Topo
pesquisar

A Idolatria da Beleza Física

Psicologia

Clique aqui e confira uma reflexão a cerca da idolatria da beleza física.

RESUMO

Muitas mulheres famosas aceitam propostas para se exibirem nuas em revistas, jornais filmes, vídeos, etc. Esse tipo de comportamento vem se repetindo, há muitos anos  e tem sido mostrado, com muita freqüência,nos diversos noticiários. Mais e mais mulheres ricas, pobres, conhecidas e desconhecidas mostram a sua intimidade física e fisiológica para uma platéia mundial, compostas de toda espécie de degenerados mentais.

Muitas mulheres famosas se oferecem ou aceitam propostas para se exibirem nuas em revistas, jornais filmes, vídeos, etc.  Esse tipo de comportamento vem se repetindo, há décadas  e, com muita freqüência, é visto em nossos noticiários. Mais e mais mulheres conhecidas ou não; ricas ou pobres estão a oferecerem seus corpos desnudados à curiosidade da maioria dos homens e de  outras mulheres também. Muitas dessas narcisistas-exibicionista, algumas, até em franca decadência física, se mostram com suas plásticas, "Botox" e outros remendos, nessa imensa vitrine de açougue, onde estão expostos peitos, traseiros, pernas, pés, coxas e miúdos. Deixam-se fotografar e filmar em poses acrobáticas, quase radioscópicas, como se isso fosse a coisa mais importante de suas vidas. Muitas delas possuem fama e dinheiro; todavia, sentem prazer doentio e ganância desmedida na exposição dos seus corpos, numa oferenda pública à voracidade fantasiosa e doentia dos bilhões de homens imaturos, pervertidos e erotomaníacos.  Boa parcela dessas mulheres exibicionistas se diz realizada quando expostas publicamente e são desejadas por todos os leitores e expectadores do mundo, incluindo-se neles todo tipo de marginal, maníacos sexuais, decréptos, foragidos e  degenerados de todo naipe.

Não raro essas exibicionistas se mostram com tamanho despudor que pensamos não mais ser possível criarem novas posições eróticas. A necessidade em se mostrar tornou-se uma obsessão em nossos dias, em todo o mundo. Antes, as pessoas se envaideciam por seu Conhecimento, Cultura e Saber; o que era muito bom e útil para elas e para todos nós. A  competição vaidosa entre sábios, leva à descoberta de remédios,inovações tecnológicas,vacinas,utilidades,conforto,felicidade e tantas outras benfeitorias geradas da "vaidade" cultural entre os grandes vultos da humanidade, como: Oswaldo Cruz,Carlos Chagas,Édson,Ford,Bell,Sabin,Fleming e tantos outros que salvaram bilhões de pessoas e ainda continuam nos salvando e proporcionando-nos comodidade e felicidade. Ao contrário, a vaidade moderna se liga aos bens e riquezas materiais, à beleza física e qualquer outro tipo de futilidade. A maioria das mulheres (e, muitos homens também) , principalmente adolescentes, está obcecada na exibição pública de seus corpos. Estamos na Era do Umbigo; no tempo (e Templo) da vaidade, do exibicionismo material, do narcisismo patológico, do voyeurismo e, logicamente, na Era da tolice, da nulidade, do vazio existencial, do niilismo global, da depressão e...do suicídio físico,espiritual,mental e moral ! A regra do nudismo-pervertido está generalizada. Desde as mais humildes até  às mais sofisticadas, a preocupação maior  é a de exibir a anatomia externa, principalmente quando tem alguma "saliência", um traseiro avantajado ou algum outro atributo físico exagerado (mesmo que por uma aberração genética), que seja "atraente" para o sexo oposto (ou até mesmo para o mesmo sexo).

As ruas se tornaram passarela de um constante desfile estético-carnal, cuja submissão à moda, atesta a nulidade interior dos seus seguidores, cuja racionalidade deixa muito a desejar. Deixar-se levar pelos outros, pelo modismo desenfreado e furta-cor do momento, demonstra a imensa decadência mental e cultural da maioria das pessoas deste nosso pobre tempo. Às vezes a roupa está em flagrante desacordo com o clima ambiente e com o estado fisiológico e financeiro do exibicionista. Entretanto, permanece usando-a, até que outro vendedor de moda resolva ditar e impor novas regras no jogo exibicionista. A exploração do corpo, principalmente do feminino tornou-se o filão comercial explorado por todos. Em nossos dias, o contorno epidérmico da mulher considerada "bonita", está vendendo tudo, nas múltiplas facetas da publicidade mercantil, influenciando as mentes frágeis das numerosas pessoas imaturas. É claro que todo homem normal aprecia a nudez feminina! O que nos impressiona, como clínico, é o condicionamento do valor humano à epiderme, às formas físicas das pessoas; logo hoje, que se fala tanto em valores humanos e dignidade das pessoas! Essas discrepâncias e incoerências estão de acordo com a imaturidade e desequilíbrio da maioria das pessoas que escolheu como ídolo o exterior, o invólucro e a casca do seu semelhante. Preocupa-nos muito a origem e as conseqüências desse desenfreado exibicionismo corpóreo.

A justificativa comumente que se ouve, para tal comportamento, é a de esses exibicionistas estão se mostrando para eles mesmos; se "embelezam" para si; por pura satisfação pessoal, suprindo dessa forma um gosto e prazer individuais. Parecem-nos remota as possibilidades de alguém mentalmente são; se enfeite e se exiba para ela mesma. Isto é, uma pessoa que sai à rua vestida de forma a exibir o seu corpo, estaria, unicamente, satisfazendo   o seu "Ego"!  Seria muita ingenuidade aceitar-se tal premissa; pois estaríamos negando as necessidades inconscientes, peculiares à mente humana, principalmente às das pessoas imaturas, narcisistas por excelência; que é a da maioria desfilante na passarela pública universal. Na busca da aceitação, por se sentirem vazias, dependentes dos aplausos e da aceitação dos outros. Cada vez mais as pessoas necessitam mostrar aos demais, aquilo que elas acham ser o mais importante, nelas mesmos.  Alguns (poucos) mostram conhecimento e saber;  outros ostentam riqueza material e, a maioria, exibe seus corpos como seu único valor demonstrável. O carnaval; os concursos de beleza; as revistas, os jornais, a televisão e a internet, comprovam muito bem essa carência mental e espiritual dos expositores carnais.

 A valorização excessiva do corpo não é mais que o corolário do sentimento interior de nulidade e  vazio existencial, sentido e pressentido pelo exibicionista. Quem se sente realizado como Ser Humano, sente-se rico interiormente; pouco ou nada necessitando dos aplausos e aceitação dos demais. Porque o formato do corpo e a pele que o cobre valorizou-se de modo tão intenso e evidente em nossos dias? Por quais razões o conteúdo mental, a alma, o espírito, a sabedoria e o interior pessoal se desvalorizaram tanto? É, que o enriquecimento interno é um processo  lento e penoso que exige introspecção,quietude,esforço,dedicação,renúncia, e isolamento, para lapidar a personalidade através do cérebro e da mente pelo  conhecimento e prática culturais . A herança genética constitui-se, tão somente, nos instintos indispensáveis às necessidades iniciais da vida biológica da espécie, como o choro, o sono, a sucção, a fome, etc. O seu aprimoramento decorre do acúmulo de dados captados pelos órgãos dos sentidos: visão,audição,gustação,tato e olfação que são as entradas naturais do cérebro para a percepção do mundo que nos cerca. Sem essa percepção, o indivíduo ficará imaturo, incapaz de sobreviver sem a dependência de outrem; dependência física e ou psíquica.

Poucas pessoas dedicam tempo a esse penoso, porém indispensável processo de desenvolvimento interno ou mental. Por esta razão é que vemos tantos, se preocuparem tanto com o invólucro externo, cujos defeitos podem e são mascarados pelos arranjos alegóricos disponíveis na crescente e lucrativa indústria de cosmético e da moda. A maior parte das pessoas  desconhece a finalidade do cérebro. Por tal heresia biológica tornam-se mais vítimas que sujeito, de suas próprias e empobrecidas vidas. A exortação apoteótica da beleza física, ao contrário do que muitos pensam, é uma deficiência interna, uma desestruturação mental inconsciente que contribui, severamente para originar diversos transtornos à pessoa e aos demais. Conheço casos de pessoas que eram bonitas antes; e, hoje, ao passar dos anos, ou devido às doenças ou um acidente desfigurante, sofrem graves conflitos mentais depressivos, motivados pela rejeição daqueles que, antes, as cobriam de ofertas,admiração e bajulação. Sem a força interior da sabedoria elas sucumbem quando desaparecem  os seus adornos físicos; ou seja, quando deixam de ser bonitinhas. Muitos terapeutas se ocupam em casos como esses, cujo tratamento é difícil e oneroso. Passemos a analisar, agora, um tipo de discriminação, cuja origem está no excessivo culto da beleza externa.

A  Discriminação  Estética

É bastante notória, mais  na atualidade, a preferência por pessoas dotadas de beleza exterior ou física. Esse tipo de preferência é injusto e fere os direitos humanos; que são muito falados em verso e em prosa, porém, pouco respeitados na prática. A distinção estética discrimina aqueles que não foram contemplados por esses atributos genéticos, sofreram alguma doença degenerativa ou sofreram algum acidente deformador. Essa descriminação é fruto da imaturidade mental que afeta a maioria das pessoas, principalmente as de menos idade, porque se prende a valores e predicados efêmeros e ilusórios. Ninguém, a não serem alguns tipos de psicóticos, duvida da fragilidade do corpo. Um acidente, uma enfermidade e, principalmente, a passagem (cada vez mais rápida) dos anos, encarregam-se de desmoronar a formosura física; é só uma questão de anos; ou melhor...., de dias.  Com a ruína externa, muitas vezes desaba também, a estrutura interna, que já se encontrava fragilizada pelo narcisismo. A valorização exagerada do envoltório anatômico prende-se ao próprio sentimento (às vezes inconsciente) de posse e usufruto do corpo alheio, como simples objeto de sexo.  A inversão dos valores naturais para os artificiais induzida pelos meios de comunicação, notadamente pela televisão, num condicionamento repetitivo e desestruturante, levou as pessoas carentes de afirmação  ao endeusamento e idolatria da Aparência, em prejuízo do seu Interior e dos seus valores humanos mais autênticos. Em tudo, e em quase todos, se nota a idolatria da aparência externa. Nas embalagens das mercadorias, nas aberrações de cores, na enxurrada de cosméticos, na moda que uniformiza e tiraniza, nos apelos comerciais que reduzem os valores da pessoa à sua epiderme, na exposição e oferta do corpo feminino (paradoxalmente criticada, consentida e desejada por muitos) ao consumo dos que se dizem não-manipuladores e igualitários.  O mundo não é constituído somente por coisas e pessoas "bonitas" ou "bonitinhas". Grande parte da população é formada por indivíduos com defeitos físicos; por pessoas de peles diferentes e ásperas; muitos são destituídos de contornos esculturais e outros com um imenso tipo de mazelas e, que nem por isso, são menos humanos que os "bem dotados" fisicamente. Muitos destes  até  superam, em valores humanos , os "bonitos" e "bem dotados". As mulheres, ao mesmo tempo em que induzem e alimentam a discriminação estética, são as suas maiores vítimas. Inicialmente, no frescor da juventude o sexo feminino se beneficia desse seu atributo físico. Mas, com o passar dos anos (cada vez mais rápido),por um acidente ou enfermidade; tornam-se vítimas da falta da beleza que perderam. A beleza exterior sem a solidez estrutural interior; resulta, quase sempre em  deterioração mental, quando os seus traços fisionômicos forem afetados pelos diversos fatores externos e internos a que todos nós estamos expostos. Como isto acontece? Novamente nos reportamos à Psicobiologia para nos responder com acerto científico.  Repetindo: sendo a beleza física apenas uma dádiva genética, independe da nossa vontade e esforço próprios. Está além do querer consciente o  querer, ou, o ser fisicamente  bonito e perfeito. Por se tratar de uma dádiva aleatória, a beleza física é efêmera, inconsistente e inconsistente.

Quando alguém valoriza algo que não tem o respaldo da realidade; está se iludindo; deixando de ver a transitoriedade do atributo, sendo, portanto, uma pessoa guiada por seu Inconsciente e, dessa maneira, é uma pessoa imatura.  Nela o consciente ( a Razão) perdeu,ou não teve a condição fundamental de sobrevivência , que é a Predição. A capacidade preditiva se verifica graças ao conhecimento do passado e do presente, com todos  os estímulos acessórios ambientais, registrados e acumulados no  cérebro, que capacita a mente humana na planificação e planejamento da vida futura  da pessoa, tornando-o previdente e precavido. A ausência dessa capacidade torna a pessoa insegura quanto ao seu futuro, ainda no presente. Inseguro, portanto, de forma dupla. Todo aquele que escolhe unicamente pelos atributos estéticos, não passa de uma pessoa insegura e vazia, espiritual e mentalmente. Não é de se espantar, pois, que atravessamos uma era de incertezas  e, ao mesmo tempo, um período de excessivas sofisticações materiais que não trouxeram, não trazem e nunca trarão a felicidade e paz tão falados e desejados por todos. Inúmeras pessoas capacitadas e ricamente dotadas dos verdadeiros valores morais, espirituais e humanitários são rejeitadas e preteridas  do social pelos muitos nulos e apavonados da estética  facial.

A  Realidade da Vida 

 R.A., 26 anos, filho de fazendeiro, nasceu com um dos braços atrofiado, causando-lhe fortes sentimentos de auto depreciação. Foi crescendo e notando o afastamento dos colegas, principalmente das meninas da sua idade, apesar destas, afirmarem que não tinham preconceitos contra ninguém.  Na verdade, todos tinham namorados, menos R.A.  Não lhe faltava companhia para os estudos, para as brincadeiras, passeios e conversas; mas, para namorar, não conseguia uma parceira. O pior é que R.A., além do defeito físico que se acentuava com a idade, não era o tipo considerado "gato" pelas meninas, como alguns do seu grupo. Cedo veio morar na Capital e com o apoio do pai, montou um apartamento luxuoso e tornou-se muito festivo. Logo suas festinhas passaram a ser conhecidas e muito freqüentadas por pessoas de sua idade. Fazia festa todo fim-de-semana; com  todos os gastos por sua conta (do pai) e os convidados davam-lhe "alegria"e companhia, semanalmente. Falavam de tudo nas suas festinhas, desde "reforma agrária, até de  "sexo livre". O esquisito,notava ele,era  que, apesar de falarem tanto em  "sexo livre"; as meninas não queriam nada de sexo com ele; apesar dos seus desejos,tentativas e...gastos.  R.A. conseguiu um vasto círculo de amizade, principalmente do sexo oposto( o que mais queria). O som, no mais alto volume, incomodava com freqüência os seus vizinhos. Seus "amigos" festivos chegavam e saíam pela madrugada, acelerando as suas máquinas" e "roncando" seus estridentes motores; o que lhe valeu algumas denúncias e ocorrências policiais. O tempo foi passando e ele se sentia cada vez mais só; apesar dos seus esforços, despesas, sorrisos e de ser considerado pela turma como um "cara legal". Na verdade, R.A. sempre ficava sozinho, após as sua noitadas festivas, quando todos os seus convidados se retiravam bêbados e/ou drogados, cada um deles "ficando" com uma coleguinha, para a sua  tristeza, ciúme, inveja e frustração. Para o desespero de R.A., nenhuma garota lhe dava nada, além dos dois beijinhos em sua face corada. As mais desejadas por ele, se "amarravam" mesmo era nos garotões mais "bonitinhos" e  nos esteticamente normais. Pobre R.A.; sempre se sentia rejeitado e sozinho, com o seu defeito estético, cheio de fantasias eróticas com as suas coleguinhas, a duvidar da solidariedade dos jovens, tão falada e propagada por suas convidadas. Ele também notou que raramente era visitado ou tinha companhia feminina, quando não fazia as suas festinhas. Quando lamentava o seu defeito físico e a falta de beleza estética, os outros sempre corriam a consolar-lhe com palavras bonitas de solidariedade, consolo e incentivo, apontando a sua "simpatia" e "solidariedade" com os colegas que ele tanto ajudava nos trabalhos em grupos, etc., (R.A., era muito estudioso). Mas, apesar de tanta oratória de consolo que as coleguinhas lhe ofertavam, o que ele realmente queria, era sexo; muito sexo mesmo (estava muito carente). Mas elas só queriam satisfazer-se com os seus amiguinhos mais "bonitos" e "gatões" da turma. Hoje, com 26 anos, solitário, impedido de atrair as garotas com as suas festinhas ( o pai cortou-lhe metade da mesada), ele se encontra sob forte depressão, sob risco de atentar contra a própria vida. Seus festivos e barulhentos "amigos" deixaram de visitá-lo, salvo uns poucos, menos estéticos, solidários na rejeição estética.

 -N.S.:, de 24 anos, foi salva do suicídio(após uma tentativa), graças a presteza do atendimento psicoterápico. Está muito abatida e magra. Nem de longe lembra a beleza física que tanto atraía a moçada, há alguns anos. Aproveitou-se (contou ela) das “curvas” do seu corpo por apenas 10 anos. Nunca imaginou que o tempo iria lhe passar tão depressa. Julgava-se bonita para sempre. Aos 14 anos era considerada a garota mais bonita de sua cidade. Era desejada por todos (ou quase todos) homens dali.  Era muita "convencida", diziam muitos. Começou a sair, ora com um e ora com outro; procurando na variedade erótica precoce, o prazer efêmero das ilusões coloridas da sua imaturidade mental. Na escola, desfilava lascivamente, pelos corredores e pátio, vendo e sentindo os olhares "gulosos" dos seus colegas, de toda a idade. Isto era o máximo que desejava, "inflando" o seu Inconsciente narcisista dominante. Estava sempre cercada  pelos "caras" mais ricos e  mais "bonitos" e com eles estava sempre envolvidas nos encontros furtivos,em barzinhos(onde aprendeu os "bons costumes" de fumar,bebericar e outros menos saudáveis), festinhas ,etc. Seus pais se mudaram para um grande centro e N.S., mudou de palco e de...platéia.  Continuou a receber elogios e favores duvidosos de admiradores que espreitavam e cobiçavam as deliciosas curvas e arremates cuidadosos do seu, sempre, exposto corpo. Ela se deliciava em saber-se desejada por tantos e tantas. Um séquito de homens a acompanhava para onde fosse; obviamente, interessado apenas em sexo (iguais aos machos dos animais inferiores, que acompanham e brigam pela fêmea, quando no cio). Noites sem dormir, barzinhos, botecos, bebidas, churrascos semanais, sexo com fartura,variado e promíscuo, etc.; foram marcando o corpo e a sua mente. Um dia, por insistência dos seus colegas e "amigos", para não desapontá-lo e  não ser chamada de  "quadrada", N.S. fumou o seu primeiro "baseado". Daí foi um "pulo" para a dependência de drogas variadas. Então, rapidamente, foi perdendo a sua atração, a sua saúde e a sua única força atrativa e seu único valor: a beleza física! Fora a Estética, o que mais tinha ela a oferecer? Esgotou-se o seu manancial erótico e se viu solitária, engravidada, rejeitada e destruturada no físico e na mente. Quase todos os seus admiradores, fãs e "comensais" se afastaram por ela não ter mais belos traseiros, dianteiros, pernas, coxas e miúdos; tal como são exibidas aos fregueses, as diversas partes bovinas nos balcões dos açougues. Segundo nos  confessou: "os homens acabaram com a sua beleza e saúde"!  Quando procurou a terapia, N.S.  estava muito deprimida e sem ânimo para viver; assim como muitas outras, sem conteúdo interior, vítimas da imaturidade mental e da discriminação estética; algozes de si mesmas.

Conversando com famílias do Interior, ouviam-se, com freqüência, relatos sobre "moças bonitas" que deixaram seus lares e cidadezinhas para se prostituírem nos grandes Centros; condicionadas e ludibriadas pelos exemplos negativos das novelas e comerciais da televisão que enaltecem e idolatram os atributos físicos e externos das pessoas. Quantas pessoas capacitadas, principalmente femininas, são rejeitadas para determinadas funções e empregos, unicamente por serem consideradas "feias"? Quantos outros são bem aceitos, bajulados, cortejados e indicados para empregos, apenas por seus dotes físicos exteriores! Muitos até incompetentes e incapacitados para esses empregos; mas, como são fisicamente "bonitos" e atraentes são colocados no lugar de quem tem competência, honestidade e capacidade para exercerem as mesmas funções; mas, não é"bonita" por fora!

As  Raízes  do  Mal

A formação vem do berço, diz o ditado popular. Com efeito; a criança é condicionada pelos adultos que a rodeam. E esses primeiros adultos e modelos; são os pais. Estes são os seus mais importantes exemplos, principalmente a mãe, com relação à filha e o pai, com respeito ao filho. Aí residem as principais causas de todo comportamento futuro da criança, do adulto e do futuro cidadão maduro ou imaturo; consciente ou inconsciente; negativo ou positivo; animal ou Ser Humano; útil ou nocivo à Humanidade. No que toca ao exibicionismo estético e a sua idolatria; temos que, quando uma mãe veste a sua filha pequena, de forma a expor o seu corpo, esta mãe está projetando na criança os seus desejos exibicionistas, narcisistas e eróticos. Ela está usando a filha  para aquilo que gostaria de fazer; mas, que se o fizesse, encontraria resistência e crítica de outras pessoas. Essa mesma mãe andando nas ruas com a sua filha de saia curta ou justa, por exemplo, canaliza para si (de forma inconsciente ou  mesmo sabendo) os olhares lascivos e desejosos  dos homens , que a filha possa atrair. Vejam o quanto um distúrbio mental se liga a outro! Imaginem quantos doentes desajustados  e maníacos sexuais estão soltos no meio da multidão e daqueles que estão expiando o corpo da filha desta mãe!  Multiplique este fato pelas vezes que as mulheres fazem isso com as suas crianças com o número de indivíduos inconscientizados e desestruturados no mundo inteiro! Aí, vemos um dos fatores comportamentais que levam à prostituição, à idolatria do corpo, à miséria material e mental que tanto assola a humanidade. Na maioria das vezes as mães que procedem assim com as suas filhas; são mães imaturas, sem o conhecimento das bases do comportamento negativo e pouco ou nada sabem das motivações que as levam a agir dessa forma doentia. Uma criança assim formada ( e são milhões e milhões) será um adulto imaturo e, conseqüentemente, inseguro,tanto quanto os seus pais. Dá para se avaliar a quantidade de pais e filhos imaturos e mentalmente desestruturados na nossa sociedade e no mundo.

O que se deve esperar deles?  Se o indivíduo, principalmente a mulher, possui os atributos físicos desejados; se o seu corpo for atraente para os homens e vice-versa, condicionados que estão para verem somente o lado externo do outro,; tornar-se-á um exibicionista até  que entrem em decadência esses mesmos atributos físicos que lhes dava boniteza e servia de "isca" para atrair  indivíduos imaturos e volúveis. Quando a degradação física vier, seja pela idade, por doença, pelo uso de drogas e vícios ou por algum acidente ( que pode  nos  acontecer a qualquer momento da vida), a pessoa "bonita" sofrerá a rejeição daqueles que antes a desejavam e, que agora, irão em busca (à "caça") de novos corpos, mais novos e bonitos, a fim de satisfazerem as suas lascívias e fantasias sexistas . Quando aquela criança, exemplificada acima, tornar-se adulta não apresentar seu exterior físico de acordo com o padrão de beleza tipificado, exigido e condicionado pela sociedade; ela será rejeitada e corre o risco de ser depreciada de maneira material, social e moral; além dos transtornos psíquicos que poderão atormentá-la por toda a vida; como nos dois exemplos clínicos citados acima. Ela, mesmo destituída dessas "belezas" físicas, poderá suplantar a "deficiência" com o  enriquecimento interior, fortalecendo a sua mente Consciente (o Consciente Cérebro-Mental), através do Conhecimento, da cultura dos Estudos e do Saber.

Uma pessoa internamente Bela é mais interessante, útil, Formosa e promissora; que, uma centena de beldades unicamente estéticas e cheias de curvas, retas e triângulos eqüiláteros ou obtusos! As pessoas "pouco dotadas" fisicamente são comparadas e confrontadas com aquelas esteticamente "bem-dotadas".  São os valores internos, mentais, humanísticos e espirituais que advogamos cuja constituição dará a segurança necessária para se sentir útil e desejado, não pela efêmera e ilusória embalagem epidérmica; mas, sim, pelo conteúdo rico e duradouro da solidez mental e espiritual; um autêntico Ser Humano. Lembremo-nos que, não raro a beleza física e a permissividade sexual (que difere da liberdade sexual) estão ligadas ao crime, às drogas, às doenças físicas e mentais e à prostituição do corpo, da mente e do espírito. Comumente vemos nos noticiários criminosos famosos com "carrões", iates e mansões luxuosas, cercados por mulheres bonitas, distribuindo largos sorrisos de uma pseuda- felicidade que de um momento para o outro poderão ser substituídos por lágrimas e choro, quando forem desprezadas (quando não sofrem o pior) e substituídas por outras mais novas e bonitas. É notório que a beleza externa é seduzida, facilmente, pelo dinheiro e pela fama.  Agora, analisemos outros prejuízos e perigos que causados pela beleza física.  Pensemos na frustração que sente uma pessoa que vê na rua, no cinema, na televisão, nas revistas, internet e vídeos pornô-eróticos. Essa pessoa sendo pobre, que tenha alguma deficiência física ou mental, que seja "feia"; ou um excluído social, como mendigo, marginal, tarado, foragido, etc. 

Como reagirão tão carentes  pessoas  ao verem centenas de mulheres desfilando e se exibindo, com seus corpos desnudos,exuberantes,lascivos e provocadores ?  Seguramente, em sua mente consciente e/ou inconsciente formar-se-á  uma imensa frustração por saber que uma mulher bonita e atraente não vai querer,normalmente, se envolver com uma pessoa que ela percebe não poder lhe proporcionar riqueza,poder e fama. Assim, na cabeça daquele pobre e desesperançado admirador da "beldade", um  turbilhão de impulsos nervosos o levará a tomar duas atitudes: resignação ou agressão. Para se resignar diante de tanta descarga  eletroquímica,  impulsionadoras de comportamento animalesco-sexual; é necessário que aquele cérebro-mente esteja bastante forte, com um consciente vigoroso para conter e dispersar tanta energia do seu Inconsciente. O que é pouco provável em uma pessoa sem conhecimento, depauperado, revoltado, frustrado e faminto. O que mais deve ocorrer é o ataque à vítima bonita e desnudada, principalmente quando as encontram sozinhas e à noite; como faz qualquer fera faminta. Daí, tantos ataques sexuais. Décadas atrás, o psicólogo americano Eckhard Hess comprovou   que as pupilas de um homem se dilatam muito ao verem mulheres nuas e que as pupilas femininas pouco se dilatam ao verem homens nus. Tal fato já havia sido notado, há vários séculos, pelos comerciantes chineses que observavam as pupilas dos seus  fregueses para saberem do seu interesse pelas suas "mercadorias".

É provável que muitos homens, com suas pupilas muito dilatadas, estejam "vendo"  e tratando as mulheres "bonitas" e sedutoras como "mercadoria" e "objetos" que após o seu uso e desgaste, rejeitam-nas em troca de outras mais "bonitinhas", deixando muitas delas deprimidas e "desgastadas" pelo "mau uso" que delas fazem eles.  Devem, pois, as mulheres, aprimorarem as suas mentes para saber distinguir os homens imaturos  dos conscientes e responsáveis. Outro problema que merece a nossa análise é quando se expõe o corpo em mostruário público; ele passa a ser visto e avaliado como uma mercadoria que se pode comprar trocar e vender. Exibindo-se desta maneira, as mulheres terão grandes dificuldades em se impor, além de objetos de uso e descarte. . Quando alguém valoriza em demasia a sua casca, não pode exigir que os outros reconheçam e dêem valor ao cerne, ao  seu conteúdo; como querem muitos e muitas. Ao terminar este Trabalho, não poderíamos deixar de enfatizar que o nosso propósito foi o de esclarecer a opinião pública (voltado mais para  a segurança, saúde e bem-estar feminino), sobre eventos inconscientes, capazes de provocar transtornos mentais e fisiológicos. Focalizamos mais a beleza física porque esta, sem o devido respaldo da maturidade mental, torna-se responsável por grande número de conflitos, notadamente entre as mulheres, alvo preferido pelo condicionamento dos interessados na obtenção de lucros e no prazer sexual dos neuróticos sexistas.

Certa vez, atendemos a uma  jovem mulher que aos 15 anos tinha perdido a beleza exterior e se encontrava em deplorável estado psicossomático, em decorrência do doentio erotismo precoce, vítima da própria idolatria estética ( dela e dos outros). Focalizamos mais o sexo feminino, neste Trabalho,  por causa dos séculos de submissão a que foi submetido, causando-lhe dificuldades ao acesso à cultura científica; razão pela qual, somente agora é que elas estão tendo mais destaque (com muita competência) no mundo científico. Dessa forma, o conhecimento sobre o seu universo mental lhe foi subestimado, restando-lhes, apenas, o cultivo de suas formas externas; do seu lado material subserviente aos homens imaturos de todos os tempos. É lamentável que até hoje, muitas, ainda, se encontram  neste deplorável estágio mental.  Assim, ficaram vulneráveis  frente às vicissitudes da idade, dos defeitos físicos, da genética não-embelezadora e das desfigurações estéticas.  Não tivemos a intenção de criticar ou julgar  quem quer que seja; pois não somos juízes,puritanos  ou salvadores. Focalizamos como terapeuta as causas e efeitos do tema aqui abordado. È  claro que nem todas as mulheres encontram-se voltadas, unicamente, para as suas peles. Cremos que muitas "Terezas de Calcutá" passam despercebidas por nós. Seus valores estão além..., muito além da epiderme, onde os olhos estrábicos do nosso tempo não alcançam.

Nota: todos os dados pessoais, citados nos exemplos clínicos acima, foram trocados e modificados em respeito às suas dignidades.

Obs.: Este Trabalho, com algumas atualizações pelo autor, foi publicado no Jornal "O Estado de Minas",em 12 de janeiro de 1986, sob o patrocínio da Jornalista e Editora Anna Marina Siqueira.


Publicado por: Carleial. Bernardino Mendonça

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola