Whatsapp

Treinamento Funcional com crianças e adolescentes

Educação Física

Análise sobre a criação de um programa semanal para crianças de 7 a 14 anos, divididos em dois grupos conforme faixa etária, com ênfase no desenvolvimento dos padrões de gestos e movimentos do treinamento funcional.

Modalidade: Treinamento Funcional com crianças e adolescentes.

Público-alvo: Crianças e adolescentes (7 a 14 anos).

Gênero: Masculino e Feminino.

Ocasião: Escolinha de Férias – cidade Maceió / AL.

Local: Orla da praia (areia), calçadão e pátio do Corpo de Bombeiros.

Recursos Humanos e materiais: Corpo de Bombeiros.

Frequência: 3x por semana, conforme idade cronológica e descrição abaixo:

Terça-feira

Habilidades de estabilização: Caminhada com olhos vendados;

Habilidades de locomoção: Corrida – tiros (HIIT);

Habilidade de manipulação: Bola: chutar, agarrar, voleio; treinos resistidos;

Habilidades de peso: Próprio corpo.

Quinta-feira

Habilidades de estabilização: Técnicas de rolamentos (lateral/frontal);

Habilidades de locomoção: Salto de obstáculos; correr com um pé;

Habilidade de manipulação: Drible, correr com a bola;

Habilidades de peso: Acessórios.

Domingo

Habilidades de estabilização: Atividades lúdicas de convivência e cooperação;

Habilidades de locomoção: Atividades lúdicas de convivência e cooperação;

Habilidade de manipulação: Atividades lúdicas de convivência e cooperação;

Habilidades de peso: Descanso.

Justificativa

A proposta que se segue é a criação de um programa semanal para crianças de 7 a 14 anos, divididos em dois grupos conforme faixa etária (individualidade biológica), com ênfase no desenvolvimento dos padrões de gestos e movimentos do treinamento funcional. O propósito é resgatar os movimentos naturais do corpo humano, perdido com o advento tecnológica atual, jogos virtuais e sedentarismo, conscientizando as crianças / adolescentes para a prática diária de atividades físicas (princípio da continuidade).

Proposta

Objetivamos incluir nas atividades propostas ações como saltar, levantar, agachar, lançar, empurrar e puxar, ao mesmo tempo em que trabalhamos capacidades físicas como flexibilidade, agilidade, potência, força, coordenação, velocidade e equilíbrio (princípio da variabilidade). Nessa proposta, utilizaremos a ludicidade (motivação) como marco das atividades, uma vez que incluirá crianças e adolescentes, em idades diversas, em férias, em evento com a parceria do Corpo de Bombeiros, na utilização de estrutura física e apoio de material e pessoal. Assim, a ludicidade e convivência serão pilares a serem desenvolvidos, com as demais habilidades descritas.

Metodologia a ser aplicada

A estrutura da “aula” envolverá de dois a três movimentos em conjunto com capacidades físicas a serem trabalhadas, em um total de 50 minutos de duração. O objetivo é a diversificação das aulas, ao longo da semana, com a seguinte organização:

Grupo I (crianças de 7 a 10 anos):

- Aquecimento (5 a 10 minutos): preparação do aparelho locomotor e aparelho cardiorrespiratório, com ênfase em exercícios de mobilidade articular, com progressão da intensidade, observando o princípio de individualidade biológica.

- Parte Principal (30 a 40 minutos): desenvolvimento de habilidades motoras em forma de circuitos funcionais e brincadeiras, em séries de 3x a 5x. O treinamento aeróbio pautado no princípio da adaptabilidade tem o propósito de melhorar o condicionamento cardiorrespiratório (VO2), com inserções de atividades intervaladas, como “tiros” de corridas com/sem obstáculos, intercalando no pátio ou areia da praia.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

- Volta à calma: (5 a 10 minutos): o objetivo é a redução da frequência cardíaca, ao mesmo tempo em que se trabalha alongamento e oportunidade para convivência, com formação de “roda de conversa” sobre as atividades realizadas.

Grupo II (adolescentes de 11 a 14 anos):

- Aquecimento (5 a 10 minutos): preparação do aparelho locomotor e aparelho cardiorrespiratório, com ênfase em exercícios de mobilidade articular, com progressão da intensidade, observando o princípio de individualidade biológica.

- Parte Principal parte A: (10 a 15 minutos): nesse momento, os adolescentes serão orientados para a realização dos exercícios com atenção às técnicas de execução, inclusive com breve explicação dos músculos e articulações envolvidos, tomando conhecimento de outros exercícios semelhantes (princípios da especificidade x variabilidade).

- Parte Principal parte B: (20 minutos): atividades com treinamentos trabalhando potência (areia fofa); velocidade (tiros curtos de corrida); equilíbrio (obstáculos) e flexibilidade (mobilidade articular); desenvolvendo a consciência corporal e propriocepção. Atividades em formatos de circuitos, com aparatos, distribuídos na areia e/ou pátio. O treinamento cardiovascular e de flexibilidade serão concomitantes; de 2 a 3 vezes na semana, em dias alternados; nas sessões a proposta é a utilização incial do peso do corpo seguido de acessórios (bolas, pesos, anilhas), em cargas progressivas (interdependência volume x intensidade).

- Volta à calma: (5 minutos): redução da frequência cardíaca, alongamento e oportunidade para convivência, com formação de “roda de conversa” sobre as atividades realizadas.

Observações e Considerações Finais

Nas partes principais, procuraremos evitar intensidades e volumes elevados (sobretudo em uma mesma sessão) assim como competições acirradas e equipamentos específicos para adultos.  Por outro lado, haverá ênfase na realização de movimentos atentando na amplitude completa, técnica correta, ambiente (tipo do solo), materiais empregados conforme idade, supervisão constante qualificada, ingestão adequada de líquidos (atividade ao ar livre / praia) e atenção às habilidades com desenvolvimento da força, resistência, equilíbrio e coordenação (sobretudo, ao segundo grupo).

Referências

BENEDET J, FREDDI J.C., LUCIANO A.P., ALMEIDA F.S., SILVA G.L., HINNING P.F., ADAMI F., Treinamento resistido para crianças e adolescentes. ABCS Health Sci. 38(1):40-46. 2013.

GUIMARÃES, L. Treinamento funcional para crianças e adolescentes. 2016. Disponível em . Acesso em 20. Out. 2021.

FLECK S., KRAEMER, W. Fundamentos do treinamento de força muscular. 3a ed. Porto Alegre: Artimed; 2006.

GUIMARÃES, L. Treinamento funcional para crianças e adolescentes. 2016. Disponível em . Acesso em 19. Out. 2021.


Publicado por: Elionai Dias Soares

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do site por meio do canal colaborativo Meu Artigo. O Brasil Escola não se responsabiliza pelo conteúdo do artigo publicado, que é de total responsabilidade do autor. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • Facebook Brasil Escola
  • Instagram Brasil Escola
  • Twitter Brasil Escola
  • Youtube Brasil Escola
  • RSS Brasil Escola