Whatsapp

ÁGUAS: UM BEM DO MUNDO

Biologia

Breve análise sobre o benefício da Água para o mundo.

Segundo trabalho de conclusão de curso superior de Bianca da Silva Lima Miconi Costa, publicado no site “https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/30920/1/MONOGRAFIA%20BIANCA%20ENCADERNA%C3%87%C3%83O.pdf“, com o título “Um estudo sobre a sustentabilidade”: “(...) Nos últimos anos, a promoção do desenvolvimento sustentável fez com que muitas técnicas e políticas desenvolvimentistas fossem repensadas para o bem maior da sociedade e do planeta. Não obstante, os impactos gerados pelas atividades do homem, em especial àqueles com origem na construção civil, ainda são consideráveis. (...) A sustentabilidade depende, essencialmente, da conscientização da população a respeito das adversidades mundiais, com ênfase para a degradação ambiental, problemas econômicos e desigualdades. (...) Culturalmente, pode-se entender a Sustentabilidade como um valor social que, uma vez adquirido pelo cidadão, pode ser propagado mediante ações de corresponsabilidade: do indivíduo para a sociedade (o todo). (...) Entre os desafios para trabalhos futuros, podem-se mencionar: competências para a sustentabilidade; o papel da educação na formação crítica; (...)”

Águas, o maior bem da humanidade.

Não é possível que o ser humano viva sem água. É até possível viver neste Planeta Terra sem alimentos, entretanto, a água é uma necessidade indispensável.

Lamentavelmente este mesmo ser humano está destruindo o nosso meio ambiente, poluindo as nossas águas, atravessando o progresso dos novos tempos sem respeitar o nosso meio ambiente.

A água do mundo nunca vai acabar enquanto existirem as chuvas.

Houve um tempo em que as águas no Planeta Terra eram abundantes a ponto de inundarem lugares tantos, mundo afora.

Hoje, tem-se o racionamento e até a falta das águas potáveis em muitos cantos deste nosso Planeta.

A pessoa humana está matando as águas.

Existem cantos desta realidade temporal, extremamente secos, tais como Nordeste do Brasil, cantos da África e tantos outros locais até mesmo respondidos neste Planeta.

Existe solução para a construção, hoje, de um mundo melhor no qual todos podem ser felizes sem que existam tantas misérias humanas espalhadas pelos continentes.

É possível nos tempos pós modernos se dar valor, no pouco que se dá, para as águas.

O reaproveitamento das águas também é um tema riquíssimo para ser tratado aqui neste artigo. As águas dos mares podem ser dessalinizadas, bastando que existam interesses por parte dos governos e demais poderes públicos, além das iniciativas privadas, para fazer com que águas salgadas que apenas podem parecer que sirvam para banhos e casas dos seres das águas, sejam também utilizadas para o consumo humano. As águas dos esgotos, desde que existam interesses humanos, também podem fazer parte das mesas de muitos, além de serem utilizadas por outros seres deste riquíssimo meio ambiente.

O plantio de novas vegetações é uma experiência de extremo valor para toda a humanidade que pensa em preservar seus tantos bens naturais. As águas das chuvas são muito necessárias para a vida. Cabem, também, iniciativas, interesses, de todos, na construção e materialização de projetos eficientes e eficazes de armazenamentos e distribuições justas das águas recolhidas das chuvas. As águas das minas que existem em tantos cantos desta realidade temporal precisão de um olhar melhor por parte das sociedades para quê não se vão apenas há alguns poucos privilegiados. Os projetos de armazenamento de águas, desde que não prejudiquem outros, são sempre válidos.

Não é possível mais que os seres humanos apenas usem as águas e estas, depois, se percam no tempo e no espaço.

É preciso que sejam eliminados, imediatamente, hoje, desperdícios com as águas dentro e fora dos prédios.

As leis dos países precisam de uma força, de uma fiscalização, de uma eficiência e de uma eficácia, que puna de forma exemplar todos os que cometem crimes contra o meio ambiente.

Empresas, indústrias, fábricas, hospitais, escolas, fazendas, sítios, chácaras, usinas e comércios tantos outros espaços de produções e serviços, precisam exercer suas ações capitalistas sem destruírem a natureza com todos os seus elementos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

É possível a parceria entre o progresso e uma preservação ambiental adulta.

As Organizações Não Governamentais são de extrema importância quando seus Estatutos tratam do tema das águas. Todavia, precisam unir esforços dentro de suas organizações, e nas ruas, para fazerem suas ações darem frutos de vida plena e abundante. Não é mais possível tolerarmos que muitas lutem apenas por dinheiro e esqueçam compromissos sociais de melhorias das qualidades devidas dentro deste Planeta Terra.

Preservar a vida no Planeta, neste Planeta, é uma prioridade nas pautas das sociedades.

A saúde pública não pode ser mais colocada no banco de reserva das soberanias nacionais. Ter saúde pública com qualidade para todos é um direito.

Os pobres e os miseráveis, principalmente, não podem mais continuarem dentro de processos de exclusões, deixando de serem protagonistas dos novos tempos de grandes mudanças e realizações sociais em benefícios de todos.

Simpósios, congressos, conferências, assembleias, colóquios, seminários, mesas redondas, e tantos outros fóruns precisam acontecer em todos os cantos do mundo para que o próprio mundo se conscientize de um antigo pensamento, porém, sempre atual, que é o amar é viver. Transcender as teorias, aos debates, destes fóruns, saindo das rotinas inúteis, é também uma prioridade.

Os movimentos comunitários, sociais, populares, associativos, sindicais, partidários, acadêmicos, religiosos, e de tantos outros espaços das sociedades, precisam pegar fogo, ficarem em chamas, ou seja, conversarem e agirem com firmeza, foco, responsabilidade para produzirem resultados palpáveis para a melhoria de cada sociedade.

Não é mais possível espaços de opressões, limitações, totalitaristas, e tantos males que matam o mundo, na realidade do povo.

E todo este debate, até aqui traçado e aberto, é para dizer que o respeito ao Planeta Terra, com tudo que nele existe, é compromisso, não apenas de um, e, sim, de todos.

As justiças precisam agir para findarem com os males de cada Estado Nação.

As mortes das águas não podem ter uma materialização no meio do povo.

Cada pessoa, de acordo com suas realidades, em cada canto, pode ser um construtor de novos tempos. É preciso que este ser humano supere seus limites e viva hoje, com projeção para as futuras gerações, experiências tantas de belezas e de maravilhas que são vistas no retrato da vida com todos os seus elementos vivos.

É possível transcender as utopias, idéias, teorias, sonhos, esperanças, e outros sentimentos de vida plena e abundante, para acreditar que um dia nenhum ser vivo terá mais sede e a pessoa humana não mais pagará para ter água em seus espaços particulares e de convivências.

O que você está fazendo, de forma palpável, concreta, material, visível, para transformar este mundo em uma casa melhor?

Segundo trabalho de conclusão de curso superior de Tathiane Alessandra Maciel, publicado no site “https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/41707/TCC%20TATHIANE%20ALESSANDRA%20MACIEL.pdf?sequence=3&isAllowed=y”, com o título “Guia didático sobre a qualidade da água para professores do ensino fundamental”:  “(...) Concluo que a educação ambiental não se trata apenas do aprendizado sobre a ecologia, mas sim da construção de valores, de um espírito maduro capaz de tomar suas próprias decisões e a partir delas conseguir transformar o mundo. (...)”

Autor:  Pedro Paulo Sampaio de Farias

Professor; Pedagogo; Especialista em Educação; Especialista em Gestão Pública; Mestrando em Educação; Pós-graduando em Teologia; Pós-graduando em Antropologia; Graduando em Direito; Líder Comunitário; Líder de Associação de Professores; Sindicalizado da Educação; Servidor Público Estadual e Municipal; Atuante em Movimentos Populares e Movimentos Sociais; Cristão Romano.


Publicado por: PEDRO PAULO SAMPAIO DE FARIAS

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do site por meio do canal colaborativo Meu Artigo. O Brasil Escola não se responsabiliza pelo conteúdo do artigo publicado, que é de total responsabilidade do autor. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • Facebook Brasil Escola
  • Instagram Brasil Escola
  • Twitter Brasil Escola
  • Youtube Brasil Escola
  • RSS Brasil Escola