o interesse ganhará um espaço bem maior dentro dele.

Muito já se comentou sobre: “O professor tem que ser o mediador do conhecimento e não o detentor.” Ele não pode pensar que tem certeza de tudo. Todos que têm certeza de algo, podem se tornar pessoas intolerantes e, dessa forma, perdem a oportunidade de “voar”, de aprofundar ou enriquecer o seu conhecimento.

Agindo desta maneira,  o professor poderá provocar um bloqueio na maneira de pensar do aluno que, provavelmente, perderá o interesse no aprendizado.

Por isso, é essencial que o professor prepare seu aluno para experimentar – e perceber – que o conhecimento é algo delicioso!

Sim, o conhecimento se tornará saboroso, desde que o professor deixe seu aluno “entrar com sua colher e participar desta delícia!”  Mas, como conseguir isso? Certamente,  professor e aluno juntos, buscando, participando, fazendo, opinando, concordando, discordando...

Temos hoje um mundo cercado de dinamismo, onde tudo acontece com a velocidade da luz. As informações chegam e se modificam antes mesmo de podermos esmiuçar e “degustar” aquela nova teoria... “Colher parada na panela faz a receita azedar...”  Professor preocupado somente com a lousa cheia... lá se foi a informação,  que não mais é verdadeira... tornou-se obsoleta, ultrapassada!!!

E, se o mundo caminha com tanta rapidez, tentar manter o aluno como mero espectador das maravilhas do conhecimento, o desencorajará a lançar-se em seu próprio desenvolvimento, mesmo porque, desta forma, muito pouco terá a desenvolver.

A escola se tornará um ambiente que caminha na contra mão da evolução do pensamento e isto não mais é possível.

 O aluno precisa perceber-se capaz, sentir-se valorizado em suas hipóteses, caminhar lado a lado do mestre, que deste modo, poderá sim ser chamado de mestre, por estar possibilitando aprendizagens significativas e duradouras, capazes de se transformar em outras tantas!

Portanto, o bom planejamento das aulas aliado à utilização de novas metodologias (filmes, mapas, poesias, músicas, computador, jogos, aulas práticas, atividades dinâmicas etc.) contribui para a realização de aulas satisfatórias em que os estudantes e professores se sintam estimulados para o processo ensino-aprendizagem. Pode ser um grande momento gastronômico, pois um cardápio que agrade o cliente é receita de sucesso!

Finalmente, como diz Rubem Alves: “Todo professor deveria passar por uma cozinha antes de começar a lecionar”.  

Bom apetite, mestre!


Publicado por: Beatriz Solera

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola