Topo
pesquisar

A Classe Média e a Manutenção da Desigualdade

Sociologia

Você sabia que a classe média brasileira é, atualmente, a mais numerosa entre as classes sociais existentes hoje? Confira!

A classe média brasileira é, atualmente, a mais numerosa entre as classes sociais existentes hoje. Nossa divisão social atualmente é representada pela seguinte tabela:

Fonte: http://controle-financeiro.blogspot.com.br/2008/01/diviso-de-classes-sociais-no-brasil.html

De acordo com o site R7 “Mais de 29 milhões de pessoas entraram para a classe C entre 2003 e 2009. Com isso, a chamada classe média passou a ser composta por 94,9 milhões de pessoas, representando 50,5% da população brasileira, segundo estudo da FGV (Fundação Getulio Vargas)”. (fonte: http://noticias.r7.com/economia/noticias/classe-media-do-brasil-ja-representa-mais-da-metade-da-populacao-20100910.html)

Tal classe média tem importantes representações. Economicamente representa a classe mais consumidora. O principal público do consumismo de massa. É a mola propulsora do capitalismo industrial, dos meios de comunicação em massa e de entretenimento. Politicamente, a classe média representa o que temos de mais conservador em nossa sociedade. São milhões de pessoas com baixo e médio nível educacional. Além disso, particularmente no Brasil, de baixo e baixíssimo nível de instrução política, ética e social.

Ao mesmo tempo essa classe compreende a maioria dos eleitores assim como os mais influenciados telespectadores dos programas de entretenimento tais como novelas, reality shows, humor estilo Pânico. São também aqueles que têm condições de pagar um convênio médico, uma escola privada para os filhos, contratar TV e internet, ter carros e pagar seguros e alarmes para os mesmos, financiar uma casa ou um apartamento, viajar duas, três ou quatro vezes por ano por lazer, consumir fast foods toda semana, ou todos os dias, ter um aparelho celular de última geração, viajar de avião uma, duas ou três vezes por ano, ter um computador em casa e um notebook, ter acesso às universidades privadas, ou a escolas e cursinho que dê condições para ingressar em uma pública, dentre outras vantagens em relação as classes D e E. Portanto é a classe C que menos sente necessidade de grandes mudanças sociais, a não ser aquelas mudanças que melhorem sua própria condição, lhe dê mais conforto e aumente seu poder de consumo. Essa parcela, que não anseia transformações sociais de base compreende mais de 90 milhões de pessoas. Contudo, essa mesma classe se considera pobre, mesmo tendo casa própria, um ou dois carros, tecnologias de informação, convênio médico e uma churrasqueira em casa em bom e constante funcionamento.

As classes D e E compreendem aproximadamente 30% da população. E 30% de 190 milhões significa, aproximadamente, 60 milhões de pessoas. Desse montante 3 ou 4 milhões são indigentes, miseráveis, que sobrevivem com até 100 reais por mês. Todos esses números citados aqui são referentes aos últimos anos. Antes disso, até 2002, as diferenças eram muito mais intensas. As classes A, B e C eram menores em número de pessoas, e as classes D e E eram muito mais numerosas.

Atualmente, vivemos um período de ascensão econômica em todas as classes sociais. Especialmente a média (C). Tal ascensão econômica da sociedade é concomitante a uma época de inúmeras medidas para inclusão social, políticas de cotas em instituições educacionais e empresas, programas assistencialistas que buscam integrar a população mais pobre no processo de produção e consumo capitalista. Essa alta porcentagem de pessoas que ascenderam das classes D e E para a C foram beneficiadas pelas políticas econômicas dos últimos dois mandatos de governo que, de maneira sintética, promoveu o aumento do poder de consumo da população em geral. Do mesmo modo tais programas beneficiaram as pessoas que se moveram da classe C para a B. Um exemplo simples que relaciona tal promoção de poder de consumo aos programas assistencialistas é o fato de as pessoas que receberam bolsas puderam se tornar mais consumidoras. O consumo aquecido exige aumento de produção. Aumento de produção gera emprego. Motiva a qualificação profissional e, conseqüentemente, aumenta o nível salarial. Todo o processo é mais complexo do que isso, envolve mais particularidades, porém o ciclo é algo bem próximo a isso. De qualquer forma, o importante é que a mobilidade social ocorrida nos últimos 10 anos beneficiou a todos, especialmente a classe média.

 Essa classe média (C e B) é o segmento social mais conservador de todos, como já citado. São, na maioria, profissionais liberais do terceiro setor, ou seja, comerciantes, funcionários públicos dos mais variados cargos, bancários, pequenos empresários, médicos, enfermeiros, professores, engenheiros, gerentes de setores comerciais e administrativos, entre outros. Essa população é o motor de sustentação e manutenção das estruturas políticas do país. Estruturas que tem como alicerce um sistema administrativo em que o poder legislativo é representado por uma elite de latifundiários, empresários, religiosos fundamentalistas e todo tipo de engravatado conservador. Poder diretamente eleito por essa classe média que vota de acordo com a capacidade de campanha política e apoio midiático. Poder que apoiou a ditadura militar iniciada em 1964, simbolizado pela Marcha da Família com Deus pela Liberdade, isso por que tal ditadura protegia-os da violência urbana e conservava seus padrões de moral estabelecidos. Essa mesma classe social, que diante, de nossas injustiças nuas e cruas, defende o retorno de um regime autoritário que acabe com a violência na mesma proporção em que acabe com as oportunidades de conquista material de quem sempre foi excluído.

As pessoas das classes C e B,  tem a sensação e um discurso que  afirmam  que sua condição econômica (renda familiar em torno de R$ 3.000) é de pobreza. Argumentam dizendo que seus salários não dão para pagar as contas e que compras em supermercados estão cada vez mais caras. Porém, não incluem em seus discursos que suas contas que mal dão para ser pagas incluem plano de saúde, escola particular dos filhos, seguros de automóveis, combustível, dispensas e geladeiras cheias, inclusive de refrigerantes, doces, guloseimas e afins, açougue para o mês todo, manicure, churrasco e cerveja nos fins de semana, idas ao shopping e ao cinema dos filhos adolescentes, ração para os bichinhos de estimação, dentre outros gastos. Não que ninguém tenha o direito de gastar e consumir. Mas gastar e consumir nessas proporções e se achar pobre no Brasil, não é algo sensato. 

De fato, para tal classe, os problemas de nosso país se resumem àqueles que mexem com os saldos de suas contas bancárias. As cotas que diminuem suas chances de ingressar no ensino superior público (pois aumenta a concorrência dando chance a quem nunca teve até então), as bolsas de assistência que saem de suas contribuições em impostos (impostos que todas as classes também pagam, inclusive a D e E), a violência social não reprimida com mais violência que atinge os muros de suas casas e rompem os alarmes de seus carros. Também se incomodam muito com a popularização do acesso à cultura e ao lazer que permitiu com que pessoas pobres andassem de avião, freqüentassem escolas, fossem ao cinema e estudassem na USP, UFMG, UNB, UFRJ e outras universidades públicas. Perturba também tal classe a conquista pelo direito de amar e se relacionar com liberdade, ou seja, com pessoas do mesmo sexo. Perturba o fato de pessoas negras poderem ter a chance de compartilhar todos os espaços e oportunidades com menos desigualdades.

O mal do Brasil é a classe média. A classe que mais se beneficia das ações públicas assistencialistas sem perceber. A classe que mais aumenta seu conforto e seu poder de consumo, e por isso mesmo a classe mais alienada aos meios de comunicação em massa, ao consumismo exacerbado e à manipulação política. É a classe que elege o que há de mais podre em nossa administração, que é o grosso do poder legislativo. Engravatados racistas, latifundiários, neoliberais, especuladores, conservadores, reacionários, homofóbicos, elitistas, capitalistas, individualistas, fascistas, fundamentalistas.


Publicado por: Alan Carvalho

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola