Whatsapp

A PRODUÇÃO DE TEXTOS DE CRIANÇAS EM PROCESSO INICIAL DE ALFABETIZAÇÃO

Educação

Reavaliação das práticas em sala de aula voltadas para a interação verbal, valorização da produção textual dos alunos e consciência por parte dos professores da importância de se aplicar hábitos de leitura e escrita desde o primeiro contato das crianças com a escola.

RESUMO

O artigo tem como objetivo possibilitar a reavaliação das práticas em sala de aula voltadas para a interação verbal que podem valorizar a produção textual dos alunos, com o intuito de promover a consciência por parte dos professores da importância de se aplicar hábitos de leitura e escrita desde o primeiro contato das crianças com a escola. Visando também explicitar que todos nós somos seres dotados do nosso próprio saber, e que cada um possui sua visão de mundo, é importante valorizar cada produção e percepção dos objetos de leitura por parte do receptor, e é através de pesquisa bibliográfica e a técnica do fichamento que serão articuladas contribuições para demonstrar como a inserção dessa prática favorece a aquisição de aspectos cognitivos e evolução pessoal em todas as áreas da vida, inclusive fora do espaço escolar. Além da observação, através da pesquisa de campo possibilitada pelos estágios obrigatórios presentes na grade do curso, e aplicação dos projetos desenvolvidos.

Palavras chave: Alfabetizando com textos. Escrita. Práticas escolares. Produção textual. Leitura.

1 INTRODUÇÃO

Com o intuito de se aplicar hábitos de leitura e escrita desde os primeiros contatos das crianças com a escola, o presente artigo tem o objetivo de mostrar que incentivar a prática da escrita e leitura em salas de aula deve ocorrer com as crianças em processo inicial de alfabetização (educação infantil e primeira fase do ensino fundamental).               

Por meio das pesquisas bibliográficas é possível compreender como a prática de leitura e produção textual desde muito cedo na vida estudantil é capaz de produzir efeitos que perduram por toda vida e auxiliam na vida tanto dentro, quanto fora da escola. Conforme José Juvêncio Barbosa (2013, p. 135) cita e elabora seu pensamento baseado nos dizeres de Nicolas-Antonie Viard, “a leitura é uma espécie de exercício espiritual; treina não para a literatura, mas para a vida”, podemos compreender que a leitura nos possibilita dinamizar o raciocínio, obter conhecimento e nos torna críticos possibilitando um melhor posicionamento diante das mais variadas situações. 

Alguns professores ainda não se habituaram a realizar esse tipo de atividade, seja por falta de informação, falta de costume ou prática, e até mesmo por não levar a sério o papel de educador e transformador de vidas, indo além de contador de histórias e reprodutor de contos de fadas, a fim de superar os problemas sociais e desafios encontrados na execução do ofício como agentes de educação que possibilitam a reconstrução do conhecimento pelo aluno. Segundo Candau (2008, p. 86) “por compromisso entendo o envolvimento, o profundo engajamento com o aluno no plano intelectual e afetivo, o qual deve ser perpassado por uma postura de “paixão”, de “prazer” pelo trabalho”.

Neste contexto, podemos perceber que a formação é de extrema importância na vida dos docentes, e também precisa ser reavaliada para que seja absorvido pelos futuros professores técnicas inovadoras de alfabetização que em sua maioria são simples e fáceis, se trabalhadas de maneira criativa e espontânea.

A importância da inovação das práticas docentes voltadas para a interação verbal e a valorização da produção textual dos alunos é de suma importância para o seu desenvolvimento na relação leitura/oralidade/escrita.

Não devemos esquecer-nos da formação continuada de professores, que permite aos que já estão em classe há muito tempo continuem em atualização e especialização em prol de alterar o futuro da nossa educação. Através do fichamento de várias obras constatamos os valores da leitura e da autonomia que ela nos oferece, pois cada um de nós possui uma maneira única de interpretação.

Assim como toda produção textual, seja o menor rabisco realizado por uma criança da educação infantil que ainda não é alfabetizada, merece ser levado em consideração, pois é uma maneira de se comunicar com o mundo e expressar seus sentimentos. Conforme Emília Ferreiro (2014, p.21), “valorizar cada aspecto gráfico dos textos dos alunos”.

Para Carlos Drummond de Andrade (1942, p. 14), escrever é um trabalho que decorre de articular informações e pensamentos para exteriorizá-los até definir um projeto do que se que dizer aos outros – “lutar com palavras”.

2 A UNIVERSIDADE, A REALIDADE E A FORMAÇÃO CONTINUADA

Na nossa caminhada universitária esbarramos com inúmeros alunos que já são atuantes como docentes e, em muitas das vezes, possuem múltiplas jornadas fora da universidade e do trabalho, o que não facilita uma doação por completo aos conteúdos. Deparamo-nos também com a teoria sendo dilacerada pela prática, pois em muitas das vezes a rotina corrida e agitada impede de se colocar em prática os ensinamentos.    

Vera Maria Candau nos traz a pensar sobre a perspectiva multidimensional no processo de formação de professores que inclui a dimensão humana, a dimensão técnica e a dimensão político-social e o desafio de articular todas elas por meio de práticas que permeiam concretizar os objetivos propostos como docente, contrapondo a saturação do mercado de trabalho, a dissociação da teoria x prática e a ausência de uma formação cultural consistente.

Conciliar a teoria com a prática, ainda como acadêmicos por meio dos estágios obrigatórios nos mostram que a realidade em sala de aula é muito distante da teoria apresentada na universidade, é importante para que todas as teses sejam entendidas como um contexto social e cultural através da experiência e observação. A prática possui a práxis da verdade independente da teoria, mesmo que não fale por si mesma, havendo necessidade da relação teórica. A educação caminha com a intervenção (prática) com o aporte dos conhecimentos necessários (teoria), portanto os estágios são dotados de importância e relevância no processo de formação dos professores, pois segundo Selma Garrido Pimenta (2012, p. 137) “O estágio é um componente do currículo que não se configura como uma disciplina, mas como uma atividade”. Ler discutir, escutar propostas alternativas é diferente de praticá-las e vivenciá-las, e um dos grandes problemas dos cursos de licenciatura é que os futuros professores raramente chegam a vivenciar propostas que foram discutidas.

Voltando às jornadas intermináveis vividas pela maioria das pessoas como mães/pais de família, trabalhadores, estudantes, responsáveis, e etc, fica estampada a falta de tempo para investir em uma formação continuada que poderia ser o ponto principal para repensar as práticas em sala de aula voltadas para uma interação verbal e produções textuais desde muito cedo na vida de nossos alunos. Aos docentes que já estão em classe há muito tempo devem continuar em atualização e especialização constantes em prol de alterar o futuro da nossa educação, mesmo que seja observada que sua ausência no currículo dos professores atuantes não seja por falta de vontade e anseio de crescimento, mas sim pela dificuldade de viver múltiplas jornadas como chefes de família e, os fatores principais para que a formação continuada seja deixada de lado, são atualmente o econômico e a falta de tempo.

A formação continuada é um mecanismo permanente de capacitação, atualização e aperfeiçoamento necessário à atividade profissional, para melhorar a prática docente no intuito de assegurar uma educação de qualidade e a transformação social.

De acordo com Christov (2003, p. 9), “a educação continuada se faz necessária pela própria natureza do saber e do fazer humano como práticas que se transformam constantemente”.

Os profissionais da educação que já estão em atuação dependem também de uma valorização e da recepção de estímulos, pois é notório que há um depósito de responsabilidades engajadas apenas na concepção de que apenas com a prática é possível uma constante atualização.

3 REPENSANDO A PRÁTICA, ENFATIZANDO O SEU VALOR

Estamos imersos na ideia de que a alfabetização que herdamos é única, sem levarmos em consideração a oportunidade de pensar que outros métodos são eficazes. “Trata-se da questão da relação de subordinação conteúdo/metodologia. A ênfase na transmissão de conteúdos culturais universais, como tarefa primordial da escola, leva os “conteudistas” a postularem a primazia dos conteúdos sobre a metodologia”, conforme afirma Vera Maria Candau (2008, p. 113), seguindo a afirmação de Libâneo (1985):

“A questão dos métodos se subordina à dos conteúdos: se o objetivo é privilegiar a aquisição do saber, e de um saber vinculado às realidades sociais, é preciso que os métodos favoreçam a correspondência dos conteúdos com os interesses dos alunos, e que estes possam reconhecer nos conteúdos o auxílio ao seu esforço de compreensão da realidade (prática social)” (p. 40).

A questão da leitura e da escrita surge com uma nova teoria de ensino, onde priorizamos o repertório de conhecimento dos alunos e o leque que possuem de acúmulo em toda sua trajetória de vida que são os responsáveis pela assimilação da teoria explicativa do mundo. Há a necessidade de se discutir opções teóricas para articular as abordagens do processo de ensino-aprendizagem.

O método de ensino é a base do processo de aprendizagem, que consiste em compreender a natureza da representação escrita e o sistema de representação da linguagem através das produções espontâneas da criança.

O ato de produzir, sejam textos ou rabiscos, está ligado à percepção visual, auditiva, coordenação motora e leva tanto a quem produz quanto a quem interpreta a criação de estratégias para atribuir significado a mensagem.

A leitura por si é um ato secreto, pois consta de duas fontes de informação – leitor e autor – que possuem múltiplos significados. A maturidade necessária para se aprender a construir hipóteses ao saber que escrevemos para que alguém leia e nos entenda, vem da prática contínua e incentivada desde muito cedo na vida escolar.

 As crianças só aprendem quando os adultos ensinam, e embutir esse ensinamento é um ato nobre que perdura por toda vida. Valorizar toda produção realizada pelos alunos os incentiva e os auxilia a diferenciar no tempo certo o desenho da escrita.

Emília Ferreiro (2014) nos remete a pensar que devemos

valorizar cada aspecto gráfico dos textos dos alunos, que compreende a qualidade dos traços, a distribuição espacial e das formas, a orientação espacial entre direita e esquerda e em cima e embaixo e que, além de explorarmos o contexto cultural, evoluímos ao dar oportunidade aos alunos de diferenciar o desenhar do escrever, que nos remete a habilidade de aspectos construtivos sujeitos a evolução a cada ano escolar. (p. 21)

Como docente, é de extrema importância adotar e inovar nos hábitos dentro de sala de aula, como objetivo sempre de facilitar a aquisição de aprendizagens globais, humanas e de conteúdos.

Criar um ambiente rico de diversas escritas e pautado de diferentes técnicas de decifrar, produzir e conceituar os textos e suas correlações através da aprendizagem de sentidos e não de respostas predeterminadas de conteúdos sistematizados, em busca de mudanças de práticas em sala de aula, voltadas para a interação verbal, através da valorização da produção de textos.

A leitura nos possibilita dinamizar o raciocínio, obter conhecimento e nos torna críticos possibilitando um melhor posicionamento diante das mais variadas situações, como forma de exercício para a vida conforme defendia Viard, autor do século XVI que elaborou várias propostas de ensino de leitura e escrita sob a concepção de que o domínio da escrita deve ser gradual e progressivo em conjunto de anular as irregularidades da escrita a fim de fazer a criança pensar e não apenas memorizar, compreendendo assim o que é elaborado em busca do sentido do texto através de suas percepções.

Os aspectos afetivos e cognitivos influenciam diretamente no processamento da informação e nos resultados do aprendizado da leitura, pois eles são responsáveis pela compreensão do texto resultante da interação entre os recursos usados pelo leitor durante a leitura (conhecimento prévio, estratégias de leitura) e as características do texto. Isto significa dizer que aspectos afetivos, como atitude e motivação e cognitivos, como habilidades lingüística e cognitiva são representados pelas crenças e conhecimento prévio do leitor, essenciais para a produção de significado.

4 A PRÁTICA NO CAMPO DE PESQUISA

Na disciplina de Estágio em Ensino Médio-Normal modalidade de minicurso de formação continuada para os professores dos segmentos iniciais tive a oportunidade de observar na pesquisa de campo na instituição de ensino escolhida para o estágio, um colégio particular localizado na zona oeste do Rio de Janeiro.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O projeto de leitura e produções textuais foi inserido e todos os resultados pertinentes desse trabalho para promover a prática da representação e autonomia na comunicação desde os anos iniciais escolares foram colhidos de forma imediata juntamente ao objetivo de se observar uma evolução surpreendentemente regular na vida dos alunos no que diz respeito ao processo de produção e interpretação de textos e o papel da leitura na compreensão de mundo.

Incluir o hábito da leitura; estimular a criatividade e a ludicidade; treinar a gramática e a escrita; valorizar as diferentes leituras de mundo dos alunos; favorecer a diferenciação dos alunos do desenhar e do escrever; promover o hábito da escrita e produção textual; incentivar a produção textual e trabalhar a interdisciplinaridade através das histórias e leituras são aspectos que norteiam a escolha pelo caminho da valorização da produção textual em sala.

O projeto citado recebeu o nome de “Re-contação de histórias”, e transcorreu com o professor regente em sala de aula apresentando algumas histórias aos alunos, dizendo apenas o enredo principal e através da votação da turma era escolhida democraticamente a história da semana que seria narrada em voz em alta, e em seguida os alunos teriam a oportunidade de reproduzi-la de forma livre e criativa.

Esse trabalho foi realizado semanalmente e aceito bem por todos os alunos das diferentes turmas. Foi observado que o projeto também serviu como técnica de relaxamento após a volta do recreio, onde todos os alunos faziam silêncio após o alvoroço da escolha da história, em que era a hora de prestar atenção na narração bem entoada da professora.

No momento da reprodução visual/textual do que eles tinham acabado de ouvir, eram observadas autonomia, comunicação, criatividade, além de ser trabalhada a coordenação motora dos alunos do maternal I e II que recontavam suas histórias através de desenhos.

Foram trabalhadas as áreas como a emoção, a inteligência e a percepção, e todas eram transpassadas para o papel dando oportunidade a professora de interpretar o estado emocional do aluno, seu sentimento no momento da atividade, dificuldade ou domínio, e até mesmo a observação de algum problema que o aluno esteja passando por fatores externos que poderia ser sanado apenas com a atenção e carinho dos docentes, ou encaminhado para o profissional competente. 

Aos alunos já em processo de escrita foi solicitado que realizassem uma paródia da história, também de maneira bem divertida e descontraída, o que favoreceu o estímulo da criatividade, a prática da escrita e gramática, além de se trabalhar de maneira interdisciplinar com a turma outras temáticas.

Nesse espaço de liberdade de escrita tudo é expressão, não há limites para a imaginação e essa produção deve ser incentivada, mesmo que de imediato a criança não tenha interesse em representar algo apenas querendo expor sua criatividade explorando os efeitos que seus movimentos realizados produzem, dependendo dos estímulos dos professores para que haja a evolução no desenhar e passem a ter significados, até o desenhar e o escrever serem diferenciados.

Partindo do ponto em realizar atividades significativas e estratégicas a fim de incentivarmos a apropriação da escrita e incluir o hábito da leitura nos alunos, deixando de lado a repetição mecânica e incluindo o embate do acervo de livros x contos de fadas dispostos nas instituições, podemos perceber que o ler e escutar são um meio de alfabetização, pois os alunos passam a gostar de ouvir criando o desejo de aprenderem sozinhos a lerem suas próprias histórias, e dessa forma adquirem experiências significativas.

5 A IMPORTÂNCIA DA LEITURA E DA ORALIDADE À CONSTRUÇÃO DA ESCRITA

De acordo com o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), “a alfabetização na perspectiva do letramento busca favorecer situações propícias de aprendizagem do funcionamento do sistema de escrita alfabética, de modo articulado e simultâneo às aprendizagens relativas aos usos sociais da escrita e da oralidade”.

Os eixos Leitura, Oralidade e Produção Textual descritos na proposta da Base Nacional Comum Curricular (BNCC)[1], na área de Linguagens – Língua Portuguesa, contemplam aspectos relevantes:

O Eixo Leitura compreende as práticas de linguagem que decorrem da interação ativa do leitor/ouvinte/espectador com os textos escritos, orais e multissemióticos e de sua interpretação, sendo exemplos as leituras para: fruição estética de textos e obras literárias; pesquisa e embasamento de trabalhos escolares e acadêmicos; realização de procedimentos; conhecimento, discussão e debate sobre temas sociais relevantes; sustentar a reivindicação de algo no contexto de atuação da vida pública; ter mais conhecimento que permita o desenvolvimento de projetos pessoais, dentre outras possibilidades.  (BRASIL, p. 69)

O Eixo Oralidade compreende as práticas de linguagem que ocorrem em situação oral com ou sem contato face a face, como aula dialogada, webconferência, mensagem gravada, spot de campanha, jingle, seminário, debate, programa de rádio, entrevista, declamação de poemas (com ou sem efeitos sonoros), peça teatral, apresentação de cantigas e canções, playlist comentada de músicas, vlog de game, contação de histórias, diferentes tipos de podcasts e vídeos, dentre outras. Envolve também a oralização de textos em situações socialmente significativas e interações e discussões envolvendo temáticas e outras dimensões linguísticas do trabalho nos diferentes campos de atuação. O tratamento das práticas orais compreende. (BRASIL, p. 77)

O Eixo da Produção de Textos compreende as práticas de linguagem relacionadas à interação e à autoria (individual ou coletiva) do texto escrito, oral e multissemiótico, com diferentes finalidades e projetos enunciativos como, por exemplo, construir um álbum de personagens famosas, de heróis/heroínas ou de vilões ou vilãs; produzir um almanaque que retrate as práticas culturais da comunidade; narrar fatos cotidianos, de forma crítica, lírica ou bem-humorada em uma crônica; comentar e indicar diferentes produções culturais por meio de resenhas ou de playlists comentadas; descrever, avaliar e recomendar (ou não) um game em uma resenha, gameplay ou vlog; escrever verbetes de curiosidades científicas; sistematizar dados de um estudo em um relatório ou relato multimidiático de campo; divulgar conhecimentos específicos por meio de um verbete de enciclopédia digital colaborativa; relatar fatos relevantes para a comunidade em notícias; cobrir acontecimentos ou levantar dados relevantes para a comunidade em uma reportagem; expressar posição em uma carta de leitor ou artigo de opinião; denunciar situações de desrespeito aos direitos por meio de fotorreportagem, fotodenúncia, poema, lambe-lambe, microrroteiro, dentre outros. (BRASIL, p. 74)

Contextualizando com a formação continuada, podemos destacar que sabemos o que os alunos precisam, mas em relação aos professores, sabemos pouco e isto torna-se um problema no processo de formação do desafio sobre a aprendizagem da leitura. (MIGUEL; PÉREZ; PARDO, 2012)

Na concepção de linguagem os autores ressaltam o oral como fenômeno de linguagem em constante interação com a escrita, constituída pelo fenômeno social da interação verbal (BAKHTIN, 1986; SCHNEUWLY; DOLZ, 2004)

Nesse sentido, a oralidade e a escrita são práticas sociodiscursivas com características próprias e a única distinção estrita entre elas é quanto a sua representação, por meio de sinais gráficos e por meio do som.

FERREIRO e TEBEROSKY, (1999, p.37) “Ler não equivale a decodificar as grafias em sons e que, portanto, a leitura não pode ser reduzida a puro decifrado”, ou seja, o fato da criança não saber ler não significa que a criança não tem ideias que um texto escrito precisa ter para permitir a leitura.

A relação entre a leitura, oralidade permite o desenvolvimento da escrita, sendo o aluno o protagonista na produção textual no processo de alfabetização.

7 CONSIDERAÇÕES FINAIS

A experiência das pesquisas bibliográficas e de campo possibilitou vivenciar tudo que a leitura é capaz de transformar, juntamente ao ato de expor as codificações de acordo com cada leitura de mundo.

Mergulhar os alunos desde cedo nessa imersão de códigos e comunicação é de suma importância para que o interesse na escrita cresça e se desenvolva, e os objetivos pretendidos com o projeto foram alcançados de maneira imediata, pois provocou o interesse na atividade pautada na liberdade de criação dos alunos.

Nota-se que a reavaliação da prática escolar e implementação de projetos de leitura e produção textual devem ser valorizados em prol do futuro dos alunos e cidadãos, pois a leitura está presente no nosso cotidiano através de textos literários e não literários, e sua interpretação depende da prática e da interação verbal ao longo da vida.

Cartazes, rótulos, embalagens, são exemplos dos exercícios de leitura do nosso cotidiano, e que não são menos importantes, pois são objetos de suma importância de serem interpretados, como por exemplo, uma embalagem de algum alimento e sua data de vencimento que tem a função de indicar se o mesmo poderá ser consumido ou não, evitando assim problemas de saúde.

O trabalho em questão teve como pretensão abordar que não deve ser pautado apenas na leitura seletiva e na mecanização, mas sim na atividade do pensamento e o ato de compreender diferentes significações e de escrever e produzir sentimentos, ideias, com coesão e coerência, abrindo espaço para reflexão e socialização.

O escrever é à nossa maneira de se expressar e se comunicar com o nosso redor, demonstrando nossa leitura de mundo, revelando desejos e motivações que nos levam ao autoconhecimento, e que favorecem a troca de conhecimentos dentro e fora da sala de aula, ou seja, nossa interação com o mundo através de trocas simbólicas.  

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, C. D. José. Rio de Janeiro. RJ:J. Olympio, 1942.

BARBOSA, J. J. Alfabetização e leitura. 3. ed. São Paulo, SP: Cortez, 2013.

BAKHTIN, M. M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1986.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. A oralidade, a leitura e a escrita no ciclo de alfabetização. Caderno 05 / Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. – Brasília: MEC, SEB, 2015.

CANDAU, V.M. Formação continuada de professores: tendências atuais. In: Ana Waleska P.C Mendonça, Vera Maria F. Candau, Maria das Graças Nascimento, Zélia D. Mediano, Menga Ludke, Isabel Alice O.M. Lelis, Martha Marandino, Paola Sztajn, Ana Canen, Silvia Alicia Martinez, Susana Sacavino, Marimar M. Stahl (org) Magistério: construção cotidiana. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. p.55-69.  

CANDAU, V.M. Rumo a uma nova didática (org.). 19. ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

CHIAPPINI, L. Aprender e ensinar com textos. Volume 1. 6. ed. In: João Wanderley Geraldi, Beatriz Citelli. (org) Aprender e ensinar com textos de alunos. São Paulo, SP: Cortez, 2004.

CHRISTOV, L. H.S. Coordenador pedagógico e a educação continuada. São Paulo: Loyola, 2003.

FERREIRO, E. Reflexões sobre alfabetização. 26. ed., 2ª reimpressão. São Paulo, SP: Cortez, 2011. (Coleção questões da nossa época; v.6)

FERREIRO, E. Alfabetização e cultura escrita. Nova Escola, Ed. Abril, São Paulo nº 162, maio 2003. p.28

GERALDI, J.W. (org.). O texto na sala de aula. 4. ed., 2ª reimpressão. São Paulo: África, 2006.

MIGUEL, E.S.; PÉREZ, R.G.; PARDO, J.R. Leitura na sala de aula: como ajudar os professores a formar bons leitores. Tradução: Fátima Murad. Revisão Técnica: Sônia Moojen. Porto Alegre: Penso,2012. 376p

PETIT, M. Os jovens e a leitura: Uma nova perspectiva; tradução de Celina Olga de Souza. São Paulo, SP: 34. 2008.

PIMENTA, S.G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? – 11. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

SOARES, M. Alfabetização e letramento. 5. ed., 2ª reimpressão. São Paulo, SP: Contexto, 2008.

SCHNEUWLY, B; DOLZ, J e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

TEBEROSKY, A. Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre, ed. Artes Médicas, 1999. Edição comemorativa 20 anos de publicação. 300p. p.37



Publicado por: Fernanda Gouvêa de Oliveira

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do site por meio do canal colaborativo Meu Artigo. O Brasil Escola não se responsabiliza pelo conteúdo do artigo publicado, que é de total responsabilidade do autor. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.