Topo
pesquisar

Da exposição à fama: A influência dos Memes na vida das pessoas

Atualidades

Produção de memes partindo da viralização até a criação de personagens em busca da fama que é provocada pela grande exposição dos mesmos.

Resumo

Como forma de se expressar e melhorar o humor das pessoas, os memes tem se tornado cada vez mais comum durante a utilização das redes sociais, deixando de ser restrito apenas a esse local, e se estabelecendo como uma nova forma de comunicação em outros âmbitos. Com o propósito de entender melhor a influência dos memes no cotidiano das pessoas, esse artigo tem por objetivo evidenciar as diversas formas de ação deste conteúdo, seja por expressão de arte, exposição de idéias, representações de sentimentos ou o simples humor; é destacado a produção de memes partindo da viralização até a criação de personagens em busca da fama que é provocada pela grande exposição dos mesmos.

Palavras-chave: Memes; influência; humor; facebook; twitter; virais; fama; exposição.

1 Introdução 

A palavra ‘Meme’ é um termo grego que significa imitação e é bastante utilizada na internet referindo-se ao fenômeno ‘viralização’, podendo ser qualquer conteúdo, como vídeo, imagem, ideia, frase ou música que consiga se espalhar entre milhares de usuários em um curto período, seja por compartilhamentos no facebook ou retweets no twitter; na maioria das vezes de cunho humorístico ou ações de poderosos da mídia, como por exemplo políticos, músicos ou atores. Essa viralização acontece quase sempre durante eventos e acontecimentos de grande público, como eleições políticas, partidas de futebol, premiações ou capítulos de estreia e finais de novelas, séries, filmes e programas de televisão.

Com a capacidade  de atingir milhões de pessoas em poucos instantes, os memes criados para internet podem ser considerados como ‘Informações Virais’; (conforme definido por Kádár, 2013). Os indivíduos compartilham sua ‘dependência social’ expressando sua vontade de encontrar seu lugar na comunidade, e de criar novas dependências sociais.

“O ritual pode promover solidariedade social sem implicar que as pessoas compartilham os mesmos valores, ou até mesmo a mesma interpretação do ritual” (Kertzer, 1988).

Neste artigo é apresentado o ponto de vista de pessoas que utilizam memes no seu dia a dia, coletamos informações de usuários que compartilham e produzem memes rotineiramente, fizemos uma vasta pesquisa na fan-page do facebook; Vem Dar Close1 e na conta de humor do twitter; @Irma_Zuleide2. Foi analisado virais e suas características, respostas de um questionário e declarações de “Gretchen3”, que é considerada a ‘rainha dos memes’.

É exposto como todas essas postagens influência na vida das pessoas, seja de uma forma que possa trazer felicidade, tristeza ou raiva, e como esses memes podem ajudar ou atrapalhar a vida das pessoas, já que o meme trás com ele fama e uma grande repercussão sobre aquilo que é feito em um produto de viralização, a partir das quais é possível criar/manter identidades individuais e coletivas (Benwell e Stokoe, 2006) através de ideologias sociais e culturais compartilhadas.

2 O conceito histórico de meme

O conceito de ‘meme’ é defendido como criação do zoólogo e escritor Richard Dawkins, em 1976, ao escrever seu primeiro livro “The Selfish Gene”,na obra o termo ‘meme’ é uma unidade de informação que se propaga de indivíduo para indivíduo, originando o estudo conhecido por memética que tenta explicar diversos assuntos controversos, como religião e sistemas políticos por meio de modelos matemáticos. De acordo com pesquisadores da internet, o primeiro meme a ser utilizado provavelmente foi criado em 1998 por ‘Joshua Schachter’ que trabalhava no serviço de weblog chamado Memepool, onde vários usuários postavam links que podiam ser compartilhados com outras pessoas.

Dawkins (1976) defendeu três características do que para ele na biologia é um ‘meme’, o biólogo acreditava que era necessário ‘longevidade, fecundidade e fidelidade’, pois com essas características os memes venceriam as disputas que os move, garantindo sua transmissão ao longo das gerações. Nessa visão de Darwkins a fecundidade trata-se de que cada uma de unidades tenha vida longa, a longevidade trata-se de criar cópias mais perfeitas possíveis e a fidelidade é necessária para evitar rompimentos no transcorrer do tempo.

No fim da década de 1990 e início da década de 2000, foi quando os memes como são hoje, se difundiram na web, a grande viralização deve-se às redes sociais através da propagação viral. Nesse viés, Dawkins acreditava que os memes atendiam os princípios gerais da teoria Darwiniana por seguir as características citadas acima. Essas características se aplicam tanto aos genes de Dawkins quanto nos “replicadores universais”, pois esse estudo tem como base a “viralização” que  é entendido como um processo epidêmico.

Gabriel Tarde4 defendia em suas “Leis da Imitação” seu olhar para com a sociedade, como um complexo de relações que propaga determinados comportamentos e reações, chamado por ele como “contágio”, semelhante quando os memes se infiltram em nossa rotina. Limor Shifman5 em seu livro “Memes in Digital Culture” (2013) defende que “Os memes são sempre uma coleção de textos” segundo ela, a partir da definição inicial de Dawkins, “uma unidade de transmissão cultural ou uma unidade de imitação”, é possível chegar a compreensão de que os memes são ideias ou conceitos, textos ou práticas, sendo assim a primeira corrente  batizada como “mentalista”, ela descrevia memes como ideias ou peças de informação, singulares chegando a serem complexas. Mediante o exposto, os memes são uma linguagem de ampla repercussão em ambientes onlines, mas que é relativamente estudada, devido a isso também é pouco compreendida, especialmente no cenário científico.

Os memes da internet tem o objetivo de divertir os internautas, transmitir mensagens, protestar, alertar ou tentar fazer com que os indivíduos consumidores dos memes consigam refletir sobre um determinado assunto. Assim, também é criado possibilidades de usar as mídias digitais como instrumentos de divulgação e expressão pessoal, tornando evidente a interação do público com essa cultura fazendo relação ao meio social e sua interatividade existente dentro das mídias digitais. (LEMOS 2002)

Normalmente os memes são criados por amadores e não possui preocupação com a estética, sendo taxados de ‘cultura inútil’ e inserida na categoria de ‘digital trash6’. Ademais, isso já é provado como equívoco, a partir do uso dos memes que deixaram de ser apenas para fazer humor; atualmente empresas renomadas utilizam os memes para atrair o público, por exemplo à ‘Netflix’, uma plataforma online de séries e filmes, tem o costume de fazer uso de virais para promover seus produtos, a cantora e responsável por centenas de memes “Inês Brasil” foi convidada para promover a 4ª e 5ª temporada de ‘Orange Is The New Black’, e  “Gretchen” foi convidada para promover 1ª temporada da série ‘Glow”’ entre outras convidadas.

Com diversas funções, os memes possuem impacto na vida das pessoas melhorando ou piorando o estado de humor delas, os memes humorísticos provocam risos, consequentemente é liberado a endorfina; o hormônio do prazer, que é capaz de fortalecer o coração, defender o organismo, turbinas a criatividade e  ainda queimar calorias, através do sorriso. Sorrindo, é promovido uma sensação de bem-estar geral, afirma o médico e homeopata Eduardo Lambert, autor de ‘A Terapia do Riso – A Cura pela Alegria’, segundo ele “Quem ri pouco pode estar padecendo dos males provocados por uma doença chamada déficit de alegria”.

Entretanto, os memes também podem despertar raiva, deixando indivíduos de mau humor, ou contribuindo para isso. É muito frequente na web os memes de ‘humor negro’, eles possuem características preconceituosas, sarcasticamente ofensivas e muita das vezes com ódio explícito. Ao se deparar com conteúdos assim, é provocado a raiva podendo ser por alguns segundos ou se alastrando por todo o dia. Sem um hormônio próprio para esse sentimento, os memes de humor negros são responsáveis por despertar a adrenalina, provocando diversos pensamentos perturbadores.

3 Os memes nas redes sociais

O facebook começou a ser um grande divulgador da cultura de memes em 2012. Foi com a popularização dos primeiros e mais famosos tipos de memes como: “Forever Alone”, um indivíduo que será sempre solitário e o “Troll Face”, indivíduo que gosta de ‘trollar’ as pessoas. Dessa forma a propagação desse conteúdo começou a crescer exorbitantemente e outros tipos de memes foram criados com intuitos diferentes. Manuel Castells, defende a interação da internet como prática de expansão, assim é corroborado a ideia de que propagação de memes deve-se a grande utilização das redes on-line em massa:

“O espaço do movimento é sempre feito de uma interação do espaço dos fluxos na internet e nas redes de comunicação sem fio com o espaço dos lugares.” (p. 160).

A grande sensação da internet nos últimos 5 anos são os memes, a repercussão deste conteúdo é sempre surpreendentes, tal fato parte do pressuposto que quem se torna um meme viral, consequentemente alcança a fama, encontrando assim seus 15 minutos de holofote, ou uma nova oportunidade de alavancar sua imagem nas redes sociais e quem sabe fora delas. A fama instantânea obtida na exposição dos memes é um dos motivos principais que levam diversas pessoas a não se renderem a timidez e correrem atrás de seu objetivo, a fama, é possível criar e manter identidades individuais e coletivas (Benwell e Stokoe, 2006) através de ideologias sociais e culturais compartilhadas. Nesse pensamento é observado o quão comum, é no presente momento, a influência dos jovens por pessoas públicas em especial os das mídias digitais, eles são despertados a reproduzirem o que é mostrado nas telas de um celular, computador ou tablet.

Tal atitude, é descrita no livro de Manuel Castells, “A Galáxia da internet” como adoção de valores tecnologias da meritocracia, isso faz com que seja exposto a crença ‘dos hackers’ no valor da liberdade, usando esses conteúdos (memes) na vida social, em vez de praticar a tecnologia pela tecnologia.  Através disso, diversas pessoas são capazes de mudar completamente seus estilos, padrões e pensamentos. Esse atos corrobora a grande exposição das pessoas no mundo digital, isso contribui para dois fatores que auxiliam na criação dos memes e virais.

O autor Clay Shirky (2011), prova em a “A Cultura Da Participação”, que os seres humanos nem sempre agem por interesse próprio, e que as transações em si tem um componente emocional. Tal fato é comprovado pela união cognitiva como um bem social, que podem gerar oportunidades de uns para outros, que para o autor é um comportamento novo que possibilitado pela tecnologia, mas criado pelos usuários.  

Muito comum nas redes sociais, o exorbitante número de comentários e compartilhamentos de vídeos virais, isso se dá pela empatia gratuita alcançada em algo capturado sem intenção alguma. Vídeos virais como “Para nossa Alegria, Fadas Do Deboche, Mãe O Forninho Caiu, Me Chama Que Eu Vou” entre outros, são exemplos claros de como se dá essa propagação. Manuell Castells defende em sua obra ‘Sociedade Em Rede’ que a sociedade em rede não é definida pela internet como muitos pensam, mas sim pela ligação que uma sociedade tem em se comunicar entre diversos meios.

Logo, esses vídeos ou fotos, na maioria das vezes gravados sem a intenção de ser engraçada ou usado como um meme. São capazes de mudar a vida de qualquer um, do dia pra noite. Muita das vezes esse indivíduo que está explícito no material é convidado para participar de programas de televisão, campanhas publicitárias, além de alcançar milhares de seguidores nas redes sociais, que muito das vezes é mais valioso que o próprio dinheiro.

4 Compreendendo usuários da cultura memética

Marcelo, acadêmico de Letras da UFSM, curte e compartilha conteúdos meméticos em suas redes sociais a mais tempo do que consegue lembrar, ao ser questionado sobre o ato, ele disse adorar o conteúdo, pois são engraçados e conseguem melhorar seus dias, pois sua vida acadêmica é muito corrida. Lucas acadêmico de Geografia da UFSM, revelou ser também muito fã de memes e virais, ele comentou que usa os bordões dos memes e virais como diálogos normais em sua vida e que se diverte muito reproduzindo memes com seus amigos, Maria Eduarda e Carlos de Artes Cênicas comentaram ser fanáticos por memes, e revelaram não ficar nenhum dia sem consumir esse conteúdo.

Ambos os ‘entrevistados’, comprovaram que os memes são populares em suas vidas, e que é impossível correr deles, isso confirma novamente a informação de que os memes não são mais restrito às mídias digitais, extrapolando as plataformas midiáticas e se instalando na vida social das pessoas. Segundo Manuel Castells (1999), há a predominância da discussão entre grupos de interesses convergentes, eles se comunicam em um processo de interação liberta, fundada na cooperação, na reciprocidade e na informalidade (Moraes,Mendes e Lucarelli, 2011, p. 4).

Ao contrário dos que desejam fama, é encontrado pessoas que não compartilham desse desejo, elas querem apenas se divertir e divertir seus amigos. Muitos são incentivados por outras pessoas, e às vezes conseguem alcançar essa fama sem perceber, já sendo vistos como um humorista da internet ou um ‘meme um vivo’. Em busca de entender melhor o que leva essas pessoas a produzirem conteúdo e se expor tanto na internet, entrevistei duas influências midiáticas que são grandes criadores de conteúdos meméticos.

Diogo Belau, mais conhecido pelo seu canal “Diogo Paródias” com mais de 615 mil inscritos e Biga Kalahare que possui mais de 55 mil seguidores no instagram e compartilha vídeos de memes todos os dias em suas redes sociais. Os dois são muito populares em páginas de memes do facebook, twitter e instagram, pois as mesmas compartilham seus conteudos diariamente aumentando cada vez mais a popularidade deles.

Ambos os entrevistados possuem características diferentes, Diogo nem sempre usa seu rosto para criação de conteúdos e Biga já faz o uso de seu rosto em todos os seus conteúdos. Questionados sobre o que levaram eles a começarem criar conteúdos para internet, Diogo revelou amar trabalhar com criação de conteúdos, e que desde os 13 anos percebeu que era isso que o fazia feliz e até hoje continua criando, mas agora profissionalmente. Biga já comentou ter começado criar conteúdos para internet por incentivo de amigos, que sempre o comparava com artistas.

Atualmente, ambos são conhecidos na web, ao serem questionados sobre o que para eles significa ser um meme/humorísta da internet, Diogo disse não se considerar um meme, e sim um grande produtor deles, segundo o próprio, “ser um meme é um estado muito elevado de poder social”, comentando que apenas símbolos vivos de memes como Nicole Bahls e Gretchen possuem esse estado, já Biga disse levar na esportiva, e que às vezes não crer no acontecimento das coisas, sendo taxado de meme sem perceber.

Após alcançarem fama online, diversas mudanças na vida social dessas pessoas acontecem, questionados sobre essas mudanças, Diogo revelou que sua vida mudou totalmente e hoje ele se sente livre para criar e se divertir com todo universo virtual, já Biga revelou que sua vida mudou, pois essa fama o proporcionou muitos presentes, reconhecimento e carinho das pessoas. Portanto, cada criador de meme ou o próprio “meme vivo” é responsável por uma mudança social, sendo afetado intimamente e influenciando na vida das pessoas, quase sempre positivamente.

5 Envolvimento do público na Vem Dar Close, fan page do Facebook e na conta @Irma_Zuleide do twitter.

Nitidamente, os memes de teor humorísticos são os mais populares na fan page Vem Dar Close, com mais de 740 mil curtidas e 800 mil seguidores, os memes postados todos os dias na página possuem sempre em grande maioria as reações Amei7 e Haha8, isso retrata o melhor envolvimento com postagens engraçadas, os comentários em sua grande maioria são marcações de outros amigos, que respondem marcando novos amigos, contribuindo para uma veloz propagação do conteúdo, entretanto algumas postagens, não são bem compreendidas provocando revolta nos navegadores que reagem com “Grr9” e comentam críticas, ofensas ou ameaçam denunciar a publicação, essas postagens na maioria das vezes possuem humor negro que vai contra os ideais de grupos contra racismo, fobias em geral, feministas entre outros.

Analisando a conta Irmã Zuleide no twitter, que já passa de 1.170.000 seguidores, é visível o envolvimento com os usuários da plataforma pelo enorme número de retweets10. A conta deixa de lado a produção de imagens e vídeos, optando quase sempre nas publicações com textos, sempre com humor sem exageros, a conta brinca com um personagem fictício por ser muito evangélica e ter pensamentos e desejos não condizentes a sua religião, fugindo às vezes desse assunto a conta posta diversos conteúdos como mensagens bem humoradas de signos, autoajuda, ditados populares e pensamentos que a maioria das pessoas têm em comum mas que não é exposto normalmente. Com o intuito de levar humor e alegria, Irmã Zuleide faz parte de um grande número de páginas humorísticas no twitter com o  mesmo propósito, novamente corroborando a influência positiva na vida das pessoas que diariamente consomem esse conteúdo.

6 Rainha dos Memes, símbolo memético, Gretchen.

No atual momento, quando se pensa em meme, o primeiro pensamento das pessoas é em Gretchen, a famosa cantora e também conhecida online como a ‘rainha da internet’, título recebido pelos usuários da Web, tudo isso por ter seu rosto e sua rotina sendo utilizados como gifs, vídeos e imagens em toda internet.  Gretchen já era conhecida em todo Brasil, mas foi através de seus famosos memes que conseguiu ser reconhecida em todo o mundo. Grandes celebridades da cultura pop como Katy Perry e Nicki Minaj já os usaram em suas redes sociais, no segundo semestre de 2017 Gretchen estrelou o Lyric Video de Swish Swish, música de Katy Perry em parceria com Nicki Minaj, tudo se deu devido a grande popularidade dos memes de Gretchen no Twitter que chamou atenção das cantoras internacionais.

Após a repercussão do Lyric video, Gretchen recebeu ainda mais atenção mundial, sendo notícia em um dos jornais mais importante dos Estados Unidos, o New York Times que chamou a brasileira de “Meme Queen”, e publicou:

Gretchen tem curtido sua fama internacional na internet. Em março, Nicki Minaj tuitou sobre ela “Alguém me diz que mulher é essa? Ela tem aparecido em todos os GIFs nos últimos seis meses”. […] Gretchen é, simultaneamente, fonte de orgulho e de risada.

Gretchen durante entrevista ao Programa do Porchat, revelou amar 90% de seus memes, pois alguns são feitos com humor negro e ela não aprova o uso de sua imagem para esse tipo de meme, ela também revelou não criar o conteúdo pois são seus fãs que ficam responsavel por esse processo. Portanto o título de rainha faz juz a cantora pelo  sua contribuição na propagação dessa cultura, Gretchen é uma grande influência na vida das pessoas, seja por sua forma de ser, ou por representar sentimentos e pensamentos comuns em usuários que consomem essa cultura

7 Questionário: Influência de memes na vida das pessoas

Em busca de entendermos de uma forma geral a influência dos memes na vida das pessoas, criamos um questionário online sobre o uso de memes e pedimos para os usuários da página Vem Dar Close respondesse algumas perguntas básicas sobre o uso de memes. Coletado ao todo 790 respostas, conseguimos concluir que a grande maioria das respostas foram positivas. Oito perguntas foram feitas, na primeira 85% dos votos revelaram sentir-se alegre ao encontrar memes nas redes sociais, na segunda 40% revelaram não entenderem a mensagem por trás dos memes que consomem, na terceira 49% admitiram “debochar” de memes que não são de humor, na quarta 62% admitiu já ter conseguido melhorar seu dia após consumir um meme, na quinta 16% revelaram já terem piorado seu dia após verem um meme, na sexta 54% revelou consumir memes todos os dias, na sétima 54% revelaram buscar por memes no seu dia a dia e na oitava pergunta, perguntamos se os memes possuem influência  na vida deles positivamente ou negativamente, 45% revelou que possuir influência positivas, pois são alegrados com esse conteúdo.

Contudo, o levantamento serviu para entender, que os memes são uma cultura valiosa que deve ser estudada, pois muitos dos que consomem não entendem sobre o conteúdo que recebe e compartilha. Nesse viés, a cultura memética atinge as pessoas em todas as áreas de sua vida, partindo da busca ou pelo encontro aleatório. 

8 Considerações Finais

A pesquisa feita aqui, teve por objetivo expandir conhecimentos a respeito da cultura memética em um universo que ultrapassa o mundo midiático até a nossa vida cotidiana. Foi perceptível que o conceito de meme não é algo recente, mas sim uma reinvenção que sofre mudanças constantemente ao decorrer do crescimento das redes sociais. Uma vez vista como um complexo de memes da Internet, a exposição pode ser reconhecida pelos critérios de fecundidade, longevidade de Dawkins.

Dentro da web, os memes possuem grande responsabilidade de transmitir informações e humor para as pessoas, porém, nem sempre é possível, nesse caso é provocando transtornos nos internautas. Além disso, os memes podem ser visto como representações ou criações de identidades, pois devido a identificação dos mesmos, podem ser transportados caracteres para suas vidas, adotando novas maneiras de se comunicar ou de construir uma personalidade.

Provando que os memes trata-se de um fenômeno de transmissão cultura e de disseminação de informações, é imprescindível a notoriedade da exposição influenciada pelo conteúdo e a fama que ela produz pela alta circulação de conteúdos. Em vista disso, é válido ressaltar a importância do estudo, que até o momento não é muito pesquisado, mais que se analisado corretamente faz toda uma diferença na comunicação midiática e atualmente fora dela.

A troca de conteúdos é de grande valorização, devido a busca da fama vs exposição,  rompendo barreiras entre a tela de um aparelho digital com a realidade. e contribuindo tanto para perda da timidez quanto para o humor.

9 Referências:

LOUISE, Martins. Digital trash, o que seria?. Disponível em: . Acesso em: 19 de maio de 2018.

SIGNIFICADOS. Significado de Meme. Disponivel em: . Acessado em 27 de maio de 2018.

MUSEU DOS MEMES. O que são memes?.  Disponivel em: . Acessado em 27 de maio de 2018.

SHIFMAN, Limor. Memes in Digital Culture. MIT Press. 2014. Disponível em: Acessado em 21 de junho de 2018. )

LEMOS, André. Anjos interativos e retribalização do mundo: sobre interatividade e interfaces digitais. 2002. Disponível em . Acesso em 05 de abril de 2013

CAMPOS MELLO, Raphaela de. Dar risada faz bem ao corpo e à alma. Disponível em: . Acesso em: 29 de maio de 2018.

CONVERTTE. Consequência dos memes na vida das pessoas. Disponivel em: . Acessado em 29 de maio de 2018..

DANTAS, Felipe. New York Times chama Gretchen de “meme queen” em matéria especial. Disponível em: me-queen-em-materia-especial/>. Acessado em 07 de junho de 2018.

PROGRAMA DO PORCHAT. Gretchen mostra que é a Rainha dos Memes. Disponível em: . Acessado em 07 de junho de 2018.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2003.

DO JP, Blog. Resenha: “A Cultura da Participação”. Disponivel em: . Acessado em 21 de junho de 2018..

DE CARVALHO, Fabio Rodrigues. “O que é a sociedade em rede?”. Disponível em: ; Acessado em 25 de junho de 2018.

1 Fan Page do Facebook que cria e compartilha memes e virais da internet. Mais detalhes disponíveis em , acesso em 19/05/2018

2 Irmã Zuleide é uma conta do Twitter, responsável por criação de memes  e releituras de virais, envolvendo características de pessoas evangélicas. Mais detalhes disponíveis em , acesso em 19/05/2018.

3 Ícone dos anos 80, Gretchen serviu de inspiração para vários memes após a sua participação no reality show A fazenda, recebendo o título de rainha dos memes por usuários da internet.

4 Jean Gabriel de Tarde foi um filósofo, sociólogo, psicólogo e criminologista francês. Falecido em 1904.

5 Limor Shifman é uma autora, professora de Comunicação e Jornalismo na Universidade de Jerusalém.

6 Conhecido também por ‘lixo digital’, trata de toda produção descartável e sem valor encontrada na rede. Disponivel em . Acesso em 19�52018.

7 Reação usada para expressar amor, aprovação e identificação com o conteúdo.

8 Reção usada para representar entusiasmo, graça ou deboche.

9 Reação de desaprovação, não curtir, insatisfação ou raiva.

10 Reação usada para expressar amor, aprovação e identificação com o conteúdo.

Por Fellipe Henrique Alves Medeiros - Graduando de Comunicação Social – Habilitação Jornalismo na Universidade Federal de Santa Maria.


Publicado por: Fellipe Henrique Alves Medeiros

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
DEIXE SEU COMENTÁRIO
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola