Topo
pesquisar

Imprensa e liberdade

Atualidades

Clique e confira uma reflexão acerca da imprensa e da liberdade.

Cada vez que o noticiário contraria as convicções ou interesses de um grupo, político ou não, assistimos a uma verdadeira enxurrada de acusações contra a “mídia”: que seria de direita ou de esquerda ou de centro, ou não teria opinião firme, ou teria sido comprada, ou tentaria manipular a opinião pública, enfim todo um arsenal de vitupérios. Como tudo o que é humano anda um pouco estranho, é provável que algumas dessas acusações procedam, mas certamente não todas e nem a todos os órgãos de imprensa. Quando as pessoas são elogiadas acreditam merecer plenamente os elogios, quando são criticadas, ou quando os fatos não lhes são favoráveis, sentem-se injustiçadas e desejam trucidar, ou pelo menos censurar, o mensageiro.

A não ser pela questão, importante, da dimensão, não existe diferença de fundo entre o chimpanzé que adula o líder de seu bando em troca de acesso mais fácil a alimentos ou outros privilégios, e o funcionário público que aceita propina para facilitar a vitória de determinada empreiteira em uma concorrência. Trata-se nos dois casos de corrupção, comportamento em desacordo com a ética vigente em troca de algum tipo de vantagem, mas claro que o símio tem a favor a justificativa de que a sua forma de corrupção é generalizada na espécie e traz prejuízos muito pequenos a ela. O mesmo não se pode dizer do barnabé turbinado que negocia “pixulecos” de muitos milhões de dólares e ajuda a colocar uma empresa que já foi orgulho nacional em rota certa para o desastre.

Fala-se que a corrupção é tão antiga quanto o Estado, mas na verdade ela é mais antiga ainda, mesmo antes de existirem estruturas organizadas de poder existiam os que burlavam as regras tribais ou familiares em busca de melhores condições de vida.

Pelos seus efeitos deletérios a corrupção sempre foi tratada como um ilícito jurídico, e até antes disso várias sociedades buscaram maneiras de lidar com o problema. Textos indianos milenares previnem sobre cerca de quarenta formas de desviar dinheiro do Estado; na antiga China os funcionários públicos eram premiados pela “incorruptibilidade” com um provento chamado Yang-li, um adicional que estimularia a honestidade e que, aparentemente, não tinha muito sucesso. Mas, afirmar que o homem é corrupto por natureza é tão injusto quanto dizer que o homem é honesto por natureza.

O que controlou os instintos agressivos dos “vikings” nórdicos, pavor de muitos povos na virada do milênio passado, transformando-os nos comportados noruegueses e dinamarqueses de hoje, foi uma sociedade baseada em leis e punições para sua desobediência que passavam até pela pena de morte, mas tinham como corolário mais temido o opróbrio social. Temos muito pouco tempo do que podemos chamar civilização, algo como dez milênios ante quase um milhão de anos em que instintos nada civilizados ditavam as regras de convívio e de poder, foi apenas com o surgimento dos Estados e de seus mecanismos de controle, enfim com a instituição do Direito, que passamos a poder viver em relativa, muito relativa em determinados países, tranquilidade.        

E, na verdade, muito do que denominamos autoimagem de um povo é uma construção social no sentido lato do termo, ou seja, de suas instituições, de seus comportamentos, e da forma como vemos, socialmente, seus reflexos; e nisso o papel das várias mídias é essencial.

É através da imprensa, escrita ou falada, que nos vemos diariamente: na violência ou na paz, na incapacidade ou capacidade de tolerar o dissenso, no respeito ou desrespeito das normas sociais, na valorização das virtudes de convivência e solidariedade – ou não.

Os totalitarismos, de esquerda e de direita, começam pela interdição do debate, apenas as pessoas “certas” podem falar, prosseguem pela censura, apenas os fatos “convenientes” podem ser divulgados, e terminam com a brutalidade conhecida.

Por Wanda Camargo – educadora e assessora da presidência do Complexo de Ensino Superior do Brasil – UniBrasil.


Publicado por: Wanda Camargo

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do Brasil Escola, através do canal colaborativo Meu Artigo. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
MeuArtigo Brasil Escola