Topo
pesquisar

Saci, boitatá e curupira, quem nunca ouviu falar deles?

Folclore

Enaltecer o folclore é valorizar a diversidade cultural de nosso país e seu belíssimo povo.

Saci-Pererê, Boitatá e Curupira, afinal, quem nunca ouviu falar deles? Folclore vem do inglês folklore, que significa folk, 'povo, nação', lore, 'saber, educação, instrução'. Quer dizer ciência das tradições, dos usos e da arte popular de um país ou região; populário, conjunto de costumes, lendas, provérbios, manifestações artísticas em geral, preservado por um povo ou grupo populacional, por meio da tradição oral. No Brasil, o Dia do folclore, é festejado em 22 de agosto. 

Ele está entre nós - cinema, rádio e TV - e faz parte do nosso dia a dia. Enaltecer o folclore é valorizar a diversidade cultural de nosso país e seu belíssimo povo. Foi isso que fez o paulista Cornélio Pires (1884-1958), um dos maiores estudiosos da cultura brasileira e caipira. Na verdade, celebrar nossas manifestações artísticas e o trabalho desse importante folclorista é lembrar quem somos, bem como, valorizar nossas raízes. Afinal, somos mestiços, sincréticos e caipiras.

A produção de Pires é diversificada e conta com mais de vinte obras. Por que seu trabalho é tão importante? Ele trouxe à tona uma cultura popular entalada e escondida nos grotões, nos quilombos e nas matas deste país. Sua obra possui valor imensurável em termos científico, histórico e antropológico. De outro lado, falta maior conhecimento dela. Não é exagero afirmar que nos trouxe um conhecimento ancestral e antigo que pertencem ao nosso povo, embora tenhamos pouco mais de 500 anos de história. A época, todo esse conhecimento popular, tão nosso e interiorano, estava muito distante dos centros urbanos. Estava confinada dentro dos muros das universidades.  

Dono de um olhar estético privilegiado, soube perceber e captar uma cultura cheia de simbolismo, tanto material e imaterial, que é de suma importância para a construção da identidade cultural. Com o objetivo de valorizar nossa riqueza folclórica, em São Luiz do Paraitinga (SP), em 2003, foi criada a Sosaci (Sociedade dos Observadores de Saci). Para os membros da entidade, o Saci Pererê existe. Então, está claro que o campo de estudos e pesquisas dos folcloristas é vasto e abrangente.    

Pois bem, Pires não parou por aí. Foi pioneiro ao lançar a música caipira em discos, que hoje conhecemos como música de raiz ou música sertaneja. Por fim, nos legou, Conversas ao Pé-do-fogo, um dos mais importantes dicionários especializados em cultura caipira. Além disso, foi humanista, poeta, escritor, jornalista, trabalhou no jornal O Estado de S. Paulo, espírita atuante  e criador do 'Teatro Ambulante Cornélio Pires'.

O regionalismo em Lobato e Pires

A meu ver, tanto em Monteiro Lobato (1882-1948) e Cornélio, a temática é o meio rural e a cultura caipira. Para Lobato, o Jeca Tatu, da obra Urupês, é a representação simbólica do caboclo abandonado à indigência, à miséria e à negligência do poder público. Por isso, é retratado de pés rachados, cheio de helmintos e anti-higiênico. É o  símbolo do atraso nacional.

Por sua vez, Pires vê um homem do campo caipira, mas, dono de imensa riqueza cultural e jeito próprio de falar, assim como, possuidor de um saber muito próprio. Ou melhor, é a alma do povo brasileiro. Na verdade, seu trabalho é autoral e etnográfico. É resultado de suas andanças e pesquisas sobre a ciência das tradições.

Em outras palavras: resgatou a cultura do meio rural e deu voz ao camponês brasileiro. Vale lembrar que, na segunda metade do século 20, sofríamos a invasão cultural estadunidense, que se deu na mídia, no cinema, na música e na moda. A meu ver, seu trabalho recuperou o sentimento e a ideia de brasilidade, bem como, toda sua carga de idiossincrasias muito próprias. É como diz Sebastião Salgado (revista 'Serafina' 2010, pág. 53): 'Nós abandonamos nossa ligação com o campo, com a natureza (...)'.

(Ricardo Santos é prof. de História)


Publicado por: RICARDO SANTOS

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola