Topo
pesquisar

A proposta de Ziraldo

Educação

Dom da escrita, proposta de ziraldo para a educação, como é o ensino fundamental no Brasil, os primeiros 3 anos de escolaridade.

Certa vez uma vestibulanda desesperada com seu fraco desempenho nas redações me disse que não sabia mais o que fazer, pois havia chegado à conclusão que não tinha o “dom de escrever”. Tentando dissuadi-la desta idéia um tanto comodista da falta de dom, perguntei qual teria sido o último livro que ela havia lido por prazer. Pausa. Na verdade, uma longa pausa antes que a garota dissesse um “sei lá” como quem se envergonha de ter lido apenas um ou dois livros durante toda a vida.

Então lembrei a ela aquela velha história do homem que pedia a seu santo de devoção uma forcinha para ganhar uma bolada na loteria. Fervoroso, acreditava realmente que viria uma ajuda do Céu para seu pedido tão sincero. Mas ela não vinha e ele continuava na mesma miséria de sempre. Queixando-se para um amigo de ter sido abandonado pelo santo e pela sorte, ouviu dele a única observação possível: “como é que você quer uma mãozinha lá de cima se nem o bilhete da loteria você compra?”
Considerando-se a existência do dom (que é entendido normalmente como uma determinada qualidade que cada um já traz ao nascer), mesmo assim ele precisa ser lapidado para florescer. Saber escrever é, antes de tudo, o resultado de um exercício como outro qualquer. Requer teoria porque ela é a bagagem onde se guarda o conteúdo que sai em forma de escrita. No entanto, não há teoria que se sustente sem prática. E muita prática, diga-se de passagem, se o objetivo é um aperfeiçoamento cada vez maior. Há algum tempo a cantora Gal Costa comentou com o pianista Arthur Moreira Lima que daria a vida para tocar tão bem quanto ele. “Eu dei”, disse o músico.

A essa altura o leitor deve estar se perguntando o que tudo isso tem a ver com Ziraldo e com qualquer proposta que ele tenha feito. Certa vez li um ótimo artigo do escritor em uma coluna que ele assinava semanalmente no jornal Estado de Minas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Constatando o quanto as novas gerações cada vez mais se afastam dos livros e, consequentemente, do ato de escrever, o “pai do Menino Maluquinho” fez uma proposta simples e direta: “centrar parte do Ensino Fundamental – da alfabetização até os três primeiros anos de escolaridade – em apenas três pontos: 1- Leitura e Escrita; 2- Aritmética: as Quatro Operações; e 3- Ensino da Regra de Três Simples”.

Ziraldo justifica sua proposta ressaltando que o Ensino Fundamental no Brasil tem sido um “semear sobre pedras”, acrescentando que “não se joga sementes num terreno que não esteja arado”. O escritor e cartunista mineiro ressalta a leitura e a escrita de um jeito que é impossível contestar: “menino tem, antes de tudo, que aprender a ler e escrever como quem respira. Com um detalhe: tem que aprender a gostar de ler, a descobrir que o livro é o melhor amigo...”

Para o estudo da aritmética e da regra de três simples, Ziraldo não é menos preciso ou poético. Ele diz que a tabuada deve ser aprendida como quem aprende a letra de uma canção (“aritmética tem música, será mais fácil de aprender se não a transformarmos em obrigação”) e que as quatro operações são como uma espécie de chave para que a criança saiba se localizar no tempo. Já a regra de três simples é um bom passaporte para quem deseja “se localizar no espaço, saber as proporções do mundo em que habita e ler o mapa da mina”.

Será que um escritor como Ziraldo, que declara ter se apaixonado pelo desenho e pela leitura desde a infância, deve todo o seu talento a um dom que trouxe? Sua biografia e sua vasta obra têm a resposta.


Publicado por: Roberto D´arte

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola