Whatsapp

ALFABETIZAÇÃO COMO PROCESSO DE FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DA CRIANÇA

Educação

Educação básica, alfabetização e processo de formação da identidade da criança.

ALFABETIZAÇÃO COMO PROCESSO DE FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DA CRIANÇA

Muito se tem discutido acerca do processo de alfabetização. Essa temática promove infinita discussões, pois muitos veem tal processo como forma de mudança na vida do indivíduo. Devido a isso inúmeros estudos vem acontecendo com o objetivo de inová-lo, e assim, atender todas as crianças, independente da dificuldade de aprendizagem que possua.

Há décadas, o país vem travando uma luta contra o analfabetismo, com o intuito de mudar a realidade social de diversas famílias, que se encontram inseridas no universo da pobreza. Como é do conhecimento, ao longo de toda a história diversas famílias vêm sendo excluídas devido as condições econômicas e intelectuais que são propagandas de pai para filho. É necessário mudar esta realidade!

Sabe-se que dentro do processo, as diversidades surgem, mas não devem ser barreiras para o desenvolvimento das habilidades de leitura e escrita. A alfabetização não pode ter nas adversidades uma barreira para o desenvolvimento da criança. Como base do desenvolvimento cognitivo, tal processo deve se solidificar mesmo em terreno arrido e com fertilidade comprometida. É preciso acabar com esse paradigma que existem crianças que não se desenvolvem. O que irá determinar isso é, apenas, as metodologias e os recursos utilizados durante as atividades pedagógicas.

A identidade humana tem no desenvolvimento da leitura e escrita um importante recurso para a sua formação, pois através das atividades de leitura a criança irá compreendendo o seu papel no mundo e ao mesmo tempo irá desenvolvendo as suas habilidades motoras e sensórias. Além disso, com base nas atividades de alfabetização a criança pode interagir com outros padrões culturais o que irá proporcionar novos conhecimentos e novas habilidades.

Por que pensar que a alfabetização tem responsabilidade em tal papel?

Haja vista que a criança antes deste processo tem o seu contato limitado a familiares e amigos. Isso restringe a troca de conhecimento e a assimilação de valores culturais, visto que em geral, as pessoas que já fazem parte do círculo de convivência, possuem uma cultura similar àquela na qual a criança está inserida.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Convém lembrar que a inserção da criança no ambiente escolar irá colocá-lo em contado com uma diversidade de cultura, raças e etnias. Isso oportunizará a sua formação diante de valores antes não conhecido. Esse contato não só contribuirá com o seu conhecimento, bem como, a formação da sua identidade pessoa, pois estará agregando a sua vida valores e conhecimentos que, talvez, não encontre na interação familiar.

Esse campo plural do ambiente escolar é recurso imprescindível para o desenvolvimento cognitivo da criança. Já que ele é um ambiente de conhecimento múltiplo. E estar nele e proporcionar a interação das crianças é a mais rica tarefa do ambiente escolar, já que cada aluno traz consigo uma carga de conhecimento familiar, e a interação oportunizará a troca de saberes. Seja durante as atividades ou até mesmo nas brincadeiras.

A sociedade é uma miscigenação de povos, raças, culturas e etnias. A partir do momento que cada criança interage com o seu colega no ambiente escolar, ela aprende a respeitar as diferenças, os valores culturais e assim poderá se distanciar de qualquer tipo de preconceito que possa excluir os membros da nossa sociedade

As atividades grupais (jogos e brincadeiras) na sala de aula, irá oferecer esse contato com os indivíduos e com base nele haverá uma interação cultural entre os futuros membros da sociedade. Desse modo, poderemos acreditar que será formado uma sociedade mais igualitária.

Pensando, ainda, no processo de alfabetização, esse contato também contribuirá para que cada aluno desenvolva, ou aprimore, as habilidades de leitura e escrita. Com isso podemos concluir que, uma sala heterogênea é um dos mais valiosos recursos que deve ser usado para garantir o direito de aprendizagem de cada criança.

REFERÊNCIAS

MARTINS, Anita. Alfabetização como processo de formação da identidade da criança. 2019.

[1] Professora alfabetizadora. Formada em pedagogia com especialização em Orientação Educacional.

 

Anita Martins[1]


Publicado por: ANITA MARTINS

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do site por meio do canal colaborativo Meu Artigo. O Brasil Escola não se responsabiliza pelo conteúdo do artigo publicado, que é de total responsabilidade do autor. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.