Topo
pesquisar

As vendas de carros vão reagir? Pergunte ao Polvo

Economia e Finanças

Periodo de venda e não de compra.

A Copa do Mundo se foi sem deixar boas recordações para o futebol brasileiro e, também, para o varejo automobilístico nacional. As vendas estão em queda livre, os estoques das montadoras elevados e crescendo ainda mais, as promoções aumentando sem despertar o interesse do consumidor. A produção acumulada no ano até junho cresceu 19,1% enquanto as vendas cresceram 9% no mesmo período.

As vendas deste fim de semana foram baixas. Elas reagirão nas próximas semanas, a tempo de salvar o mês de julho? Só perguntando ao Polvo alemão que acertou todas as previsões da Copa do Mundo de Futebol. No entanto, a questão não é saber se elas irão reagir ou não, e sim fazer algo inteligente para atrair o consumidor. Neste sentido, os fabricantes estão oferecendo cada vez mais vantagens para quem desejar comprar um carro novo.

Os preços estão caindo e junto as taxas de juros, que ainda estão elevadas. Mas não podemos negar que os carros estão com preços salgados. Durante o período do benefício do IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados) alguns modelos sofreram reajustes e a verdade é que há carros ditos "populares" custando mais de R$40 mil reais.

O resultado é que a linha 2011 e os novos lançamentos não estão vendendo tudo aquilo que os fabricantes esperavam. Com excessão do Gol Seleção (série especial para comemorar o evento da Copa), que teve os três mil exemplares esgotados, nenhum outro caso teve o mesmo sucesso de vendas durante o período da Copa do Mundo.

A Fiat apresentou o Dobló com nova motorização 1.8 16V e, também, a linha Siena Fire com apelos visuais semelhantes a do Pálio Fire. Assim o Siena Fire passa a contar com duas versões, o Attractive 1.0 e 1.4. Agora é criar atrativos para que os consumidores comprem.

Para tentar se diferenciar e ganhar participação de mercado, algumas montadoras, a exemplo da Renault e da recem chegada Chery, estão oferecendo garantia de três anos e generosos descontos. Mas parece que o consumidor deseja mais, como por exemplo, financiamento com taxas de juros menores e melhor avaliação do carro usado na troca.

Podemos estar certo de que as promoções continuarão crescendo e o consumidor paciente e disposto a negociar poderá fazer ótimas compras nesta segunda metade do mês. Pelo que tudo indica, haverá muita pressão financeira dos estoques nos pátios das fábricas e cocessionários. A fase de compras, assim como a Copa do Mundo de Futebol, chegou ao fim. Agora, é a vez da fase de vendas e o cliente, mais que antes, estará dando as cartas.

Uma ótima semana,

Evaldo Costa

Diretor do Instituto das Concessionárias do Brasil

Escritor, consultor, conferencista e professor.

Autor dos livros: "Alavancando resultados através da gestão da qualidade", "Como Garantir Três Vendas Extras Por Dia" e co-autor do livro "Gigantes das Vendas"

Site: www.evaldocosta.com

Blog: http://evaldocosta.blogspot.com

E-mail: evaldocosta@evaldocosta.com


Publicado por: evaldocosta

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.

DEIXE SEU COMENTÁRIO
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola