Topo
pesquisar

Você é um internetholic?

Informática

Novos tempos, novas tecnologias… novas patologias!

Você fica on-line mais de cinco horas por dia, consulta sua caixa de mensagens de meia em meia hora e sente cada vez mais necessidade de usar a internet? Já colocou em risco seu trabalho, escola ou relacionamentos por causa da internet?  Você se sente inquieto, mal-humorado ou depressivo quando tenta diminuir o tempo de uso da Internet? Você usa a internet como uma válvula de escape para seus problemas ou para diminuir a solidão ou ansiedade?

Se você respondeu afirmativamente a pelo menos três das perguntas acima, você pode ser considerado um internetholic, uma pessoa viciada em internet, que faz uso patológico da internet ou que tem maiores chances de sintomas de abstinência ao parar de se conectar.

É claro que a tecnologia é extremamente importante para a evolução da humanidade. O homem está sempre criando e inovando, buscando novas técnicas e possibilidades. E um dia, fomos apresentados ao mundo virtual, um mundo muito sugestivo, diferenciado, versátil, eclético e inovador. Mas, como tudo na vida, até esse mundo impalpável tem seu lado negativo. Muitas pessoas se encantam tanto com a rede, que nem percebem as mudanças no próprio comportamento.

É fato que o uso compulsivo e a dependência da internet podem causar vários prejuízos psíquicos, físicos, sociais, profissionais, financeiros, familiares e afetivos na vida de uma pessoa.

Pessoas que usufruem do cyberespaço com moderação e de maneira saudável, sem se esquecer das pessoas à sua volta, da sua família, do seu trabalho ou estudo e das suas demais atividades diárias, sabem dividir o tempo, conseguem se organizar e não substituem sua vida diária real pelas horas a fio na internet.

Já os internetholics, usam a internet diariamente por várias horas seguidas, se alimentam em frente ao computador, permanecem até de madrugada conectados, trocam os amigos reais por amigos virtuais, ficam sonolentos durante o dia a ponto de prejudicar o rendimento no trabalho ou na escola e recusam passeios para ficarem conectados, caracterizando um quadro comportamental nada saudável.

Alguns internetholics até percebem a sua falta de controle nos impulsos de se conectar, mas não conseguem controlar a compulsão, não conseguem encontrar um ponto de equilíbrio diante desta situação e necessitam da ajuda de profissionais especializados, como psicólogos, psicoterapeutas e psicanalistas. Sorte nossa que hoje, no Brasil, existem muitos profissionais habilitados e estudiosos deste novo tema.

Novos tempos, novas tecnologias… novas patologias!

Por Marlene Bastos. Publicado originalmente no Jornal Diário da Manhã.

http://www.dm.com.br/#!/135237


Publicado por: Marlene Bastos

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.

DEIXE SEU COMENTÁRIO
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola